jan 20

test #01 – O ator e seu corpo

bio feed art Teste 01

out 28

Extended-Corpo: Entrevista com Stelarc

Paolo Atzori e Kirk Woolford
Academy of Media Arts de Colónia, Alemanha

Stelarc é um artista performático australiano, nascido em Limassol, a ilha de Chipre. Stelarc mudou para a Austrália, onde estudou Artes e Artesanato na TSTC, Arte e Tecnologia na CAUTECH e MRIT, Universidade de Melbourne.Ele ensinou Arte e Sociologia da Escola Internacional de Yokohama e Escultura e Desenho na Ballarat University College.

Stelarc foi alargando o seu corpo por meio de performances desde a década de 1960. Suas apresentações incluem anexando uma “terceira mão” ao seu corpo, estendendo-se para o espaço virtual com uma “mão virtual”, e mais de 25 “suspensão” eventos onde pendurou seu corpo inteiro em ganchos perfurando sua pele. artística estratégia Stelarc gira em torno da idéia de “melhorar o corpo” tanto em uma forma física e técnica. Origina-se como um polarism entre o “desejo primordial” para derrotar a força da gravidade com rituais primitivos e de baixa tecnologia e desempenho oi-tech com o terceiro braço eo cibersistema relacionados. Sua intenção em ambos os casos é o de “expressar uma idéia com sua experiência direta. “

Através de trabalho de Stelarc, chegamos a um segundo nível de existência onde o corpo se torna objeto de experimentos físicos e técnicos para descobrir suas limitações. Quando Stelarc fala do “corpo obsoleto”, ele significa que o corpo deve superar séculos de preconceitos e começar a ser considerado como uma estrutura evolutiva prorrogáveis reforçada com a tecnologia mais díspares, que são mais precisos, exactos e poderosa: “o organismo não dispõe de O design modular “,” Tecnologia é o que define o significado de ser humano, é parte do ser humano. “Especialmente vivendo na era da informação”, o corpo está biologicamente inadequado “.

Para Stelarc, “Electronic espaço se torna um meio de acção e não de informação “.


CTHEORY: Quando você começou a decidir enforcar-se entre dois mundos diferentes – para colocar seu corpo entre dois níveis de existência …

Stelarc: Bem, você tem que lembrar os eventos de suspensão não eram o tipo, iniciais e fisicamente difícil eventos primitivos e os de tecnologia foram as mais recentes, os mais sofisticados. Na verdade, o projeto em terceira mão começa um ano após o evento de suspensão em primeiro lugar. Essas coisas foram acontecendo simultaneamente. Por um lado você estava descobrindo o físico e as limitações psicológicas do corpo. Por outro lado você estava desenvolvendo estratégias para o alargamento e reforço através da técnica. Eu sempre usei a tecnologia em minhas apresentações. As primeiras coisas que fiz na escola de arte foram capacetes e óculos de proteção que alterou a sua percepção binocular que estilisticamente tem essa ligação com a realidade virtual mostra-cabeça montado e os compartimentos que foram frutos de corpo inteiro que você é ligado espécie de corpo inteiro dentro, e que foi agredidos por sons eletrônicos e luzes.

CTHEORY: Quando as pessoas vêem os seus eventos de suspensão, eles pensam imediatamente dos hindus, índios americanos ou outros rituais. Quais dessas práticas você entrar em contato com o primeiro?

