Arquivo da categoria: Destaques

Matérias em destaque

Filme conta a vida de jóquei alagoano

Juvenal Machado venceu cinco vezes o GP Brasil de Turfe

Agência Alagoas

Chegou a vez de Alagoas conhecer a trajetória brilhante do jóquei alagoano Juvenal Machado. Em 32 anos de carreira, ele venceu cinco vezes o GP Brasil de Turfe. Nas pistas da Gávea, no Rio de Janeiro, o homem era imbatível. Ele venceu mais de quatro mil vezes. Ficou tão conhecido que, aos primeiros galopes, o locutor oficial do Jockey Club, Ernani Pires Ferreira, já anunciava: Lá vem o Juvenal.

O bordão virou o titulo do filme, que será apresentado nesta segunda-feira, a partir das sete e meia da noite, no Teatro Gustavo Leite, com entrada franca. O documentário é uma iniciativa da Fundação Delmiro Gouveia, em parceria com o governo do Estado, via Secretaria de Estado da Cultura. Na próxima sexta, dia 9, Lá vem o Juvenal será exibido em Delmiro Gouveia, onde funcionava o Cine Pedra, criado por Delmiro Gouveia em 1915. O documentário será o primeiro do projeto o Cine mais Cultura, que exibirá filmes semanalmente.

Ciclo Carlos Manga – Cineclube Casa do Lago

Toda segunda-feira tem Cineclube na Casa do Lago, com sessão às 16h e às 18h seguida de debate.

Esse mês começa com Carlos Manga. O diretor iniciou a carreira cinematográfica na produtora carioca Atlântida, famosa pelas chanchadas (grifo: não pornochanchadas), e se consagrou junto a nomes como Cyll Farney, Oscarito e Grande Otelo. Depois, convidado por Chico Anysio na década de 80, trabalha na Globo, dirigindo mini-séries, novelas, um período dos Trapalhões, o Sítio do Pica-Pau, entre outros.

Os filmes exibidos, ainda com debatedores a confirmar, são:

05/10 – O homem do Sputnick (1959)
19/10 – Nem sansão, nem Dalila (1955)

“Carlos Manga começa a dirigir em 1953, nos estúdios da Atlântida, em A dupla do barulho, com Oscarito e Grande Otelo, e, a partir daí, faz com eles, paródias exemplares a filmes americanos, a exemplo de Matar ou correr (1953), que se refere a Matar ou morrer (High noon), com Gary Cooper, Nem Sansão nem Dalila(1955). Neste, há uma impagável imitação de Oscarito, que fala aos trabalhadores bem ao estilo de Getúlio Vargas.

Os melhores filmes de Manga são, no entanto, O homem do sputnick (1959) e De vento em popa (1957). O homem do sputnick é realizado pouco tempo depois do famoso sputnick soviético. Escrito por Cajado Filho, um sputnick cai no galinheiro de Oscarito, casado, na tela, com Zezé Macedo. Um jornalista descobre e, com a revelação, americanos e russos ficam interessados, e esta descoberta é o ponto de partida dessa comédia singular do cinema brasileiro que, além do mais, tem uma sequência caliente com uma gostosíssima Norma Bengell, a imitar, com todas as letras, a sensualidade de Brigitte Bardot, para um Oscarito estupefato.”

(Por André Setaro)

Festival Internacional do Documentário Musical.

Festival Internacional do Documentário Musical.
Festival Internacional do Documentário Musical.

Entre os dias 11 e 21 de março de 2010, em São Paulo, e 25 a 28 de março de 2010, no Rio de Janeiro, serão apresentados os melhores documentários sobre o universo da música.

Para participar, leia o regulamento, preencha a ficha de inscrição e envie duas cópias do seu documentário em DVD para:

IN EDIT BRASIL: Rua Antônio Bicudo, 327 – Térreo. CEP: 05418-010. São Paulo – SP.

O vencedor apresentará pessoalmente o filme no In-Edit Barcelona em outubro de 2010 e entrará no circuito In-Edit de festivais pelo mundo.

Acesse o site: http://www.in-edit-brasil.com/

As inscrições terminam dia 1º de dezembro de 2009. Participe!

