Arquivo da tag: Cineclubismo

Morreu André Setaro

Tristeza. Um sentimento de perda com danos colaterais. Perdeu a Bahia e o Brasil. Perdeu o  cinema. O nosso Cinema, o baiano e o brasileiro. A Jornada da Bahia, o jornalismo, a crítica. Morreu um bom brasileiro baiano – apesar de ser carioca. Um amigo. Companheiro de tantas lutam houveram para serem lutadas por aqueles que contribuíram para o fortalecimento do nosso audiovisual. Baiano, brasileiro, nacional, latino-americano. Morreu André Setaro.

João Baptista Pimentel Neto*

João Baptista Pimentel Neto. Perfil DiálogosSetaro havia sofrido um infarto no miocárdio na madrugada de quarta-feira, 9, e estava internado desde então. Não resistiu. Partiu. Foi visitar Glauber Rocha. Ou não, já que costumava dizer que era anarquista e ateu. Cardíaco e fumante inveterado. Irreverente, irônico e amante da polêmica. Setaro andava preocupado. Principalmente depois da morte do também crítico de cinema, João Carlos Sampaio, vítima de infarto. Em sua coluna no Terra Magazine do dia 5 de maio, Setaro comparou o infarto fulminante sofrido pelo amigo com o de seu pai, que morreu com a mesma idade. “O enfarte fulminante, que tirou a vida de João Carlos Sampaio, é traiçoeiro, e a morte não manda aviso nem recado.Desde criança, ficava apreensivo quando alguém morria do coração. Os médicos sempre diziam que o fator genético é importantíssimo”, registrou.

André Setaro.
André Setaro.

Depois em posts de seu perfil do facebook, insistiu no assunto e enumerou as vezes que teve problemas do coração e precisou ser operado, até terminar dizendo: “Oito anos já se passaram e continuo carregando minha ‘barca’, ainda que em companhia do inseparável Marlboro e dos goles gulosos na cerveja aos fins de semana”. Parecia preocupado. Parecia quase saber. E assim foi, se foi… Adeus companheiro!

Um pouco sobre

Natural do Rio de Janeiro, Setaro se formou em Direito na Universidade Federal da Bahia. Professor adjunto da Faculdade da Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Ufba) por 35 anos, Setaro era também crítico de cinema do jornal Tribuna da Bahia, uma coluna no Terra Magazine e editor do seu famoso seu Setaro´s Blog.

O crítico analisa o cinema no baiano e nacional e elege Glauber Rocha e sua obra-prima Deus e o Diabo na Terra do Sol como o melhor diretor e respectivamente maior obra cinematográfica do país.Tendo também atuado como assistente de direção e ator em algumas produções baianas, nesta entrevista ao programa Visão de Mundo falou sobre a arte que ele diz ter aprendido a gostar com prazer e sofrimento. “Você não pode só ter prazer, você precisa sofrer para conhecer”, afirmou.

Confira:

embedded by Embedded Video

YouTube  

Entrevista de Setaro a Sandro Santana publicada no Caderno de Cinema:

úLTIMO pOST

A escalada do cinema enquanto linguagem

por André Setaro

Vazio

terramagazine

Sobre o Fora do Eixo e o movimento cineclubista

Saskia Sá*
Saskia Sá
Saskia Sá

Fiquei bastante irritada com o que Beatriz Seigner conta no seu relato sobre o FDE, principalmente nos primeiros parágrafos em que ela se refere aos cineclubes, sinceramente, me deixou extremamente de cabeça quente. O que ela conta alí, considero que tem muito a ver com todo o trabalho desenvolvido pelo CNC na articulação do movimento cineclubista e merece muita e discussão.

Penso que que nunca se deve colocar nenhum movimento social ou cultural na fogueira, todos eles têm suas lutas e devem ser respeitados. Sempre respeitei o FDE e suas ações. Creio que eles têm méritos no que concerne à questão da articulação de redes e de movimentarem a cena cultural, assim como acho importante no cenário atual a mídia ninja enquanto conceito de comunicação imediata, sem atravessadores. Também não tenho nada com a organização interna do movimento. Se eles moram juntos, se usam um dinheiro comum, se buscam dissolver a individualidade e as subjetividades em um mesmo caldo do comum ou questionando ainda, a ideia de autoria (que de resto já é um tema bastante comum no universo da arte), aceita e se envolve com isso quem quer e nem é uma novidade, não estão inventando a roda e nem sequer dando uma cara nova, estão apenas dando um novo discurso e novos nomes ao que já existia e potencializando isso na era da internet e das redes. No entanto, quando este tipo de atuação extrapola o quintal onde habitam e como disse antes, usam este tipo de conceito pra desqualificar outros grupos ou ainda para se apropriarem de potências de outros coletivos pra colar a etiqueta deles, como se fosse uma ação do FDE, aí sim, tenho todas as ressalvas à atuação do FDE.

Teia CineclubistaDepois de toda minha vivência junto ao movimento cineclubista, em anos de militância e atuação, quero que saibam que acredito que os cineclubes que exibem no país, em locais onde nada mais, nenhuma atividade cultural existe e onde eles resistem com coragem e energia, estão reunidos e tem sido ajudados a se organizar, principalmente pelo Conselho Nacional de Cineclubes – CNC. Além disso estão também reunidos em federações estaduais de cineclubes e em vários coletivos que se organizam também por esforço próprio, com muita luta pra mantê-los funcionando e atuando.

O FDE nunca foi o coletivo responsável pelo funcionamento de cineclubes, eles apenas tentam colar a etiqueta da grife nas ações que já acontecem e se apropriar da potência dos movimentos sociais e culturais, inclusive dos pontos de cultura.

Eles, muito menos foram responsáveis pelo programa Cine Mais Cultura, que é um programa da SAV, do MinC, ainda idealizado no ministério do Gil, e que foi realizado em parceria com o CNC, até que foi paralisado na gestão da Ana de Holanda no Minc e da Ana Paula na SAv, mas pretendia dar um testemunho desta história hoje com mais calma, porque ontem, ao ler o relato da Beatriz, fiquei de cabeça muito quente com o desplante desses auto intitulados representantes do movimento cineclubista brasileiro, mas estou bastante ocupada pra isso, como eles gostam de dizer, eu sou do “precariado” urbano e minhas contas não estão pagas. 

Aliás, um movimento que tem mais de 80 anos só no Brasil e, do qual eles pouco ou nada sabem e que não precisa de nenhum tipo de representação, muito menos desse tipo de apropriação. 

E quero ver debater isso conosco, aliás, pode vir, qualquer hora, em qualquer lugar.

* Saskia Sá

Segue o relato, é grande, mas merece ser lido na íntegra, mas principalmente o início, onde está a parte relativa ao movimento cineclubista:

Fora do Fora do Eixo

Selo Cubo Card moeda financiadoraConheci um representante da rede Fora do Eixo durante um trajeto de ônibus do Festival de Cinema de Gramado de 2011, onde eu havia sido convidada para exibir meu filme “Bollywood Dream – O Sonho Bollywoodiano” e ele havia sido convidado a participar de um debate sobre formas alternativas de distribuição de filmes no Brasil.