Stelarc: Era o indiano hindu os que eu conhecia, mas tem que colocar isso no contexto, que há 5 anos eu estava fazendo eventos suspensão com cordas e arreios, com muita tecnologia. olhos laser foram utilizados pela primeira vez quando o corpo foi suspenso, oh, ’70, ’71 esse tipo de escala de tempo, mas uma das desvantagens do tipo de visual de toda esta parafernália era que havia essa confusão toda visual: todas as cordas e arreios foram vistos mais para apoiar o corpo do que suspendê-lo, então quando eu me deparei com a noção de perfuração da pele, eu pensei, se poderia suspender o corpo através de técnicas como essas, então você deve ter um mínimo de apoio, você ‘ d ter a inserção e apenas um único cabo. Veja bem, eu nunca escondi, não houve desejo de fazer a suspensão uma espécie de imagem de levitação. Para mim, os cabos foram as linhas de tensão que faziam parte do design visual do corpo suspenso, ea pele esticada era uma espécie de paisagem gravitacional. Isto é o que ele levou para um corpo a ser suspensa em um campo gravitacional G-1. O outro contexto é o desejo primordial para flutuar e voar. Um monte de rituais primitivos têm a ver com a suspensão do corpo, mas no século 20, temos a realidade de astronautas flutuando no zero-G. Assim, o evento de suspensão é entre esse tipo de anseio primordial, e da realidade contemporânea. Naturalmente, a suspensão significa que entre dois estados, então eu acho que há um significado linguístico interessante que se encaixa com a idéia de suspender o corpo. Para mim não havia contexto religioso, sem anseios xamã, nenhum condicionamento de yoga que tinha a ver com estas performances. Na verdade, eles ocorreram no mesmo tipo de fluxo de consciência. Em média, eu não tomar nenhuma anestesia, eu não canto ou entrar em estados alterados. Eu acho que, metafisicamente, no passado, temos considerado como a superfície da pele, como interface. A pele tem um limite para a alma, por si, e, simultaneamente, um começo para o mundo. Uma vez que a tecnologia se estende e penetra a pele, a pele como uma barreira é apagada.

CTHEORY: Você segue uma rígida disciplina muito de treinar seu corpo para o seu desempenho?

Stelarc: Na verdade, nunca foi realmente qualquer disciplina e, quando eu começar a sentir os desempenhos tornaram-se, em um sentido previsível, porque as técnicas assumem mais importância que os impulsos criativos, então eu parar de fazê-las. Eu parei de fazer os eventos de suspensão de 4 anos atrás, porque tendo feito 27 delas em vários locais e situações diferentes, não parecia haver mais razão de ser para continuar a fazê-las. O interesse era realmente acoplamento a expressão de uma idéia com a experiência direta do mesmo. Isso se aplica a todas essas performances se os eventos de suspensão, a escultura do estômago, os desempenhos terceira mão, ou o evento braço virtual. Estas são todas as situações onde o corpo está conectado a experiência direta. Portanto, não é interessante para mim falar academicamente ou teoricamente sobre as idéias de interface, o importante para mim é plug in, estender o corpo com cyber-sistemas e ver o que ele pode realmente fazer.

CTHEORY: Então você sempre esteve interessada em melhorar o corpo?

Stelarc: Ah, com certeza. E a conexão com os sistemas de VR é fundamental uma muito comigo, porque, como eu disse, as primeiras coisas que fiz na escola de arte eram esses capacetes que dividir sua visão binocular e os compartimentos que foram ambientes sensoriais, estruturas multi-modal de experiência com o corpo. Então essa foi a principal preocupação, e realmente as suspensões são muitas vezes tiradas do contexto enquanto eles fazem parte de uma série de privação sensorial e fisicamente difícil eventos que incluem: fazer os 3 filmes do interior do corpo, onde eu tinha que filmar 3 metros de espaço interno, por exemplo. Todas essas ações ocorreram simultaneamente. A ordem não era um estilo com uma tecnologia especial, era um problema geral. Uma espécie de sondagem e determinação dos parâmetros de interface física e psicológica.

CTHEORY: Você sempre trabalha com seu corpo. Seu corpo é sua forma de representação, o seu meio. Como você se sente sendo tanto um artista e uma obra de arte?

Stelarc: É interessante que você apontou que, eu nunca senti que eu sou a arte. Na verdade, a razão pela qual minhas apresentações são voltadas para este corpo em particular é que é difícil para mim convencer outros organismos a sofrer um pouco estranho, difícil e por vezes dolorosas experiências. Este órgão é apenas meramente conveniente o acesso a um organismo para determinados eventos e ações. Então, eu realmente nunca fui obcecado pelo fato de que de alguma forma eu sou a arte, porque eu não criticá-lo dessa forma.