CONTATO:
brasil@in-edit.org

In-Edit Brasil:
Rua Antônio Bicudo, 327 Térreo 05418-010 Pinheiros São Paulo-SP, Brasil
(11) 3064 9011

9º Festival Internacional de Documentários… Cuba

El cine documental en el mundo contemporáneo
CONVOCATORIA 2010

El Instituto Cubano del Arte e Industria Cinematográficos (ICAIC), el Instituto Cubano de Radio y Televisión y la Dirección Provincial de Cine de Santiago de Cuba, convocan a los cineastas documentalistas de todo el mundo a la Xma edición del FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTALES “SANTIAGO ALVAREZ IN MEMORIAM”, que se realizará en Santiago de Cuba, del 8 al 13 de marzo de 2010, teniendo a Brasil como país invitado Dedicado a la memoria de Santiago Álvarez, uno de los más grandes realizadores del cine documental, modelo de creatividad artística y de compromiso con las causas más justas, el Festival alienta la promoción de obras dedicadas a los grandes temas del mundo contemporáneo y a la reflexión sobre el papel del cine documental en nuestra época.

En un momento donde el poder mediático intenta establecer una cultura globalizada y un pensamiento único, el cine documental, al mismo tiempo que se ratifica como género artístico, revalida su capacidad de resistencia frente a la manipulación, y de rescate de las múltiples realidades silenciadas o tergiversadas por los grandes medios.

CONCURSO OFICIAL

Podrán concursar realizadores de cualquier país, con obras filmadas en 35mm, 16 mm o vídeo, en fechas posteriores al año 2006. Se admiten copias en vídeo de obras realizadas en 35 ó 16 mm. Todas las obras deben estar habladas o subtituladas al español. Excepcionalmente, se admitirán obras habladas o subtituladas al inglés, pero con la condición de estar acompañadas de su lista de diálogos en idioma español. Las copias en vídeo deben estar en sistema NTSC ó PAL, en formatos VHS, DVD ó DVCAM (este último solo en NTSC). No se admiten copias en BETACAM.

En el Concurso también podrán participar proyectos de obras de cine documental. Los proyectos deben presentarse con sinopsis y una descripción detallada del tratamiento.

Al igual que la pasada edición se realizará el concurso de fotografía, cuyo tema será anunciado en breve
El Jurado Oficial, integrado por personalidades del cine y la cultura en general, otorgará el Gran Premio “Santiago Álvarez” y, además, un Primer Premio, Segundo Premio y Tercer Premio, así como premios en las especialidades de dirección, guión, edición, fotografía y diseño sonoro. Para los nuevos creadores, el jurado otorgará el premio Mejor Opera Prima, y un Premio Especial a la mejor obra realizada colectivamente por cineastas menores de 35 años.
La Escuela Internacional de Cine y Televisión, de San Antonio de los Baños, concederá un Premio Especial consistente en una beca para el Taller Internacional de Documentales.

La Oficina “Santiago Álvarez”, del ICAIC, y la Fundación Amazonia Films entregarán el Gran Premio Santiago Álvarez.

Otras instituciones culturales entregarán premios decididos por jurados propios.

MUESTRAS PARALELAS

Varias muestras paralelas serán exhibidas en cines y salas de vídeo de Santiago de Cuba, en la Universidad de Oriente y en otros centros de estudios, para enriquecer la información sobre el cine documental y estimular el debate entre participantes y público.

SEMINARIO TEÓRICO

Conferencias y seminarios teóricos impartidos por importantes figuras del género a nivel mundial hacen de este festival uno de los mas solicitados de nuestro tiempo.

INSCRIPCIÓN Y ENVÍO DE LAS OBRAS EN COMPETENCIA

El plazo de inscripción y para el envío de las obras se extiende hasta el 30 de noviembre del 2009. El formulario de inscripción se adjunta a la convocatoria, o puede ser encontrado en el Sitio Web: http://www.cubacine.cu/festival/santiago.html. Antes del 31 de enero de 2010, se anunciarán las obras aceptadas.

Es imprescindible rellenar todos los datos del formulario de inscripción para facilitar el trabajo del Comité de Selección y para asegurar que la información aparezca completa en el Catálogo del Festival.

