Relatório de visita ao Pontão Mundo, Olhares e Saberes no Paranoá – DF

  • Fonte: Caetano Ruas de Blog Ação Cultura Digital no Brasil Central

    wilian11
    25 de Março de 2009,

    Estavam presentes:
    Pontão Mundo, Olhares e Saberes : Willian
    Cultura Digital: Caetano e Josi.

    Relatório:

    O Pontão Mundo, Olhares e Saberes fica no Centro de Ensino Médio do Paranoá. Trabalham principalmente com a linguagem cinematográfica e não simplesmente com o conceito de audiovisual (embora suas produções sejam mesmo em vídeo digital), pois como diz o gestor Wilian: “O audiovisual ainda é muito novo e ele naturalmente tem que beber na fonte do cinema, não da para falar de audiovisual sem evocar a cinematografia e os seus mestres”. Por isso nas atividades de ‘formação do olhar’ –  conceito que esta sendo revisado, pois o wilian deixou bem claro que não se forma e sim se transformam mutuamente no exercício dialético da construção dos saberes e olhares – visitam os diversos debates estéticos e políticos elaborados profundamente pelos autores e pensadores do cinema. Além disso, o ponto também contempla outras manifestações da cultura popular e dos artistas locais, como o Maracatu e bandas da própria comunidade.

    Os dois principais eixos de atuação do pontão são: A Oficina de Documentário, que é uma demanda da comunidade e Cineclubismo que vai acontecer mensalmente na escola aberta à comunidade.

    Willian é claramente um apaixonado pelo o que faz, em seu relato ele praticamente revive o que está dizendo. Deu para perceber ele enchergando claramente as situações que foi nos relatando, pulando de um assunto para outro e enrredando tudo magistralmente num dizer totalmente vivo , um balaio de assuntos sobre cultura, pedagogia, técnica , burocracia, política, filosofia e etc, em um esforço artístico para tentar nos transmitir o encanto do processo de trabalho e a sua visão altamente lúcida sobre o contexto e a tragetória de seu trabalho e da própria política do ministério da cultura.

    Nessa cadencia, willian nos conduziu desde 2002 relatando a 3ª Oficina de Imagem Popular em…….. (ceilandia?) por 6 anos de trabalhos como ciclos de debates, produção de cadernos e catálogos de cinema e pensamento, bates e diversas empreitadas de cinema comunitário e, como ele diz, “cinema marginal”.

    Nos contou sobre o longo processo implementação do ponto, desde a busca por espaços e mudanças e também um processo de crise do coletivo gestor do projeto, muito parecido com crises que ocorreram nos diversos grupos compostos por ativistas da comunicação e das T.I’s que atuaram fortemente na elaboração e execução desde os primeiros anos do Ministério da Cultura do Ministro Gil. Algumas das questões que sugerem estas crises são desde o fato da ação ativista e voluntária desses grupos passar a ser procurada para a formulação de conceitos dos estatutos daquele novo ministério e, com isso, ao ser contemplada com verbas públicas, levou a algumas crises de identidade e também como disse o willian: “a falta do saci pererê pra enfrentar a cuca na floresta” – as pessoas passaram a se ocupar prejudicialmente da burocracia com os diversos problemas de prestação de contas, muitos provocados pelo despreparo do edital dos pontos. Então essa verba, esse financiamento, muitas vezes prejudicou a atividade fim ao inves de fortalecer, entre outros fatores. Assim o coletivo faisca, proponente do primeiro projeto do pontos, se dividiu, com alguns de seus membros indo atuar nos movimentos pela moradia popular em Goiania/GO – do Sonho Real à Real Conquista. Willian desde então vem levando o projeto com sua companheira de trabalho ……(nome companheira de trabalho?) Até chegarem ao Centro de Ensino Médio do Paranoá.

    O Ponto inaugurou em Dezembro de 2008 no último dia de aula da escola.  Além das atividades de Oficina de Documentário e Cineclubismo, o ponto visa se transformar em uma cooperativa com gestão dos estudantes e da comunidade escolar. Eles estão com um estúdio de web radio praticamente pronto para operar e querem implemtentar um estúdio de gravação de música e uma web tv.

    Willian acha muito positiva parceria do Ponto com a escola, acha que cultura e educação nunca deviam ter se separado e quer trabalhar para contaminar a comunidade escolar com esse entendimento, objetivando como sucesso destruir o muro ao redor da escola substituindo-o  por uma aura sagrada, a escola como um local sagrado. E quer multiplicar esse processo para outras escolas.

    Hoje o ponto funciona de dia e abre à noite com a monitoria de 2 estudantes da escola que tb atuam no ponto. A Escola tem um telecentro com 12 computadores rodando software livre e ja tiveram um oficina de iniciação ao linux.

    Além de tantas visões interessantes sobre educação, arte e política foi muito interessante quando o willian relatou sua visão de tecnologia falando sobre a MINHOCASA que segundo ele é tecnologia de ponta. Se trata de uma técnica de compostagem de lixo organico com minhocas. Que é uma solução ambiental e economica ao mesmo tempo.

    O ponto esta andando na velocidade máxima, ao passo de tartaruga  – como disse o willian. Pois o que importa não é cumprir prazos para o governo e sim a cadência própria, o tempo necessário para o trabalho ser apropriado localmente, para que forte possa seguir sempre em frente.

    PONTO FIRMEZA TOTAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Comente!

O que você acha?