Para mim, o corpo é impessoal, objetivo, estrutura evolutiva. Tendo passado dois mil anos cutucando e cutucando a psique humana, sem perceptíveis mudanças reais na nossa perspectiva humana e histórica, talvez a necessidade de ter um papel fundamental estruturais e fisiológicas abordagem mais, e considerar o fato de que é somente através radicalmente redesenhar o corpo que vai acabar tendo significativamente diferentes pensamentos e filosofias;. Penso que a nossa filosofia é fundamentalmente limitado por nossa fisiologia, nossa espécie peculiar de orientação estética no mundo, a nossa peculiar cinco modos sensoriais transformação do mundo e nossa determinados tipos de tecnologias que melhoram a estas percepções. Eu acho que um estrangeiro de inteligência realmente irá ocorrer a partir de um corpo estranho ou de uma estrutura da máquina. Eu não acho que os seres humanos vai aparecer, fundamentalmente com novas filosofias. Uma espécie exótica pode não ter as mesmas noções sobre o Universo. O desejo de unidade pode muito bem ser o resultado de nosso sistema sensorial fragmentária sim quando observamos o mundo sensualmente em pacotes de diferentes modos discretos e sensorial. Assim, nosso desejo de fusão, o nosso desejo de unificar, que espiritual, religiosa, unindo poderia muito muito bem ser devido a uma inadequação, ou uma incompletude em nossa fisiologia.

CTHEORY: Se essa filosofia está concebido, não seria uma filosofia humana.Como seria aplicável à espécie humana?

Stelarc: Bem, é claro que não se deve considerar o corpo ou a espécie humana como possuindo uma espécie de natureza absoluta. O desejo de encontrar o eu simplesmente dentro de um determinado organismo biológico não é mais significativo. O que significa ser humano está sendo constantemente redefinido. Para mim, este não é um dilema em tudo.

CTHEORY: Então, um ser humano não é essa entidade estar aqui com esses dois braços e duas pernas, mas algo mais ao lado?

Stelarc: Sim, claro, se você está sentado lá com um marca-passo cardíaco e um quadril artificial e algo para aumentar suas funções hepática e renal, que eu iria considerá-lo menos humano? Para ser honesto, a maioria de seu corpo possa ser feito de silício, mecânica ou chip peças e se comportar de uma forma socialmente aceitável, você responde-me em uma como a forma humana, para mim que faria uma espécie de humanos tema.

CTHEORY: Você continua falando de redesenhar o corpo humano. Quem decide e como ela deve ser reformulada?

Stelarc: (Risos) Não é frequentemente mal-entendido sobre essas noções, em parte porque eles são criticados com uma espécie de visão traseira espelho de uma mentalidade fascista, ditatorial cenário orwelliano-big-brother.

Eu não tenho um corpo perfeito utópico estou desenvolvendo um projeto para, em vez estou especulando sobre as formas que os indivíduos não são obrigados a, mas pode querer, o redesenho de seus corpos – dado que o corpo tornou-se profundamente obsoletas no ambiente de informação intensa que ele criou. Teve este aristotélica, desejo louco de acumular mais e mais informações. Uma pessoa já não pode esperar para absorver e criativamente processar toda esta informação. Os seres humanos criaram tecnologias e máquinas que são muito mais precisos e poderosos que o corpo.

Como pode a função do corpo dentro desta paisagem de máquinas? A tecnologia tem acelerado o corpo. O corpo agora atinge a velocidade de escape planetária, tem de funcionar de zero-G e no tempo-espaço continuum maior. Para mim, isso demonstra a inadequação biológica do corpo. Dado que estas coisas tenham ocorrido, talvez ergonômicas abordagem não é mais significativo. Em outras palavras, não podemos continuar a criação de tecnologia para o corpo, pois que a tecnologia começa a usurpar e superar o corpo. Talvez seja hora de projetar o corpo para combinar com ela de máquinas. De alguma forma tem que dirigir-turbo do corpo do implante e aumentar o cérebro. Nós temos que proporcionar meios de conectá-lo à rede cibernética. No momento, isso não é feito facilmente, e é feito de maneira indireta através de teclados e outros dispositivos. Não há nenhuma maneira de jacking diretamente dentro da mente, eu não estou falando aqui em termos de sci-fi especulação. Para mim, essas possibilidades já são aparentes. O que fazemos quando confrontados com a situação em que nós descobrimos o corpo é obsoleto?Temos que começar a pensar em estratégias para redesenhar o corpo.

CTHEORY: Este organismo recombinante implica uma ampliação da nossa sensibilidade, da nossa percepção. Mas os nossos sentidos estão ligados ao nosso cérebro, tudo “acontece” em nosso cérebro. Portanto, não é suficiente para ter, por exemplo, visão de raio-X. Precisamos mudar nosso sinapses, as conexões em nossos cérebros também.