Meu filme havia sido lançado naquele mesmo ano no circuito comercial de cinemas, em mais de 19 cidades brasileiras, distribuído pela Espaço Filmes, e o rapaz me contava de como o Fora do Eixo estava articulando pela internet os cerca de 1000 cineclubes do programa do governo Cine Mais Cultura, assim como outros cineclubes de pontos de cultura, escolas, universidades, coletivos e pontos de exibição alternativos, que estavam conectados à internet nas cidades mais longínquas do Brasil, para fazerem exibição simultânea de filmes com debate tanto presencialmente, quanto ao vivo, por skype. Eu achei a idéia o máximo. Me disponibilizei, a mim e ao meu filme para participar destas exibições, pois realmente acredito na necessidade de democratizar o acesso aos bens culturais no país, e sei como é angustiante, nestas cidades distantes, viver sem acesso à cultura alternativa e mais diversas artes.

Foi então organizado o lançamento do meu filme nos cineclubes associados à rede Fora do Eixo durante o Grito Rock 2012, no qual eu também me disponibilizei a participar de uma tournée de debates no interior de São Paulo, na cidade do Rio de Janeiro, e por skype com outros cineclubes que aderissem à “campanha de exibição”, como eles chamam.

Com relação à remuneração eles me explicaram que aquele ainda era um projeto embrionário, sem recursos próprios, mas que podiam pagá-lo com “Cubo Card”, a moeda solidária deles, que poderia ser trocada por serviços de design, de construção de sites, entre outras coisas. Já adianto aqui que nunca vi nem sequer nenhum centavo deste cubo card, ou a plataforma com ‘menu de serviços’ onde esta moeda é trocada.

E fiquei sabendo que algumas destas exibições com debate presencial no interior de SP seriam patrocinadas pelo SESC – pois o SESC pede a assinatura do artista que vai fazer a performance ou exibir seu filme nos seus contratos, independente do intermediário. E só por eles pedirem isso é que fiquei sabendo que algumas destas exibições tinham sim, patrocinador. Fui descobrir outros patrocinadores nos posters e banners do Grito Rock de cada cidade. Destes eu não recebi um centavo.

No entanto, foi realmente muito animador ver a quantidade de pessoas sedentas por cultura alternativa em todas as cidades de pequeno e médio porte pelas quais passei. Foi também incrível conversar com cinéfilos por skype de cidadezinhas do Acre, Manaus, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Mato Grosso, Goiania, Santa Catarina, Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, entre outras cidades. Pelo que eu via, tinha entre 50 a 150 pessoas em cada sessão. Eu perdi a conta de quantos debates e exibições foram feitas, mas o Fora do Eixo havia me prometido como contra-partida uma foto de cada exibição onde fosse visível o número de público destas, e uma tabela com as cidades e quantidades de exibições que foram feitas. Coisa que também nunca recebi.

De qualquer maneira, empolgada com esta quantidade de pessoas que não querem consumir cultura de massa, em todas estas cidades, entrei em contato com colegas cineastas e distribuidores para que também disponibilizassem seus filmes, pois via o potencial de fortalecimento destes pontos de exibição em todos estes lugares, de crescimento do número de cinéfilos, e de pessoas que têm o desejo de desfrutar coletivamente de um filme, ou de outra obra de arte, de discuti-la, pesquisá-la, e se possível debatê-la com seus realizadores. Estava realmente impressionada com a quantidade de pessoas em todas estas cidades sedentas por arte. Se eu tivesse nascido em uma delas, via que seguramente seria uma delas, e mal conseguia imaginar como deve ser insuportável viver em uma cidade onde não há teatro, cinema alternativo, e muitas vezes nem sequer bibliotecas.

A idéia seria então de fazer um projeto para captar recursos para viabilizar estas exibições. Pensamos em algo como cada cineclube ou ponto de exibição que exibisse um filme receberia 100 reais para organizar e divulgar a sessão, e cada cineasta receberia o mesmo valor pelos diretos de exibição de seu filme naquele lugar. E caso houvesse debate presencial receberia mais cerca de mil reais de cachê pelo debate, e por skype ao vivo cerca de 500 reais pelo debate de até 3 horas.

Pensando em rede, se mil cineclubes exibissem um filme, o cineasta poderia receber, no mínimo, 100 mil reais por estas exibições. Eu ainda acho que é um projeto que deve ser realizado. E que esta ligação entre os cineclubes deveria ser feita por uma plataforma pública online do governo, onde ficaria o armazenamento destes filmes para download com senha e crédito paypal para estes pontos de exibição (sejam eles cineclubes, escolas, universidades, pontos de cultura etc).

Assim como também acho que os “Céus das Artes” que estão sendo construídos no país todo deveriam ter salas de cinema separadas dos teatros, com programação diária, constante, aumentando em 15% o parque exibidor brasileiro, e capacitando o governo de fazer políticas de exibição de filmes gratuitas ou com preços populares, em lugares onde simplesmente não há cinemas, muito menos, de arte.

Mas isso já é outra história. Voltemos ao Fora do Eixo.

E quando foi que o projeto degringolou? ou quando foi que me assustei com o Fora do Eixo?

Meu primeiro susto foi quando perguntaram se podiam colocar a logomarca deles no meu filme – para ser uma ‘realização Fora do Eixo’, em seu catálogo. Eu disse que o filme havia sido feito sem nenhum recurso público e que a cota mínima para um patrocinador ter sua logomarca nele era de 50 mil reais. Eles desistiram.

O segundo susto veio justamente na exibição com debate em um SESC do interior de SP, quando recebi o contrato do SESC, e vi que o Fora do Eixo estava recebendo por aquela sessão, em meu nome, e não haviam me consultado sobre aquilo. Assinei o contrato minutos antes da exibição e cobrei do Fora do Eixo aquele valor descrito ali como sendo de meu cachê, coisa que eles me repassaram mais de 9 meses depois, porque os cobrei, publicamente.

O terceiro susto veio quando me levaram para jantar na casa da diretora de marketing da Vale do Rio Doce, no Rio de Janeiro, onde falavam dos números fabulosos (e sempre superfaturados) da quantidade de pessoas que estavam comparecendo às sessões dos filmes, aos festivais de música, e do poder do Fora do Eixo em articular todas aquelas pessoas em todas estas cidades. Falavam do público que compareciam a estas exibições e espetáculos como sendo filiados à eles. Ou como se eles tivessem qualquer poder sobre este público.

Foi aí que conheci pela primeira vez o Pablo Capilé, fundador da marca/rede Fora do Eixo, um pouco antes deste jantar. Até então haviam me dito que a rede era descentralizada, e eu havia acreditado, mas imediatamente quando vi a reverência com que todos o escutam, o obedecem, não o contradizem ou criticam, percebi que ele é o líder daqueles jovens, e que ao redor dele orbitavam aqueles que eles chamam de “cúpula” ou “primeiro escalão” do FdE.

O susto veio, não apenas por conta de perceber esta centralidade de liderança, mas porque o Pablo Capilé dizia que não deveria haver curadoria dos filmes a serem exibidos neste circuito de cineclubes, que se a Xuxa liberasse os filmes dela, eles seguramente fariam campanha para estes filmes serem consumidos pois dariam mais visibilidade ao Fora do Eixo, e trariam mais pessoas para ‘curtir’ as fotos e a rede deles – pessoas estas que ele contabilizaria, para seus patrocinadores tanto no âmbito público, quanto privado. “Olha só quantas pessoas fizemos sair de suas casas”. E que ele era contra pagar cachês aos artistas, pois se pagasse valorizaria a atividade dos mesmos e incentivaria a pessoa ‘lá na ponta’ da rede, como eles dizem, a serem artistas e não ‘DUTO’ como ele precisava. Eu perguntei o que ele queria dizer com “duto”, ele falou sem a menor cerimônia: “duto, os canos por onde passam o esgoto”.