La inscripción de las obras es gratuita. La acreditación para los cineastas que presenten obra y para los participantes sin obra, es de 30.00 MN para ciudadanos cubanos y de 30.00 CUC para los participantes de otros países. En el caso de los estudiantes, la cuota será de 20.00 MN para los nacionales y 20.00 CUC para los extranjeros. La credencial del evento permite el acceso a todas las salas de proyección del Festival, la participación en el Seminario Teórico y la invitación a otros encuentros organizados durante el evento.

PARA OBTENER INFORMACIÓN ADICIONAL
PUEDE COMUNICARSE O ENVIAR SU MENSAJE A:
Oficina Festival Internacional de Documentales “Santiago Álvarez In Memoriam”
Telef: (53 7) 830 1548
E-mail: festivalsantiagoalvarez@icaic.cu
Contactos: Sra. Lázara Herrera
Presidente
Sra. Teresita Herrera.
Coordinadora General

LOS FORMULARIOS DE INSCRIPCIÓN
Y LAS OBRAS DEBEN SER ENVIADAS A:
Oficina “Santiago Álvarez”
Edificio ICAIC
Calle 23, No. 1155, entre 10 y 12
Vedado, Ciudad Habana 10400, CUBA

Para el envío de las obras:
Se recomienda el envío de las obras a través de los servicios DHL o TNT.

PARA RESERVAR BOLETO AÉREO
La compañía Cubana de Aviación es la transportista oficial del Festival y ofrece tarifas preferenciales a sus participantes.
Contacto: Susana Pérez Humpierre
Email: Susana.perez@cubana.avianet.cu
PARA RESERVAR HOSPEDAJE EN SANTIAGO DE CUBA.
La Agencia HAVANATUR es el Turoperador Oficial del Festival y ofrece un servicio profesional con tarifas preferenciales para los participantes.
Contacto HAVANATUR (Santiago de Cuba):
Luis Armando Pérez ( laperez@havanatur.cu )
Telef: (53 22) 642219, 687280, 643603.

Uma matéria que merece toda atenção

Produção independente requer políticas para distribuição

02/10/2009 |
Redação*
FNDC
O Brasil possui uma produção audiovisual regional e independente bastante volumosa e qualificada. Distribuir esse material, no entanto, é a maior dificuldade enfrentada pelo setor. Propor políticas públicas que garantam o escoamento dessa produção será um dos desafios da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom).