Stelarc: Nós não devemos começar a fazer distinções entre o cérebro eo corpo.Esta entidade biológica particular com ela redes proprioceptivo e na medula espinal e os músculos, é a orientação cinestésica total no mundo, é a mobilidade do corpo que contribui para a curiosidade. O desejo de isolar o cérebro é o resultado de um dualismo cartesiano. Não é muito mais produtivo para pensar nesse sentido. Temos de pensar no corpo conectado a um novo terreno tecnológico.

CTHEORY: Nós podemos ver coisas que eram anteriormente invisíveis. Nós podemos ir para o muito pouco através nano-tecnologia, veja em vermelho e ultra violeta espectros de infra-, mas esta não é uma percepção direta. Nós começamos isso por meio de sistemas artificiais …

Stelarc: Sim, e que será interessante é quando podemos miniaturizar essas tecnologias e implantá-las no corpo de modo que o corpo como sistema total torna-se subjetivamente consciente novamente. Novas tecnologias tendem a gerar novas percepções e paradigmas do mundo, e por sua vez, permitem-nos a tomar novas medidas. Se considerarmos tecnologias como intermediários para o mundo, então, é claro, mas nunca temos experiências diretas. No momento, operamos dentro de um fino espectro electromagnético muito, e eu imagino que, ao aumentar a operar em esferas mais amplas da realidade, então sim nossas percepções e filosofias alterar ou ajustar.

A tecnologia sempre foi associada com o desenvolvimento evolutivo do organismo.Tecnologia é o que define o ser humano. Não é uma espécie alienígena antagônica do objeto, ele faz parte da nossa natureza humana. Ele constrói a nossa natureza humana. Não devemos ter medo Frankenstein de incorporar a tecnologia para o corpo, e não devemos considerar a nossa relação com a tecnologia de uma maneira de Fausto – que estamos de alguma forma vender nossa alma, pois estamos usando essas energias proibidas. Minha atitude é que a tecnologia é, e sempre foi, um apêndice do corpo.

CTHEORY: Stelarc, seu trabalho mais recente centros ao redor de uma escultura que você construiu para o seu estômago. Qual foi o impulso para a criação de uma escultura para mostrar dentro do seu corpo?

Stelarc: Eu me mudei para além da pele como uma barreira. Pele já não significa o encerramento. Eu queria romper a superfície do corpo, penetra na pele. Com a escultura estômago, eu a posição de uma obra de arte dentro do corpo. O corpo se torna oco com nenhuma diferença significativa entre privado e fisiológicas espaços públicos. O corpo oco torna-se uma máquina, não para um eu ou uma alma, mas simplesmente de uma escultura.

CTHEORY: Financiamento qualquer obra de arte é difícil, especialmente a receber dinheiro para os equipamentos de alta tecnologia. Você teve dificuldade em encontrar financiamento para a escultura?

Stelarc: Na verdade não. Um dos museus na Austrália, estava preparando um show e pedir esculturas que explorou os espaços de exibição alternativos. Eu lhes disse que tinha uma forma alternativa e local para exibir uma escultura.

CTHEORY: Você pode descrever a escultura de estômago?

Stelarc: Ele é construído de metais de qualidade do implante, tais como titânio, aço, prata e ouro. Ele é construído como uma cápsula do shell cúpula sobre o tamanho de um punho. A casca contém uma rosca sem-fim e mecanismo de ligação e tem um cabo flexidrive ligado a um motor servo controlado por um circuito de lógica. A cápsula se estende e retrai abertura e fechamento em três seções. Um incorporado matriz instrumento, luz e sirene piezo fazer a escultura de auto-iluminação e som que emitem.

CTHEORY: Como você inseri-lo?

Stelarc: Muito lentamente. A escultura do estômago é realmente o desempenho mais perigosas que eu fiz. Tínhamos que estar dentro de 5 minutos de um hospital para o caso de ruptura de todos os órgãos internos. Para inserir a escultura, o estômago foi esvaziado por retenção na fonte de alimentos para cerca de 8 horas.Em seguida, a cápsula fechada, com bip sonoro e luz intermitente ativada, engoliu em seco e foi guiado até amarrados ao seu cabo flexidrive acoplada à caixa de controle fora do corpo. Uma vez inserido no estômago, foi utilizado um endoscópio para inflar o estômago e sugar o excesso de fluidos corporais. A escultura foi, então, vestida com chaves na caixa de controle. Nós documentamos toda a performance usando equipamento de endoscopia vídeo. Mesmo com uma bomba no estômago, ainda tínhamos um problema com o excesso de saliva. Nós tivemos que retirar às pressas todos os testes em várias ocasiões.