Eu fiquei chocada. Não apenas pela total falta de respeito por aqueles que dedicam a maior quantidades de horas de sua vida para o desenvolvimento da produção artística (e quando eu argumentava isso ele tirava sarro dizendo ‘todo mundo é artista’ ao que eu respondia ‘todo mundo é esportista também – mas quantos têm a vocação e prazer de ficar mais de 8 horas diárias treinando e se aprofundando em determinada forma de expressão? quantas pessoas que jogam uma pelada no fim de semana querem e têm o talento para serem jogadores profissionais?” “mas se pudesse escolher todo mundo seria artista” “não necessariamente, leia as biografias de todos os grandes compositores, escritores, cineastas, coreógrafos, músicos, dançarinos – quero ver quem gostaria de ter aquelas infâncias violentadas, viver na miséria econômicas, passar horas de dedicando-se a coisas consideradas inúteis por outros – vai ver se quem é artista, se pudesse escolher outra forma de vocação se não escolheria ter vontade de ser feliz sendo médico, advogado, empresário, cientista social.”).

Enfim, o fato é que eu acreditava e continuo acreditando que se a pessoa na ponta da rede, seja no Acre ou onde quer que seja, se esta pessoa tiver vontade de passar a maior quantidade de tempo possível praticando qualquer forma de expressão artística, seja encarando páginas em branco, lapidando textos, lapidando filmes, treinando danças, coreografias, teatro, seja praticando um instrumento musical (e quem toca instrumentos musicais sabe a quantidade de horas de prática para se chegar à liberdade de domínio do instrumento e de seu próprio corpo, os tais 99% de suor para 1% de inspiração), quem quer que seja que encontre felicidade nestas horas e horas de prática cotidiana artística deve produzir tais obras e não ser DUTO de coisa alguma.

Pois existem pessoas no mundo que não têm este prazer de produção artística, mas têm prazer em exibir, promover, e compartilhar estas obras. E tá tudo certo. Temos diversos exemplos de pessoas assim: vejam a paixão com que o Leon Cakof e a Renata de Almeida produziam e produzem a Mostra de São Paulo. O pessoal da Mostra de Tiradentes. E de tantas outras. Existe paixão pra tudo. E não, exibidores, programadores, curadores, professores, críticos de cinema ou de arte não são artistas frustrados – mas pessoas cuja a paixão deles é esta: analisar, comentar, debater, ensinar, deflagrar e ampliar o pensamento e a reflexão sobre as diversos âmbitos de atuação humanos. Que bom que tem gente com estas paixões tão complementares!

E o meu choque ao discutir com o Pablo Capilé foi ver que ele não tem paixão alguma pela produção cultural ou artística, que ele diz que ver filmes é “perda de tempo”, que livros, mesmo os clássicos, (que continuam sendo lidos e necessários há séculos), são “tecnologias ultrapassadas”, e que ele simplesmente não cultiva nada daquilo que ele quer representar. Nem ele nem os outros moradores das casas Fora do Eixo (já explico melhor sobre isso).

Ou seja, ele quer fazer shows, exibir filmes, peças de teatro, dança, simplesmente porque estas ações culturais/artísticas juntam muita gente em qualquer lugar, que vão sair nas fotos que eles tiram e mostram aos seus patrocinadores dizendo que mobilizam “tantas mil pessoas” junto ao poder público e privado, e que por tanto, querem mais dinheiro, ou privilégios políticos.

Vejam que esperto: se Pablo Capilé dizer que vai falar num palanque, não iria aparecer nem meia dúzia de pessoas para ouvi-lo, mas se disserem que o Criolo vai dar um show, aparecem milhares. Ou seja, quem mobiliza é o Criolo, e não ele. Mas depois ele tira as fotos do show do Criolo, e vai na Secretaria da Cultura dizendo que foi ele e sua rede que mobilizou aquelas pessoas. E assim, consequentemente, com todos os artistas que fazem participação em qualquer evento ligado à rede FdE. Acredito que, como eu, a maioria destes artistas não saibam o quanto Pablo Capilé capitaliza em cima deles, e de seus públicos.

Mesmo porque ele diz que as planilhas do orçamento do Fora do Eixo são transparentes e abertas na internet, sendo isso outra grande mentira lavada – tais planilhas não encontram-se na internet, nem sequer os próprios moradores das casas Fora do Eixo as viram, ou sabem onde estão. Em recente entrevista no Roda Viva, Capilé disse que arrecadam entre 3 e 5 milhões de reais por ano. Quanto disso é redistribuído para os artistas que se apresentam na rede?

O último dado que tive é que o Criolo recebia cerca de 20 mil reais para um show com eles, enquanto outra banda desconhecida não recebe nem 250 reais, na casa FdE São Paulo.

Mas seria extremamente importante que os patrocinadores destes milhões exigissem o contrato assinado com cada um destes artistas, baseado pelo menos no mínimo sindical de cada uma das áreas, para ter certeza que tais recursos estão sendo repassados, como faz o SESC.

Depois deste choque com o discurso do Pablo Capilé, ainda acompanhei a dinâmica da rede por mais alguns meses (foi cerca de 1 ano que tive contato constante com eles), pois queria ver se este ódio que ele carrega contra as artes e os artistas era algo particular dele, ou se estendia à toda a rede. Para a minha surpresa, me deparei com algo ainda mais assustador: as pessoas que moram e trabalham nas casas do Fora do Eixo simplesmente não têm tempo para desfrutar os filmes, peças de teatro, dança, livros, shows, pois estão 24 horas por dia, 7 dias por semana, trabalhando na campanha de marketing das ações do FdE no facebook, twitter e demais redes sociais.

E como elas vivem e trabalham coletivamente no mesmo espaço, gera-se um frenesi coletivo por produtividade, que, aliado ao fato de todos ali não terem horário de trabalho definido, acreditarem no mantra ‘trabalho é vida’, e não receberem salário, e portanto se sentirem constantemente devedores ao caixa coletivo, da verba que vem da produção de ações que acontecem “na ponta”, em outros coletivos aliados à rede, faz com que simplesmente, na casa Fora do Eixo em São Paulo, não se encontre nenhum indivíduo lendo um livro, vendo uma peça, assistindo a um filme, fazendo qualquer curso, fora da rede. Quem já cruzou com eles em festivais nos quais eles entraram como parceiros sabem do que estou falando: eles não entram para assistir a nenhum filme, nem assistem/participam de nenhum debate que não seja o deles. O que faz com que, depois de um tempo, eles não consigam falar de outra coisa que não sejam eles mesmos.

Sim, soa como seita religiosa.

Eu comecei a questionar esta prática: como vocês querem promover a cultura, se não a cultivam? Ao que me responderam “enquanto o povo brasileiro todo não puder assistir a um filme no cinema, nós também não vamos”. Eu perguntei se eles sabiam que havia mostras gratuitas de filmes, peças de teatro, dança, bibliotecas públicas, universidades públicas onde pode-se assistir a qualquer aula/curso – ao que me responderam que eles não têm tempo para perder com estas coisas.