Ainda que tenha atingido certo grau de maturidade, com produções de qualidade reconhecida, o mercado audiovisual brasileiro ainda encontra dificuldades para distribuir seu conteúdo. Construir políticas públicas que estimulem o setor é uma das tarefas que o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) propõe para a Confecom, cuja etapa final será realizada entre os dias 1º e 3 de dezembro, em Brasília.
Embora o artigo 221 da Constituição Federal brasileira estabeleça a regionalização da produção cultural e a distribuição do conteúdo na programação das emissoras de rádio e televisão, a sua não-regulamentação é uma das barreiras ao setor. “Regulamentar esse artigo é um passo importante. Precisamos fazer valer a determinação e estimular a produção independente, estabelecendo, com base em discussões públicas, os percentuais de regionalização, medida já prevista na CF”, avalia o Secretário de Políticas Culturais (SPC) do Ministério da Cultura, José Luiz Herencia.
O Brasil possui políticas para financiar a produção. Contudo, faltam canais e regras para que esses conteúdos cheguem até o mercado de maneira efetiva, afirma o professor de Economia do Audiovisual da Universidade Federal Fluminense (UFF), Alex Patez. “Mesmo necessitando de ajustes, temos um amplo leque de possibilidades de fomento à produção independente e regional mesmo para a televisão. O que é preciso é garantir mercado”, aponta.
Para o cineasta e sócio da Casa de Cinema de Porto Alegre, Carlos Gerbase, isso se dará a partir de uma estrutura de exibição consistente. “No Brasil, só vamos conseguir ter uma produção independente forte, quando tivermos uma estrutura de financiamento e de exibição se apoiando mutuamente. Isso só se consegue com por meio de uma legislação. O audiovisual brasileiro vai ser mais forte se tiver gente fazendo cinema, TV, no Nordeste, no Norte, no Centro-oeste, no Sul”, reflete o cineasta.
Concentração impede o desenvolvimento
No Brasil, há 2.098 salas de cinema, de acordo com o levantamento feito pelo Ministério da Cultura, publicado no Anuário de Estatísticas Culturais do País 2009 (veja o material completo aqui). Do total de salas, 1.244 estão localizadas na região Sudeste. A pesquisa, realizada em nove capitais, mostrou que somente 15% da população dessas cidades têm o hábito de frequentar cinemas ao menos uma vez por mês. Os filmes mais vistos são os “hollywoodianos” (19%).
Na avaliação do presidente do Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros, Antônio Claudino de Jesus, a cadeia produtiva exige maior complexidade. “Nosso mercado é completamente dominado e dirigido pelas majors. A distribuição, e consequentemente a exibição, está sob o comando de empresas como a Motion Pictures”, explica. Para ele, a concentração das salas de cinema no sudeste do país reflete a carência de políticas mais abrangentes para o setor audiovisual.
A concentração dos cinemas comerciais nos shopping centers, distantes da maioria do público, dificulta o acesso, avalia Claudino. Mais de 90% das cidades brasileiras não têm sequer uma sala de cinema. “A produção fica comprometida e dependente do investimento de recursos públicos. E aí, não há distinção entre o cinema regional e independente ou o cinema dito comercial”, assinala.
O Coordenador Geral de TV e Plataformas Digitais do Minc, Octavio Penna Pieranti, acredita que só o aumento do número de salas de cinema não assegura o espaço necessário para a produção regional e independente. É preciso discutir também o espaço da produção regional e independente na televisão brasileira, na radiodifusão e na TV por assinatura. “Isso também é papel das emissoras do campo público, tentando em cada um dos Estados trazer a produção regional para a sua grade”, pontua.
Outros veículos
Gerbase reflete que a concentração das salas nos shoppings acabou afastando as classes C e D do cinema. “Quem asssitia à chanchada, na década de 50, quem via os filmes populares, sempre foram as classes mais populares. Nós temos que, de alguma maneira, resgatar esse público, sem perder as outras classes, obviamente. É uma tarefa difícil”, pondera o cineasta. Ele destaca, porém, que ser “independente” no Brasil nunca foi bom negócio. “Sempre foi muito melhor estar vinculado a uma emissora de TV, que já tem a grade e a gente já sabe onde vai o produto, então pode pensar mais a longo prazo. Só que, daí, tu tens que trabalhar dentro da emissora”, explica.
A relação da produção audiovisual com a televisão – e atualmente ainda com outros meios de comunicação – também deve ser levada em conta em futuras políticas para o setor. “Para quem quer fazer cinema como nós, essa relação é muito importante. Eu não conheço nenhuma produtora de cinema independente no Brasil que viva de cinema. As pessoas estão fazendo televisão aberta, televisão a cabo, produzindo para celular, para a internet ou fazendo publicidade”, afirma Gerbase.
Para a cineasta Berenice Mendes, representante da Associação Nacional das Entidades de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões (Aneate) na Coordenação Executiva do FNDC, é preciso garantir essa regionalização em todos os sistemas de TV. “Não é porque está sendo formado um sistema público como a EBC, que vai se desobrigar o sistema comercial de cumprir a lei”, aponta Berenice, destacando que o incentivo também deve ser feito para as TVs e rádios comunitárias. “Essas emissoras, criadas legalmente, não possuem um projeto de sustentabilidade, o que acaba as fragilizando”, complementa a cineasta.
Políticas Públicas
Paetz destaca a instituição de cotas à produção independente e regional como possibilidade para o setor. “Países com uma democracia avançada que quiseram desenvolver uma indústria audiovisual não tiveram outra opção a não ser estabelecer uma política de cotas”, expõe. O professor cita como exemplo os países europeus, onde na televisão aberta ou por assinatura, 50% dos conteúdos têm de ser regionais. Além disso, os canais devem ser programados a partir do continente. “O Canadá tem regras semelhantes para fazer contraponto à indústria audiovisual norte-americana, da mesma forma, a Austrália tem cotas na televisão aberta e por assinatura”, assinala.
Para Paetz, porém, estipular cotas para a produção no Brasil poderia criar uma demanda potencial de conteúdos independentes na televisão e mais produções cinematográficas. “Havendo isso, eventualmente o Estado colocaria menos recursos públicos no fomento dessa produção – recursos esses que competem com a educação, com a saúde, porque o mercado poderia contribuir para financiar essa produção”, defende o professor.
Diante do processo de convergência digital, José Herencia sustenta a necessidade de costurar políticas intersetoriais para concretizar o potencial de diversificação. Segundo ele, outro ponto central é a capacitação. “Existe pouca disponibilidade de programas para a profissionalização na área”, afirma.
Um diagnóstico profundo do setor precisa ser realizado para então serem elaboradas políticas públicas referentes, afirma Berenice. Investir na articulação e criação de um circuito popular de exibição audiovisual e a introdução no currículo escolar de disciplinas destinadas à leitura crítica dos meios de comunicação e do conteúdo audiovisual são alternativas para estimular o setor.
Para democratizar o mercado audiovisual, é preciso ainda incentivar a co-produção entre empresas de televisão e cinematográficas, nos diferentes estados e municípios da federação, fortalecendo assim o mercado interno. Iniciativas como essas são apontadas pelo Programa para a Democratização da Comunicação no Brasil, produzido pelo FNDC.
A população precisa ter amplo acesso ao conteúdo regional e independente, participar do processo cultural de forma a conhecer a diversidade brasileira e ser sujeito dela, sustenta Claudino. “O que importa, realmente, é o respeito aos direitos do público –em última instância, o grande e único investidor que sustenta tanto o mercado quanto às produções alternativas e sem fins lucrativos. Esta é a grande luta do movimento”, finaliza.