CTHEORY: Agora que você penetrou o corpo. Você oca-lo, estendeu-lo, expandiu, pendurou-se uma janela, mapeou vários quilômetros de seu interior. Qual é o próximo passo?

Stelarc: É hora de recolonizar o corpo com robôs microminaturised para aumentar a população de bactérias, para ajudar o nosso sistema imunológico, e acompanhar a interna e capilares do corpo. Precisamos construir um sistema de vigilância interna do corpo. Temos que desenvolver microrobôs cujo comportamento não é pré-programado, mas ativada pela temperatura, química do sangue, a suavidade ou dureza dos tecidos ea presença de obstáculos nos tratos. Estes robôs podem trabalhar de forma autônoma sobre o corpo. A biocompatibilidade da tecnologia não é devido à sua substância, mas à sua escala. Porte robôs Speck são facilmente engolidas e não podem sequer ser percebido. A nível de nanotecnologia, as máquinas vão navegar e habitam espaços celulares e manipular estruturas moleculares para estender o corpo de dentro.

ago 11

Salão de arte e tecnologia

A FAPERN convida você e família para a abertura do Salão de Arte Tecnológica, dia 19 de agosto, 19h, na Pinacoteca do Estado – Palácio Potengi.
Sua presença dará mais brilho ao evento.

http://www.fapern.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/fapern/principal/enviados/index.asp

O Salão de Arte Tecnológica 2010, instalado na Pinacoteca do Estado – Palácio Potengi, na praça Sete de Setembro – Cidade Alta, é uma realização do Governo do Estado, da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e da FAPERN, Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte e conta com o apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da Fundação José Augusto.

O Salão apresenta o resultado dos projetos aprovados no Edital FAPERN Nº 009, que concedeu apoio financeiro à produção e divulgação das artes visuais em novos suportes tecnológicos:

  • Arte e Movimento interativo para controle de vídeos
  • Biofeedart
  • CAPTAS – Intervenção artística móvel-urbana
  • Objetos artísticos interativos com Arduino

ago 07

Oficina de domínio e aplicações da técnica BIOFEEDART dia 23 & 24 | 08 | 2010


As oficinas acontecerão durante dos dias com o objetivo: Conhecimento e domínio das técnicas do BIOFEEDART.
Serão uma oficina por dia, para uma turma de 5 alunos. Cada oficina seguira um programa especifico.
OFICINA 1 | Fase 01
· Apresentação dos elementos técnicos usados no BIOFEEDART e explicações do funcionamento.
· Adaptação do sistema BIOFEEDART com os alunos e regulação das freqüências dos aparelhos
· Primeiros testes em grupo
Tempo: 01 hora

OFICINA 1 | Fase 02
· Aquisição e aplicação da ferramenta através de exercícios específicos
· Explicação por cada aluno do seu caminho criativo, das suas expectativas, e resultados esperados
Tempo: 02 horas
Os resultados, pesquisas, artigos tratando dos avanços dos alunos será disponível no site internet do Projeto e terá total liberdade de uso (CC Creative Comon).

