Uma questão que vem sendo tratada há um bom tempo por grande parte dos artistas e pesquisadores da área de mídias digitais tem sido a falta de espaços de desenvolvimento ou mesmo de integração das tecnologias computacionais aos processos críticos da arte. Para pensar essa não tão recente integração, começaram a surgir, basicamente na Europa, centros dedicados ao pensamento e principalmente ao desenvolvimento de processos artísticos em suportes computacionais. Foco mais na Europa, pois nos EUA, os Media Labs que conheço, apesar de maravilhosamente criativos e super hiper aparelhados, tem no fundo uma intenção comercial (vide Media Lab do MIT). Já o Media Lab instalado atualmente no Museu do Prado, na Espanha, tem como intenção a disseminação e a criação de processos artísticos através da apropriação dos meios tecnológicos. Existem outros espaços sendo constituídos, como o coletivo ZZZINC em Barcelona, entre outros, que tem um foco mais ligado às comunidades em que estão inseridos, com propostas de ocupação de espaços e de desenvolvimento de trabalhos ligados às questões da arte & tecnologia.

Recentemente houve um encontro sobre como desenvolver Mídia Labs em Berlim (mais especificamente, um workshop denominado “The Tao of Media Labs”, no sommercamp+workstation=2009). Abaixo segue uma tradução do workshop realizado sobre como implementar um Mídia Lab e quais as questões envolvidas nessa implementação. O endereço pode ser acessado aqui:
http://www.sommercampworkstation.de/wiki/doku.php?id=ways_of_doing:start

sommercamp


Recursos para desenvolvimento
———————————————-

Metodologias, Tempo, Lugar, Dinheiro, Entusiasmo, Pessoas…
O que é importante como inputs para o processo de um Mídia Lab? O que é necessário para iniciar um Mídia Lab? Qual a característica administrativa ou a qual disposição dos recursos?

Contexto local
———————

O que é um contexto local? Como um Mídia Lab determina ou define o seu contexto local? É importante que um Mídia Lab se engaje em seu contexto local?

Pessoas
———–

Quem está envolvido? Quem participa? Como denominamos essas pessoas? Agentes? Participantes? Usuários?

Resultados
—————-

O que valorizamos? Resultados, produtos, processos. Quais os nosso objetivos? Porque as atividades de um Mídia Lab são uma boa coisa?

Teoria
———

Como podemos utilizar a compreensão teórica como uma ferramenta prática para operar um Mídia Lab? Como podemos assegurar que as ações práticas alimentem uma compreensão teórica?

Termos
———–

O termo “Mídia Lab” é insatisfatório! Que outros termos poderiam ser utilizados para descrever práticas experimentais mais ou menos abertas, colaborativas, como sobre as que estamos falando?

Anti-padrões
——————-

Tivemos uma discussão muito interessante que emergiu de nossa dificuldade em definiar o que é um Mídia Lab. Talvez nossa dificuldade venha de nossa relutância em especificar, ou delinear exatamente o que queremos que os participantes façam. Contudo, nosso impulso parece ser criar um espaço aberto, no qual  os participantes sigam seus auto-orientados caminhos criativos.

Nossa solução foi “pensar negativamente”, definindo o que não seriam as atividades de um Mídia Lab! Como poderíamos fazer com que um Mídia Lab falhasse ou se tornasse sem sentido…obviamente, alguém pode simplesmente reverter os conceitos que emergiram desta discussão para descobrir mais sobre como apoiar e sustentar as atividades de um Mídia Lab.

fonte: http://sommercampworkstation.de/wiki/doku.php?id=ways_of_doing:start