Pode parecer algo muito minimalista, mas eu acho chocante eles se denominarem o “movimento social da cultura”, e não cultivar nem a produção nem o desfrute das atividades artísticas da cidade onde estão, considerando-se mártires por isso, orgulhando-se de serem chamados de “precariado cognitivo” (sem perceber o tamanho desta ofensa – podemos nos conformar em viver no precariado material, mas cultivar e querer espalhar o precariado de pensamentos, de massa crítica, de sensibilidade cognitiva, é algo muito grave para o desenvolvimento de seres humanos, e consequentemente da humanidade).

Concomitantemente a isso, reparei que aquela massa de pessoas que trabalham 24 horas por dia naquelas campanhas de publicidade das ações da rede FdE, não assinam nenhuma de suas criações: sejam textos, fotos, vídeos, pôsters, sites, ações, produções. Pois assinar aquilo que se diz, aquilo que se mostra, que se faz, ou que se cria, é considerado “egóico” para eles. Toda a produção que fazem é assinada simplesmente com a logomarca do Fora do Eixo, o que faz com que não saibamos quem são aquele exercito de criadores, mas sabemos que estão sob o teto e comando de Pablo Capilé, o fundador da marca.

E que não, a marca do fora do Eixo não está ligada a um CNPJ, nem de ONG, nem de Associação, nem de Cooperativa, nem de nada – pois se estivesse, ele seguramente já estaria sendo processado por trabalho escravo e estelionato de suas criações, por dezenas de pessoas que passaram um período de suas vidas nas casas Fora do Eixo, e saem das mesmas, ao se deparar com estas mesmas questões que exponho aqui, e outras ainda mais obscuras e complexas.

Me explico melhor: existem muitos dissidentes que se aproximam da rede pois vêem nela a possibilidade de viver da criação e circulação artística, de modificar suas cidades e fortalecer o impacto social da arte na população das mesmas, que depois de um tempo trabalhando para eles percebem, tal qual eu percebi, as incongruências do movimento Fora do Eixo. Que aquilo que falam, ou divulgam, não é aquilo que praticam. É a pura cultura da publicidade vazia enraizada nos hábitos diários daquelas pessoas.

E além disso, o que talvez seja mais grave: quem mora nas casas Fora do Eixo, abdicam de salários por meses e anos, e portanto não têm um centavo ou fundo de garantia para sair da rede. Também não adquirem portfólio de produção, uma vez que não assinaram nada do que fizeram lá dentro – nem fotos, nem cartazes, nem sites, nem textos, nem vídeos. E, portanto, acabam se submetendo àquela situação de escravidão (pós)moderna, simplesmente pois não vêem como sobreviver da produção e circulação artística, fora da rede. Muitas destas pessoas são incentivadas pelo próprio Pablo Capilé a abandonar suas faculdades para se dedicarem integralmente ao Fora do Eixo. Quanto menos autonomia intelectual e financeira estas pessoas tiverem, melhor para ele.

E quando algumas destas pessoas conseguem sair, pois têm meios financeiros independentes da rede FdE para isso, ficam com medo de retaliação, pois vêem o poder de intermediação que o Capilé conseguiu junto ao Estado e aos patrocinadores de cultura no país, e temem serem “queimados” com estes. Ou mesmo sofrer agressões físicas. Já três pessoas me contaram ouvir de um dos membros do FdE, ao se desligarem da rede, ameaças tais quais “você está falando de mais, se estivéssemos na década de 70 ou na faixa de gaza você já estaria morto/a.” Como alguns me contaram, “eles funcionam como uma seita religiosa-política, tem gente ali capaz de tudo” na tal ânsia de disputa por cada vez mais hegemonia de pensamento, por popularidade e poder político, capital simbólico e material, de adeptos. Por isso se calam.

Fiquei sabendo de uma menina que produziu o Grito Rock 2012 em Braga, em Portugal, no qual exibiram meu filme. Ela me contou que estava de intercâmbio da universidade lá, e uma amiga dela que havia sido “abduzida pelo Fora do Eixo” entrou em contato perguntando se ela e um amigo não queriam exibir o filme em Braga, produzir o show de uma banda na universidade, fazer a divulgação destas ações nas redes sociais. Ela achou boa a idéia e qual não foi sua surpresa quando viu que em todos os materiais de divulgação do evento que lhe enviaram estava escrito “realização Fora do Eixo”. “Eu nunca fui do Fora do Eixo, não tenho nada a ver com eles, como assim meu nome não saiu em nada? Não vou poder usar estas produções no meu currículo? E pior, eles agora falam que o Fora do Eixo está até em Portugal, e em sei lá quantos países. Isso é simplesmente mentira. Eu não sou, nem nunca fui do Fora do Eixo.”

O que leva a outro ponto grave das falácias do Fora do Eixo: sua falta de precisão numérica. Pablo Capilé, quando vai intermediar recursos junto ao poder público ou privado, para capitalizar a rede FdE, fala números completamente aleatórios “somos mais de 2 mil pessoas em mais de 200 cidades na America Latina”. Cadê a assinatura destas pessoas dizendo que são realmente filiadas à rede? Qualquer associação, cooperativa, partido político, fundação, ONG, ou movimento social tem estes dados. Reais, e não imaginários.

Quando visitei algumas das casas Fora do Eixo, estas pessoas morando e trabalhando lá não chegavam a 10% daquilo que ele diz a rede conter. E estas pessoas são treinadas com a estratégia de marketing da rede, de “englobar” no facebook e twitter alguém que eles consideram estrategicamente importante para o Fora do Eixo, seja um vereador, um intelectual, um artista, um secretário da cultura, e replicam simultaneamente as fotos e textos dos eventos do qual produzem, divulgam, ou simplesmente se aproximam (já vou falar dos outros movimentos sociais que expulsam o Fora do Eixo de suas manifestações – pois eles tiram fotos de si no meio destas ações dos outros e depois vão ao poder público dizer que as representam), ao redor daquelas pessoas estratégicas, política e economicamente para eles, que as adicionaram ao mesmo tempo, criando uma realidade virtual paralela que eles manipulam ao redor desta pessoa. Pois, se esta pessoa ‘englobada’ apertar ‘ocultar’ nas cerca de150 pessoas que trabalham nas casas Fora do Eixo, verá que muito raramente estas informações chegam por outras vias. Ou seja, eles simulam um impacto midiático muito maior de suas ações, apara aqueles que lhes interessam, do que o impacto real das mesmas nas populações e localizações onde aconteceram.

E com isso vão construindo esta realidade falsa, paralela. Controlada por eles, sob liderança do Pablo Capilé.

Dos movimentos sociais que começaram a expulsar os Fora do Eixo de suas manifestações e ações, pois estes, como os melhores mandrakes, ao tentar dominar a comunicação destas, iam depois ao poder público dizer representá-las, estão o movimento do Hip Hop em São Paulo, as Mãe de Maio (que encabeçam o movimento pela desmilitarização da PM aqui), o Cordão da Mentira (que une diversos coletivos e movimentos sociais para a passeata de 1º de Abril, dia do golpe Militar no Brasil, escrachando os lugares e instituições que contribuíram para o mesmo), a Associação de Moradores da Favela do Moinho, o coletivo Zagaia, o Passa-Palavra, o Ocupa Mídia, O Ocupa Sampa, o Ocupa Rio, Ocupa Funarte, entre outros. Até membros do Movimento Passe Livre tem discutido publicamente o assunto dizendo que o Fora do Eixo não os representam, e não podem falar em seu nome.