Lista das oficinas FAPERN


OFICINA 1: DOMÍNIO E APLICAÇÕES DA TÉCNICA BIOFEEDART
PERÍODO: 23 e 24 DE AGOSTO
HORÁRIO: 19 ÀS 22H
Nº VAGAS: 05
LOCAL: LABORATÓRIO DO DEART/UFRN
ORIENTADOR: DESNES AUGUSTO NUNES DO ROSÁRIO, Web designer, granduando em Engenharia de Computação UFRN, graduando em Redes de Computadores IFRN, estagiário de gestão de Tecnologia de Informática no Deposito Naval de Natal da Marinha do Brasil (RN).
SOBRE A OFICINA: Fase 1 – Apresentação dos elementos técnicos usados no BIOFEEDART e explicações do funcionamento. Adaptação do sistema BIOFEEDART com os alunos e regulação das freqüências dos aparelhos. (1 hora).  Fase 2 – Aquisição e aplicação da ferramenta através de exercícios específicos. Explicação a cada aluno, no seu caminho criativo, das suas expectativas, e resultados esperados (2 horas). Os resultados, pesquisas, artigos tratando dos avanços dos alunos será disponível no site internet do Projeto e terá total liberdade de uso (CC Creative Comon).
OFICINA 2- PALESTRA: CRIAÇÃO E REFLEXÃO EM ARTE E TECNOLOGIA: CAPTAS
PERÍODO: 24 DE AGOSTO
HORÁRIO: 16H
LOCAL: PINACOTECA DO ESTADO
ORIENTADORES: PROF. DR. FÁBIO OLIVEIRA NUNES. Artista multimídia. Docente do Departamento de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte –  DEART/UFRN, Coordenador do Projeto 10 Dimensões, e SORAYA BRAZ, artista multimídia, graduada em Artes Plásticas – Multimídia e Intermídia na ECA/USP.
SOBRE A OFICINA: A palestra abordará o universo de reflexão e criação em arte e tecnologia contextualizando o projeto Captas. Captas é uma intervenção urbana em que chamativas capas alaranjadas começam a tagarelar ruidosamente quando percebem o uso de telefones celulares, em trânsito pela cidade. Essa ação faz uso de performers e capas plásticas constituídas de um sistema capaz de disparar conversas pertubadoras de telefone celular pré-gravadas quando percebem o uso de algum telefone celular por perto, emitindo sons de conversas intrusivas de outros falantes em locais públicos. O objetivo do projeto é discutir, com certa ironia, implicações sociais da telefonia móvel no espaço urbano.
OFICINA 3: CONTROLE INTERATIVO DIGITAL
PERÍODO: 25, 26 e 27 DE AGOSTO
HORÁRIO: 19 ÀS 22H
Nº VAGAS: 15
LOCAL: LABORATÓRIO DO DEART/UFRN
ORIENTADOR: PROF. DR. MARCOS ANDRUCHAK. Artista Plástico, Professor do Departamento de Artes da UFRN, Doutor em Artes pela ECA-USP, mestre em Computação Gráfica pela Poli-USP. Lecionou arte e arte digital em diversas Universidades de São Paulo e atualmente coordena o Projeto Andruchak Arte Brasil além de integrar a Chefia do DEART-UFRN.
SOBRE A OFICINA: Pensando em arte tecnológica, decidimos estudar  propostas de interatividade. Desse modo, o “antigo” observador, torna-se um elemento ativo que experimenta interagindo com as obras. Utilizaremos programas de interatividade para controle de vídeo. O Eyesweb, permite implementação para captura de movimentos do observador acionando modos como “play” e “pause” em vídeos. Já o CamSpace cria um ambiente bastante interativo onde é possível “controlar” o mouse com a simples movimentação de objetos coloridos em frente à câmera. Este é o início para váriados horizontes artísticos baseados em novas tecnologias.
OFICINA 4: OBJETOS INTERATIVOS COM ARDUÍNO
PERÍODO: 30 e 31/08 e 01 e 02/09
HORÁRIO: 19 ÀS 22H
Nº VAGAS: 20
LOCAL: LABORATÓRIO DO DEART/UFRN
ORIENTADORES: PROF. ANTONIO PEREIRA. Graduado em Engenharia,  mestrado e doutorado em Neurociências, no Intituto de Biofísica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Possui pós-doutorado na Duke University e atulamente é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e pesquisador do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra (IINN-ELS). Possui experiência com oficinas de robótica educativa; PROF. JOSÉ HENRIQUE DE SOUZA. Graduado em Engenharia, fez mestrado na UFRN e atualmente é professor do Instituto Federal de Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Possui experiência com robótica educativa.
SOBRE A OFICINA: conceitos básicos de circuitos elétricos; apresentação do ARDUINO; conceitos básicos de programação do ARDUINO (linguagem PROCESSING); exemplos de projetos básicos com ARDUINO; discussão de projetos individuais; montagem dos projetos individuais. A finalidade da oficina é adicionar uma nova ferramenta ao repertório dos artistas potiguares. A oficina é eminentemente prática e se baseia na criação de idéias/projetos interativos, baseados em som e imagem, utilizando ferramentas de software e hardware livres. O foco é desmistificar a eletrônica e a computação como subsídios para criação artística.

ago 07

Entrevista do Prof. Glaucio Brandão para a FAPERN

1. Quem é o público-alvo da oficina Biofeedart? alunos de engenharia da computação e automação? de artes? artistas?

Todos! A idéia é fazer com que as pessoas expressem arte utilizando a tecnologia como ferramenta! Assim, aqueles que se enquadram entre a Arte e Tecnologia, são eleitos natos a fazer desta metodologia. Ou seja: não há público alvo. Todos são público!