*Com a colaboração de Fabiana Reinholz

O futuro do cinema e da ecologia

Sustentabilidade e cinema caminham juntos! A frase pode soar estranha, mas o filme “A Era da Estupidez” chega afirmando a preocupação ambiental do século e anuncia, sem pretensões, uma nova era na produção e divulgação da sétima arte. O longa de Franny Armstrong conta a história de um homem que vive sozinho em 2055, na Terra devastada por catástrofes ambientais. O personagem encontra registros de 2008 e se pergunta por que não salvamos o planeta enquanto ainda havia tempo. Ao longo da narrativa, vão surgindo relatos reais de vítimas de tragédias causadas pelas mudanças climáticas decorrentes do aquecimento global, como o tsunami no oceano Índico e o furacão Katrina.

“A Era da Estupidez” serve pra despertar reflexão enquanto ainda há tempo: o que podemos fazer pra que isso não aconteça? No site do filme existem várias respostas e uma delas é o 10:10, projeto pra diminuição de emissão de carbono na atmosfera.

A produção independente tem chamado atenção por onde passa e teve estréia mundial no dia 22/09 – não por acaso o Dia Mundial Sem Carro, com exibição única. Além da pegada ambiental, o que atrai atenções é a nova forma de encarar o cinema. Com verba proveniente de doações, os produtores incentivam o próprio público a divulgar o filme em suas áreas de influência. Qualquer um pode comprar a licença pra exibição, desde multinacionais até escolas de bairro. No Brasil a Osklen saiu na frente e já promoveu uma cabine. O DVD já está em pré-venda na internet, legendado em 31 línguas e cheio de dicas bacanas pra começar a mudar o seu dia-a-dia. Estupidez é não se informar!

FEPEC comemora um ano de atividades

No dia 16 de julho de 2008, nascia durante a programação do I Encontro de Cineclubes de Pernambuco, a Federação Pernambucana de Cineclubes. A fundação da entidade foi aprovada por representantes de 12 cineclubes de todo o Estado, que participaram de toda a programação do evento que durou 3 dias.

Federação Pernambucana de CineclubesO grupo de representantes, composto por cineclubistas do Recife, Nazaré da Mata, Aliança, Limoeiro entre outros fundou a FEPEC tendo como objetivo ajudar a organizar e fomentar o crescimento da atividade cineclubista em todo o estado, através da representação junto aos órgãos públicos e privados e da criação de políticas e diretrizes que defendam e consolidem o movimento cineclubista pernambucano. Na ocasião, foram escolhidos membros da diretoria da entidade. Houve ainda a elaboração da Carta de Triunfo dos Cineclubes Pernambucanos, dirigida ao Governador Eduardo Campos. (Ler a carta: http://fepec.blogspot.com/2008/12/carta-de-triunfo-dos-cineclubes.html )

O evento contou ainda com a participação de Frederico Cardoso, representante da Programadora Brasil (Sec. Audiovisual/MinC); João Baptista Pimentel Neto, secretário geral do Conselho Nacional de Cineclubes; Alexandre Figueirôa, crítico de cinema e professor da Unicap; e Cynthia Falcão, presidente da ABD-PE.