Sobre a transmissão de protestos e ocupações, são milhares de pessoas em diversos países que transmitem as manifestações no mundo todo, em tempo real, e acredito que os inventores que fizeram os primeiros smartphones conectando vídeo com internet, são realmente tão importantes para a comunicação na atualidade quanto os inventores do telégrafo foram em outra época.

Já o Fora do Eixo, agora denominados de Mídia Ninja, (antes era Mídia Fora do Eixo, mas como são muito expulsos de manifestações resolveram mudar de nome) utilizar os vídeos feitos por centenas de pessoas não ligadas ao Fora do Eixo, editá-los, subí-los no canal sob seu selo, e querer capitalizar em cima disso – sem repassar os recursos para as pessoas que realmente filmaram estes vídeos/fizeram estas fotos e textos – inclusive do PM infiltrado mudando de roupa e atirando o molotov – eu já acho bastante discutível eticamente.

Sobre a questão do anonimato nos textos e fotos, acredito que esta prática acaba fazendo com que eles façam exatamente aquilo que criticam na grande mídia: espalham boatos anônimos, sem o menor comprometimento com a verdade, com a pesquisa, com a acuidade dos dados e fatos.

Mas enfim, acho que a discussão é muito mais profunda do que a Midía Ninja em si, apesar deles também se beneficiarem do trabalho escravo daqueles que vivem nas casas Fora do Eixo.

Acredito com este relato estar dando minha contribuição pública à discussão de o que é o Fora do Eixo, como se financiam e sustentam a rede, quais seus lados bons e seus lados perversos, onde é que enganam as pessoas, dizendo-se transparentes, impunemente.

Contribuição esta que acredito ser meu dever público, uma vez que, ao me encantar com a rede, e haver vislumbrado a possibilidade de interagir com cinéfilos do rincões mais distantes do país, que não têm acesso aos bens culturais produzidos ou circulados por aqui, incentivei outros colegas cineastas a fazerem o mesmo. Já conversei pessoalmente com todos aqueles que pude, explicando tudo aquilo que exponho aqui também. Dos cineastas que soube que também liberaram seus filmes para serem exibidos pela rede, nenhum recebeu qualquer feedback destas exibições, sejam em fotos com o número de pessoas no públicos, seja com a tabela de cidades em que passaram, seja de eventuais patrocínio que os exibidores receberam. E como talvez tenha alguém mais com quem eu não tenha conseguido falar pessoalmente, fica aqui registrado o testemunho público sobre minha experiência com a rede Fora do Eixo, para que outras pessoas possam tomar a decisão de forma mais consciente caso queiram ou não colaborar com ela.

Espero que os patrocinadores da rede tomem também conhecimento de todas estas falácias, e cobrem do Fora do Eixo o número exato de participantes, com assinatura dos mesmos, os contratos e recibo de repasse das verbas que recebem aos autores das obras e espetáculos que eles dizem promover. E que jornalistas que investigam o trabalho escravo moderno se debrucem também sobre estas casas: pois acredito que as pessoas que estão lá e querem sair precisam de condições financeiras e psicológicas para isso.

Espero também que mais pessoas tomem coragem para publicar seus relatos (e sei que tem muita gente que poderia fazer o mesmo, mas que tem medo pelos motivos que expliquei a cima), e assim teremos uma polifonia importante para quebrar a máscara de consenso ao redor do Fora do Eixo.

E que, mesmo vivendo em plena era da cultura da publicidade, exijamos “mais integridade, por favor”, entre aquilo que dizem e aquilo que fazem aqueles que querem trabalhar, circular, exibir, criar, representar, pensar ou lutar pelo direito fundamental do Homem de produção e desfrute da diversidade artística e cultural de todas as épocas, em nosso tempo.

 

3ª edição do MOVIOLA : Viva os 50 anos do Cine Brasília!

    A 3ª edição do MOVIOLA é dedicada especialmente aos 50 anos do Cine Brasília. Celebraremos a importância de um “cinema de rua”, com preços populares, programação fora de circuito comercial, entre tantas qualidades deste importante espaço de exibição da capital.

    MOVIOLA é uma iniciativa consolidada a partir da ação conjunta entre pessoas atuantes na área cultural do DF com o intuito coletivo de valorizar o Cine Brasília enquanto patrimônio público da cidade. O projeto une cinema, música e diversão, com participação de artistas de diversas áreas – cinema, música, artes visuais, artes plásticas, fotografia, poesia e demais intervenções artísticas.
    Salientamos que não teremos verba prevista para cachês nem patrocínio financeiro, e faremos o MOVIOLA de qualquer forma por meio das parcerias e apoios. Acreditamos na importância e urgência de celebrar o aniversário de 50 anos do Cine Brasília na atual conjuntura da cidade e não podemos depender de verba para realizar o evento. Até poucos dias, o cinema estava sem gerência nem programação, revelando a necessidade da participação propositiva da classe artística e da sociedade em prol de um patrimônio e espaço público da cidade. Percebemos o potencial do Cine Brasília enquanto elemento fundamental da cadeia produtiva da sétima arte. Realizaremos o MOVIOLA como um ato simbólico e concreto.
    A primeira edição, realizada no dia 18 de abril de 2008, foi dedicada ao aniversário da cidade. O evento contou com cerca de 1000 pessoas, com direito a muito cinema, música e interação do público. A intenção é fomentar o diálogo do cinema nacional com o público da cidade e dar visibilidade aos curtas-metragens.

    A proposta é  movimentar e valorizar o Cine Brasília durante todo o ano, em edições periódicas, propiciando o encontro de pessoas e a participação coletiva de público, artistas, realizadores, produtores culturais da cidade.  Desta parceria, sem fins lucrativos, nasceu o coletivo MOVIOLA e pretende seguir para a terceira edição em abril de 2010, dedicada especialmente aos 50 anos da capital e do próprio Cine Brasília (inaugurado oficialmente no dia 22 de abril de 1960).

Fotos das edições anteriores (Cláudio Moraes)

3ª edição: 50 anos do Cine Brasília – 20 de abril de 2010

PROGRAMAÇÃO

Cinema

* Cinco Filmes Estrangeiros
(De José Eduardo Belmonte. Ficção, 13 minutos, 1997)

Sinopse: Um nepalês sociopata, um casal francês, um brasileiro maníaco, paraguaios festeiros e artistas africanos se cruzam num dia fatal. Elenco: Herbert Amaral, Makoto Hasebe, Murilo Grossi.
Fotos e mais informações:
entrar em contato com assessoria de imprensa do evento.