2. quais são os conhecimentos necessários (ou requisitos) para participar da oficina?

Querer fazer arte! Não há pré-requisitos!

3. No RN, há maior interesse (e sua repercussão em números de trabalhos ou pesquisas) por parte de quem é da engenharia ou das artes? e no Brasil?

Pela conversa que tenho com outros docentes, pelo menos aqui na UFRN e demias Instituições de Ensino Superior, sou o único da tecnologia (engenharia) que abraçou a causa levantada pelo artista Mathieu Duvignaud, de usar a tecnologia, aliada à arte, para criar um novo espaço que contenha ambos. No Brasil, creio que existam trabalhos isolados. Não há como precisar, já que nunca havia entrada neste campo, sendo a primeira vez que me interessei por esta linha. Estou no começo.

4. O que são “biopotenciais”?

Sinais elétricos gerados pelo corpo!

5. os sitemas acoplados ao corpo humano podem, por exemplo, rastrear apenados em liberdade condicional, Pode-se dizer que a biofeedart utiliza a mesma idéia, só que aplicada à arte, em vez de à punição?

De forma alguma. O BiofeedArt é uma extensão dos sinais eletroquímicos gerados pelo corpo. É uma tentativa de ampliar o que se sente e deenhar em uma interface qualquer. Por enquanto, a idéia é expressar os sinais vitais em uma tela de coputador! Deve se uma forma de tecnologia prazeroza e não coibitiva!

6. Como ocorre a percepção de 3D num fractal que verdadeiramente é 2D ?

é ilusão, arte ou matemática? Ilusão… Como tudo na vida ! Arte… Como tudo na vida ! Matemática… Como tudo na vida! O mundo que nos rodeia é mais do que tridimensional, mas nosso cérebro limita à 03 dimensões para facilitar os cálculos. Ou seja: o cérebro CALCULA (matemática), reduz a dimensão para podermos aceitar com maior facilidade (ilusão) e tenta deixar o mundo mais bonito (arte). Assim, um fractal é apenas a repetição de uma semente, um código. Como o DNA faz com a gente: replica!

7. no projeto há referência à intenção de expandir a interdisciplinaridade entre medicina, instrumentação biomédica e artes gráficas. Vc acha que existe abertura no corpo científico para a interdesciplinaridade?

Total. Não sei como se pode pensar em “todo” sem as “partes”. Utilizando o raciocínio de Linus Pauling (nobel de química), o corpo é um evento eletroquímico. Portanto há física, química, biologia, matemática… e a expressão humana, através de palavras, gestos etc. Não sei quem teve a idéia de separar estas coisas! como isso pode ser realizado? Pense assim: para quê existe a Ciência, se não promover o bem-estar? Isto implica em melhorar o ser por dentro e por fora. Para mim, que estou montando juntamente com outros professores o departamento de Engenharia Biomédica, pretendemos utilizar a tecnologia para aprimorar os defeitos visíveis dos viventes: órteses, próteses, aparelhos etc. E os defeitos não visíveis, aqueles do âmago, do ser, do interno? Teremos que contar com vários profissionais para que possam expor estes defeitos internos, que são maiores que os visíveis!

8. o objetivo é que o oficina produza resultados? quais?

Sim. Imagine você poder controlar imagens com os batimentos cardíacos… Sons com o pensamento? Pretendemos produzir, em estágio bem avançado da ferramenta, um artifício que faça o papel que hoje calmantes, remédios para pressão etc. fazem: controlar os sistemas biológicos utilizando o prórpio usuário. POr enquanto, queremos apenas que as pessoas se divirtam produzindo imagens com os sinais que não sabiam que possuíam!

9. como será a oficina? quem faz o quê?

Deixremos disponíveis um sensor de batimento cardíaco (utilizando o dedo para isso) e um sensor de movimento preso a uma das mãos, ligados a um PC. Assim, o fractal utilizará estas duas sementes para gerar as imagens fractais.