Atualmente, 19 cineclubes são filiados a FEPEC: Amoeda Digital, Aurora Filmes, AZouganda, Bom Jardim, Cabidela, Califórnia, CineMata, CineSete, Cocada, Coliseu, Dissenso, Graúna, Iapôi, Jurema, Kinestudo, Macaíba, Revezes, MAC, Vôo Livre.

Que mais anos venham e que Pernambuco nunca se esqueça.

Amanda Ramos
* Diretora de Comunicação da FEPEC
* Coordenação Cineclube AZouganda

www.cineclubeazouganda.blogspot.com
www.fepec.blogspot.com

MinC organiza oficinas em 9 estados

O Ministério da Cultura (MinC) iniciou esta semana série de nove oficinas para treinamento em audiovisual, direcionada aos Cines Mais Cultura apoiados no país. Além das 100 propostas de exibição não-comerciais Cine+Cultura - Principalcontempladas em edital divulgado em maio passado, o Cine Mais Cultura irá formar e equipar outros 133 pontos de exibição audiovisual que serão constituídos por meio de parcerias estabelecidas.

O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) apoiará 12 Cines Mais Cultura nos Territórios da Cidadania, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC) implantará outras 30 unidades, o Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros (CNC) e o Fórum de Experiências Populares em Audiovisual (FEPA) apoiarão 30 cines, e a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas (ABD) mais 27. A todos serão disponibilizados equipamentos com tecnologia digital (de exibição e câmera), mais de 300 títulos da Programadora Brasil para exibição semanal durante dois anos, oficina de capacitação cineclubista, e acompanhamento direto das atividades dos novos cines em seus três meses iniciais.

Os encontros serão realizados entre julho e agosto, com o objetivo de qualificar os participantes para a realização de programação, divulgação e debates das sessões; apoiar a formação dos oficinandos com introduções à história do cinema e linguagem cinematográfica; e oferecer informações sobre questões atuais relativas à atividade exibidora como direitos autorais e sustentabilidade.

Segundo o coordenador executivo do Cine Mais Cultura, Frederico Cardoso, “com essas práticas pretendemos estimular os responsáveis pelos Cines ao diálogo com a comunidade local para a participação efetiva nas atividades”. O trabalho será desenvolvido com apoio do CNC e os participantes receberão manual de capacitação produzido para o programa.

Abaixo, o calendário das oficinas:

Oficina 1 – Salvador/Bahia
Estados participantes: Bahia e Sergipe
Aulas: 20 a 24/7
Participantes: 27 Cines Mais Culltura

Oficina 2 – Belo Horizonte/Minas Gerais
Estados participantes: Minas Gerais, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul
Aulas: 20 a 24/7
Participantes: 30 Cines Mais Cultura

Oficina 3 – João Pessoa/Paraíba
Estados participantes: Paraíba e Rio Grande do Norte
Aulas: 27 a 31/7
Participantes: 19 Cines Mais Cultura

Oficina 4 – Rio de Janeiro/RJ
Estados participantes: Rio de Janeiro e Espírito Santo
Aulas: 27 a 31/7
Participantes: 27 Cines Mais Cultura

Oficina 5 – Belém/Pará
Estados participantes: Pará, Amazonas, Amapá, Acre, Rondônia, Roraima, Tocantins
Aulas: 3 a 7/8
Participantes: 29 Cines Mais Cultura

Oficina 6 – Porto Alegre/Rio Grande do Sul
Estados participantes: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná
Aulas: 3 a 7/08
Participantes: 29 Cines Mais Cultura

Oficina 7 – São Paulo/SP
Estados participantes: São Paulo
Aulas: 10 a 14/8
Participantes: 19 Cines Mais Cultura

Oficina 8 – Recife/Pernambuco
Estados participantes: Pernambuco, Alagoas e Piauí
Aulas: 10 a 14/8
Participantes: 31 Cines Mais Cultura

Oficina 9 – Fortaleza/Ceará
Estados participantes: Ceará e Maranhão
Aulas: 17 a 21/8
Participantes: 22 Cines Mais Cultura

(Tatiana Sottili, SAI/MinC)