* Brasília, Capital do Século
(De Gerson Tavares. Documentário, 10 minutos, 1959)

Sinopse: Brasília, Capital do Século, nos mostra rapidamente o que dezenas de cinegrafistas espontâneos ou solicitados já remoeram em imagens estereotipadas – a arquitetura – e focaliza o lado humano do fabuloso “rush”. Vemos a cidade livre, o gigantesco acampamento tipo oeste americano da época do ouro crescendo como uma favela, sem fim diante da cidade – a maravilha urbanística e arquitetônica da era do concreto armado. Quando estiver pronta a obra, como se dissolverá este mundo improvisado? Como o absorverá, Brasília, a exigente, ou como o expulsará Brasília, a intransigente?
Fotos e mais informações:
http://www.festbrasilia.com.br/?sessao=materia&idMateria=1410&titulo=FILME-DE-ENCERRAMENTO

* Brasília: Contradições de uma Cidade Nova
(De Joaquim Pedro de Andrade. Documentário, 23 minutos, 1967)

Sinopse: Imagens de Brasília em seu sexto ano e entrevistas com diferentes categorias de habitantes da capital. Uma pergunta estrutura o documentário: uma cidade inteiramente planejada, criada em nome do desenvolvimento nacional e da democratização da sociedade, poderia reproduzir as desigualdades e a opressão existentes em outras regiões do país?
Fotos e mais informações:
http://www.filmesdoserro.com.br/film_br.asp

* Brasília, Última Utopia (seis curtas)
(De Geraldo Moraes, Moacir de Oliveira, Pedro Anísio, Pedro Jorge de Castro, Roberto Pires e Vladimir Carvalho. 105 minutos, 1989)

Sinopse: Do ermo surgiu o cimento, o ferro, o monumento. O engenho e a arte fizeram a paisagem onde só havia a natureza torta do cerrado. Brasília nasceu do sonho de D. Bosco ao fantástico realismo de J. K. Vértice do poder e pirâmide do estado social representada pelo poder legislativo na figura majestosa do congresso nacional. Com um olho no terceiro milênio. Com uma história que é a síntese do falar brasileiro. Com uma história que é também a síntese do sonhar brasileiro. Em menos de 30 anos, Brasília é patrimônio cultural da Humanidade com reconhecimento especial da Unesco.
Fotos e mais informações:
http://www.festbrasilia.com.br/?sessao=materia&idMateria=1410&titulo=FILME-DE-ENCERRAMENTO

    Música
    DJ Rubens (ex- Gate’s Pub)
    DJ  Gás (Toranja)
    DJ El Roquer (Confronto Sound System)
    DJ Léo Candian (Só  Som Salva)

Fotografia

* Movimento Brasília Sempre-Viva

(Contato: Lígia Benevides, Denise Paiva e Mara Marchetti)

    Exposição: A nova corrida para o Oeste: perspectivas cinzentas de um bairro verde – imagens dos fotógrafos JPhilippe Bucher, Randal Andrade e Renato Zerbinato
    * Hyeronimus do Vale
    Artes visuais
    * Raquel Nava e Marina da Rocha
    * Cirilo Quartim (Bonde Comunicação)
    * André Santangelo
    * Daniel Banda
    * Onio
    Exposição coletiva de quatro artistas da cidade: André Santangelo, Cirilo Quartim, Daniel Banda e Onio farão uma intervenção estética no Cine Brasília para homenagear Brasília. Grafites, pinturas, instalações, performances e vídeo-projeção de artistas da Capital.
    * Mayra Miranda e Vê se Te Enxerga Produções – VJs
    Aperitivos
    Balaio Café – inspirado na Cachaça Cinema Clube (RJ), o coletivo Moviola distribui cachaça após a exibição dos filmes. Afinal, cinema é a nossa cachaça.
    MOVIOLA: cinema + música + artes e aperitivosTerceira edição: Viva os 50 anos do Cine Brasília!

    Dia: 20 de abril de 2010 (terça) – véspera de feriado

    Hora: 19h00

    Local: Cine Brasília (Entrequadra 106/7 sul)

    Entrada franca – Censura livre

    Coletivo MOVIOLA
    Contatos imediatos:
    Idealização, coordenação e produção
    * Ana Arruda Neiva
    (61) 9967-0579
    * Ju Pagul
    (61) 7814-4275
    Assessoria de imprensa
    * Manu Santos
    (61) 8424-8503
    Realização

Brazucah Produções

Balaio Café

Vê  se Te Enxerga Produções

    Apoio institucional

Cine Brasília – Secretaria de Cultura do Estado do DF

Apoio/ parceria

Arquivo Nacional + Filmes do Serro

Bonde Comunicação

Cult Video

Kingdom Comics

Movimento Brasília Sempre Viva + Preserve Amazônia + Proactive

Ossos do Ofício

Rádio Cultura FM 100,9

Só  Som Salva

CNC – Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros

Observatório Cineclubista Brasileiro

O cineasta Vladimir Carvalho vai virar Cineclube

O Vladimir é mesmo do Carvalho! Desculpem mas não consigo resistir a este trocadilho infame, uma mania dos meus tempos de estilingue na mão. Não é a primeira vez que eu comento sobre a obra de Vladimir Carvalho aqui nesse Blog e, provavelmente, está também não será a última. Mas a verdade é que os filmes deste grande cineasta transcendem o lugar comum dos elegios e das críticas e merecem, definitivamente, um lugar de destaque na filmografia nacional, sobretudo por sua forte carga Histórica e Antropológica.

Infelizmente ainda estamos submetidos aquelas interpretações equivocadas que conferem e segregam a Antropologia ao restrito universo dos estudos das sociedades tribais, indígenas e aborígines. Essas interpretações esquecem que a Antroplogia é uma ciência que estuda o homem e a humanidade em todas as suas dimensões. Nesse sentido Vladimir é uma espécie de Antropólogo Cinebiográfico e seus filmes já estrapolaram a condição de imagens em movimento para alcançar um lugar onde brilha o sol da ciência. Por tudo isso que venham os cineclubes, os cinemas e outras mídias para este momento de congraçamento imagético onde a estética deita-se na cama nas terras do cerrado.

Postado por Pedro Anísio às 18:57

Baú Cineclubista & Achados os Perdidos I

Por: Nicolás Román Borré

La esquizofrenia cineclubística es una enfermedad que la ciencia psiquiátrica no estima prioritaria dentro del campo de sus investigaciones. Dicha patología se diferencia de las adicciones del coleccionista cinéfilo o del crítico cinematográfico, en que éstos encuentran un deleite individual en la acumulación de objetos o en la suma de placeres intelectuales; en cambio, el cineclubista necesita compartir con un público la experiencia sensorial que lo emociona.

Los síntomas que permiten reconocer la anomalía comienzan por una kinetofagia bulímica, enrojecimiento conjuntival y avitaminosis por falta de luz solar. Los esquizofrénicos de esta índole fundan cineclubes en todas las instituciones que pisan; sus proyectores viajan en lomo de mula, saltan charcos en barriadas, se humedecen en chalupa y respiran las estrellas de la noche en las sesiones al aire libre.

Riacho Doce recebe o Barracão Cineclube

Neste domingo, dia 28, a partir das 18 horas uma tela será iluminada na praça do Riacho Doce, por trás da igrejinha de Nossa Senhora da Conceição, com curtas alagoanos e animações nacionais. A Praça é a José Emílio de Carvalho no bairro de Riacho Doce, beirada pela AL-101 Norte, local escolhido para a primeira exibição do Barracão Cine Clube.