10. pesquisei seu curriculo no Lattes e é bem extenso. Que aspectos o que o senhor prefere que sejam enfatizados? Não é tão extenso… Mas, você poderia dizer que sou emprendedor, inovador e gosto de misturar as ciências para melhorar a vida! (ri ao escrever isso!)

ago 10

BIOFEEDART [Bio = Corpo] [Feed = alimentar] [Art]

E uma nova forma de CRIAR para os artistas. E uma nova forma de se COMUNICAR.

Graça a um sistema de captação dos sinais do seu corpo o artista poderá interagir e criar Som, luzes, espaços, usando o corpo como instrumento.

As emoções, por exemplo, serão captadas e transformadas em um tipo de harmonia musical únicas, assim o artista, uma vez dominada a ferramenta do Biofeedart conseguira dominar os sons emitidos, do mesmo jeito que ele domina suas emoções.

Com um sistema de captação de variações elétricas de tensão muscular e/ou cerebral, o artista vai poder interagir com projeções, criando formas, e movimentos únicos. As imagens vão testemunhar de forma original as variações biofísicas do artista, transcrever a agitação ou o calma, o stress ou qualquer ação física.

FUNCIONAMENTO.

Com um dispositivo miniaturizado e portátil estamos capaz de analisar os sinais vitais [bio], e deixá-los disponíveis [feed] para uso do próprio artista [art]. Este dispositivo será desenvolvido com tecnologia de radiofreqüência (Radio frequency identification – RFID) capaz de ser transportado em pulseiras, colares, etc., elementos pessoais de uso fácil.

Os dados vitais serão transformados por um FPGA (Field Programmable Gate Array) em dados multimídia (som e luz).

A finalidade será uma instalação interativa dirigida pelo próprio artista, isso para que possa dominar a tecnologia e a arte do Biofeedart.

Aspectos como o estresse, padrões de ondas cerebrais, respiração, batimentos cardíacos, tensão muscular, fluxo sanguíneo, temperatura, dentre outros, são captados e filtrados. As amostras são convertidas e transmitidas ao usuário em tempo real por meio de equipamentos que treinam estes padrões.

A BASE DO BIOFEEDART : A TECNICA DO BIOFEEDBACK

O artista usa a informação como um guia enquanto pratica uma variedade de procedimentos para reduzir a tensão muscular. Pode-se comparar o instrumento de biofeedback com um espelho especial que provê informações sobre processos internos do organismo dos quais o indivíduo pode não estar ciente ou achar difícil regular.

Tipicamente, processos de respiração profunda, relaxamento e visualização são usados com este tipo de retorno da informação, apesar de procedimentos específicos de treinamento variarem de acordo com o propósito do treinamento ou terapia.

A auto-regulação dos processos corporais é possível porque a mente e o corpo interagem.

A tecnologia recente do biofeedback oferece um conhecimento amplo da parte invisível do corpo humano e da relação do Ser consigo e com seu ambiente.

A arte vem como uma ferramenta interativa direta e lúdica para promover o autoconhecimento e desenvolver a capacidade de expressão.

SINAIS CAPTADOS PELO PROCEDIMENTO DO BIOFEEDART

Feedback de Tensão Muscular

| Movimento – Toque – Choque |

A eletromiografia (EMG) mensura a atividade elétrica dos músculos esqueléticos, monitorando com sensores localizados na pele, sobre músculos apropriados.

Feedback Termal (fluxo sanguíneo)

| Estresso – Atividade física |

Instrumentos de feedback termal mensuram o fluxo sangüíneo na pele.

Isto a partir do fato de quando os pequenos vasos na pele se dilatam, o fluxo sangüíneo e a temperatura aumentam; e quando esses vasos se contraem, o fluxo sangüíneo e a temperatura diminuem.

Feedback de reação eletro-dérmico

| Estresso – emoção |

Os instrumentos de feedback de reação eletro-dérmica (RED) mensuram a condutividade da pele dos dedos e palmas das mãos. O RED é altamente sensível às emoções em algumas pessoas.

Feedback de Onda Cerebral

| Atividades cerebrais – conversas – emoções |

O eletroencefalógrafo (EEG) monitora atividade das ondas cerebrais a partir de sensores colocados no couro-cabeludo.

Pular para a barra de ferramentas