Entre os curtas alagoanos está Vestido para Lia, no dia da festa da padroeira, Lia, filha da costureira, tenta convencer sua mãe a fazer um vestido novo para a festa. Ficção dirigida por Hermano Figueiredo e Regina Célia Barbosa, realizada através do edital Curta Criança. Um dos documentários é Iraque – Terra da Esperança, retrata um bairro de Marechal Deodoro com problemas de violência, dirigido por Douglas Nogueira e realizado através do Projeto Olhar Circular. Nome, Idade, Profissão e Onde Mora é um documentário sobre um dia de trabalho na vida de um ambulante de Fernão Velho, dirigido por Viviane Vieira e realizado através do projeto Ateliê SESC.

O Barracão Cine Clube é fruto da parceria entre a Associação Artística Saudável Subversivos e a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-metragistas de Alagoas – ABDeC-AL, contemplada pelo projeto Cine Mais Cultura, o programa é uma ação do Ministério da Cultura, disponibiliza equipamentos para a formação de cineclubes em todo o país.

Sobre os Saudáveis Subversivos

Os Saudáveis Subversivos iniciaram suas atividades através das artes cênicas, com peças, improvisos e experimentos audiovisuais. Em 2008 a Associação foi contemplada pelos editais Oi Futuro e BNB, possibilitou a realização do Projeto Olhar Circular, que teve como produto sete documentários realizados por jovens de Marechal Deodoro.

Em 2009, os Saudáveis colaboraram com o SESC Alagoas no projeto Ateliê SESC em Fernão Velho que teve como produto quatro documentários. Com sede em Riacho Doce, a Associação Artística Saudáveis Subversivos realizará alguns projetos neste bairro ao longo deste ano.

Fonte: Saudáveis Subversivos

Carta Aberta do Movimento Cineclubista do Pará

CARTA ABERTA DO MOVIMENTO CINECLUBISTA DO PARÁ AO GOVERNO DO ESTADO, AO CONSELHO NACIONAL DE CINECLUBES E A SECRETÁRIA DO AUDIOVISUAL
Belém, 19 de Agosto de 2009

Atualizada, Fórum Paraense de Pontos de Cultura – Teia da Cultura Amazônica / GT Audiovisual,
Belém 05 de Março de 2010

Prezados senhores,

Saudamos aos participantes do CNC – Conselho Nacional de Cineclubes, ao mesmo tempo em que lançamos essa carta aberta com intuito de somar, de compartilhar e sugerirmos idéias que visam o fortalecimento do audiovisual em nosso Estado.

Fazemos parte de um grupo denominado “CRN – Cineclube Rede Norte/Pará” que reúne 9 cineclubes com forte atuação na capital e no Estado. Estamos nos organizando em rede exatamente por entender que somente com a cultura colaborativista, poderemos tratar da questão do audiovisual como uma teia. E sabemos que o papel dos exibidores ainda precisa ser melhor entendido e respeitado como sendo de fundamental importância na cadeia produtiva dessa linguagem.

A experiência da troca de conteúdos e vivências proporcionada pela participação nos DIÁLOGOS CINECLUBISTAS – A fala das práticas – Relatos de experiências e rodas de diálogos, evento livre, democrático e independente, realizado nos dias 17, 18 e 19 de agosto de 2009 em locais onde são desenvolvidas as mais diversas praticas cineclubistas em Belém e em Ananindeua-Pará, trouxe para os seus participantes a certeza de que o CINECLUBE é um espaço de construção de aprendizados e diálogos democráticos e necessariamente uma ferramenta educativa capaz de formar consciências e
culturas poéticas e visuais, pelas quais o ser humano pode vir a criar e a produzir um novo pensamento, assim como a arte na sua plenitude política e libertária.

Nesse sentido, nós, abaixo-assinados, realizadores, produtores e técnicos, atores e atrizes, cineclubistas, críticos e pesquisadores, exibidores e amantes do cinema, representantes de projetos e organizações com forte atuação em Belém e em Ananindeua, resolvemos tornar pública a CARTA ABERTA DO MOVIMENTO CINECLUBISTA DO PARÁ, com o objetivo de refletir, compartilhar e sugerir idéias e propostas para fortalecer o cinema, o audiovisual e o cineclubismo no Estado do Pará.

CONSIDERANDO:
• Que a dimensão continental e a diversidade cultural amazônidas são fatores que devem ser referenciados de forma a que sejam rompidas as amarras impostas pelo processo colonizador que cria padrões culturais e mediáticos – internacional e nacional -, que dificulta o direito à produção do conhecimento pelos povos de nossa Região;
• Que a produção e a difusão audiovisual que considerem identidades e modos de vida na Amazônia são premissas básicas para que instauremos um processo de construção de novas perspectivas poéticas e visuais capazes de fazer frente às referências audiovisuais impostas pela indústria cultural;
• Que é inalienável o direito dos realizadores paraenses garantirem que os seus filmes sejam vistos pela comunidade, do mesmo modo que é também inalienável o direito do povo paraense e amazônida de ter acesso às obras cinematográficas e reflexões críticas produzidas na Região e no mundo;
• Que esta consciência também é uma garantia de fortalecimento do atual momento, pelo resgate da memória do cinema e do imaginário de si mesmo;
• Que o atual estágio de amadurecimento coletivo das organizações culturais autônomas amazônidas está em sintonia com o avanço dos movimentos sociais;
• Que o CINECLUBE tem características colaborativas e solidárias, pelo que as suas atividades são desenvolvidas de forma democrática, mediante compromisso ético e cultural, sem fins lucrativos;
• Que as ações de caráter cineclubista dependem de atores voluntários que não economizam esforços para realizar as suas intervenções, na medida em que são amantes do cinema e acreditam na construção de uma cultura visual poética e estética capaz de propor a reflexão crítica amazônida e democratizar a cultura cinematográfica mundial;

• Que os praticantes do cineclubismo consolidam e ampliam os circuitos de exibição e fortalecem uma cadeia produtiva (audiovisual e intelectual) solidária, com investimento na economia local, de modo que para as práticas cineclubistas são fundamentais e para a divulgação das obras cinematográficas, na medida em que as tornam conhecidas da comunidade.

PROPOMOS:
1. Apoio a campanhas e iniciativas promovidas pela Federação Internacional de Cineclubes (FICC) e pelo Conselho Nacional de Cineclubes (CNC);
2. Implementação de políticas públicas de fomento e fortalecimento da atividade cineclubista no Estado de Pará;
3. Estadualização dos editais nacionais do audiovisual;
4. Inclusão de ações de fomento à atividade cineclubista no Plano Estadual de Cultura e nos editais que venham a ser lançados no campo audiovisual paraense;
5. Inclusão da participação de pessoas físicas em editais cineclubistas (o fomento estatal deve assimilar à dinâmica e a complexidade cineclubista como um movimento que não necessariamente está vinculado a entidade com corpo jurídico consolidado);
6. Criação da bolsa-cineclube;
7. Criação de bolsas de pesquisa em cinema e cineclubismo;
8. As ações governamentais devem necessariamente interiorizar as ações cineclubistas;
9. Fortalecimento da Rede Paraense de Cineclubes, fazendo distribuir informação, artigos, cartas, manifestos e vídeos em redes sociais, listas de discussão de redes afins, estreitando a comunicação entre outras redes de cineclubes na Região Amazônica e do mundo;
10. Criação da Comissão Organizadora da JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES, com designação de autonomia para desenvolver uma proposta estrutural de realização da mesma;
11. Criação da Federação Paraense de Cineclubes;
12. Apoio as organizações sociais que desenvolvem ações cineclubistas no Estado do Pará;
13. Estímulo à criação e acompanhamento de novos cineclubes, dentro de uma política de economia solidária, embutida em uma estrutura de formação, pesquisa, reflexão, produção, exibição, distribuição e preservação da cultura audiovisual paraense e amazônida;
14. Apoio à deslocamento para participação dos cineclubes paraenses nos eventos estaduais, nacionais e internacionais;
15. Investimento em publicações referentes ao movimento cineclubista, como artigos, críticas e material impresso de divulgação coletiva das programações;
16. Investimento no Circuito Paraense de Cinema em toda a rede de cineclubes, estadual, nacional e internacional, em parcerias diretas com instituições e empresas;
17. Investimento na distribuição e exibição do acervo de produções do audiovisual paraense e amazônida;
18. Digitalização e disponibilização à comunidade, inclusive pela inernet, do acervo do Museu de Imagem e Som – MIS;
19. Promover intercâmbios para fortalecer a rede solidária cineclubista;
20. Inclusão das organizações de cineclubes nos colegiados de decisão das políticas públicas do setor cultural;
21. Participação das organizações de cineclubes nos espaços públicos cinematográficos (Cine- Teatro Líbero Luxardo, Maria Silva Nunes, Cine Acyr Castro e Cinema Olímpia);
22. Inclusão de propostas cineclubistas em projetos como Escola Aberta e outros desta natureza;
23. Criação da CINEMATECA DO PARÁ, com estrutura para consulta e empréstimo de acervo, assim como a criação de um banco de memória e da história do audiovisual e do cineclubismo paraense.
24. Estímulo às práticas cineclubistas em espaços urbanos (praças, ruas, feiras);
25. Investimento em circuitos cineclubistas com a produção audiovisual desenvolvida pelas comunidades paraenses;
26. Fomento aos circuitos cineclubistas itinerantes;
27. Estímulo à produção e difusão cineclubista de filmes destinados ao público infantil;
28. Estímulo à produção e difusão cineclubista de filmes que tenham como tema as comunidades tradicionais;
29. Uso da licença “CREATIVE COMMONS” como política de fomento à produção audiovisual;
30. Distribuição em “CREATIVE COMMONS” dos produtos audiovisuais resultantes de fomentos estatal;
31. Fortalecimento de experiências cineclubistas desenvolvidas no âmbito da administração pública, como o CINE-UEPA, CINE-EGPA, CINE PEDRO VERIANO, SESSÃO CULT, e outras;
32. Investimento para o MAPEAMENTO da produção audiovisual e das práticas cineclubistas paraenses.

ENCAMINHAMENTOS:
• Apresentação e discussão da CARTA ABERTA DO MOVIMENTO CINECLUBISTA DO PARÁ com os gestores da administração;
• Divulgação CARTA ABERTA DO MOVIMENTO CINECLUBISTA DO PARÁ por todos os meios possíveis;
• Convocação do movimento cineclubista paraense para a instauração da Comissão Organizadora da JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES, com designação de autonomia para desenvolver uma proposta estrutural de realização da mesma, conforme pauta já discutida e definida coletivamente por este movimento, e pactuada por todos os setores para o dia 11 de setembro de 2009, às 15 horas, na Casa da Linguagem.
Independentemente destas propostas que formulamos para que as mesmas sejam levadas ao debate da sociedade e apresentadas aos gestores das instituições públicas culturais bem como a empresas que têm responsabilidade e compromisso com a formação da comunidade, a CARTA ABERTA DO MOVIMENTO CINECLUBISTA DO PARÁ está aberta para novas adesões e construção de novas propostas.

Belém, 19 de Agosto de 2009

Assinam a CARTA ABERTA DO MOVIMENTO CINECLUBISTA DO PARÁ
Cineclubes:
1. CINECLUBE ALIANÇA FRANCESA
2. CINECLUBE AMAZONAS DOURO
3. CINECLUBE ARGONAUTAS
4. CINECLUBE CENTRO CULTURAL BRASIL ESTADOS UNIDOS (CINE CCBEU)
5. CINECLUBE CINEMA NA UTOPIA
6. CINECLUBE CORREDOR POLONÊS
7. CINE MÃE NANGETU
8. CINECLUBE REDE APARELHO
9. CINE MOCULMA
Projetos:
10. PROJETO AZUELAR
11. PROJETO CINEMA DE RUA
12. PROJETO IDADE MÍDIA
13. PROJETO MAZAGÃO
14. PROJETO RESISTÊNCIA MARAJOARA
15. REVISTA PARÁ ZERO ZERO
Organizações:
16. ARGONAUTAS AMBIENTALISTAS DA AMAZÔNIA
17. ASSOCIAÇÃO PARAENSE DE JOVENS CRÍTICOS DE CINEMA (APJCC)
18. CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO POPULAR (CEPEPO)
19. COLETIVO MARGINÁLIA
20. FÓRUM DOS POVOS E DAS COMUNIDADES TRADICIONAIS
21. INSTITUTO NANGETU DE TRADIÇÃO AFRO-RELIGIOSA E DESENOLVIMENTO SOCIAL
22. MOVIMENTO CULTURAL DA MARAMBAIA – MOCULMA
23. PONTO DE CULTURA ANANIN
24. PONTÃO DE CULTURA REDE AMAZÔNICA DE PROTAGONISMO JUVENIL
25. CRN – CIJNECLUBE REDE NORTE

Cineclube Vila das Artes / Fortaleza, CE

Em todas as quartas do mês de março o Cineclube Vila das Artes traz uma seleção de filmes que vai do espanhol Luiz Buñuel ao mestre do western americano John Ford. As sessões acontecem às 18h30, na Vila das Artes. A entrada é gratuita.

O Cineclube tem o objetivo de criar um espaço de debate sobre filmes de arte de conceituados cineastas. A cada semana, a Vila traz um pesquisador, cineasta ou professor para conduzir o bate papo com o público. O Cineclube também é uma atividade do Curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes. O Vila fica na Rua 24 de Maio, 1221, Centro, é espaço de formação, produção, pesquisa e reflexão em arte.

Programação:

> Dia 10
M – O Vampiro de Dusseldorf. Direção de Fritz Lang (1931).
No final da década de 20, um assassino de crianças aterroriza uma cidade alemã. As ruas ficam cheias de policiais e isso ameaça as atividades criminosas que aconteciam na cidade. Os bandidos organizam-se e capturam o assassino, levando-o para um julgamento conduzido por eles.

> Dia 17
Cidadão Kane. Direção de Orson Welles (1941).
Conta a vida de um magnata da imprensa, visivelmente inspirado em William Randolph Hearst. Welles usou velhos recursos cinematográficos como flashbacks e incorporou inovações impressionantes para a época, como a narrativa não linear e ângulos de câmera inusitados. Este filme ainda é um ponto de referência para a evolução da linguagem cinematográfica.

> Dia 24
No Tempo das Diligências. Direção de John Ford (1939). 97 min.
Atravessando o Arizona numa diligência, um grupo se envolve um diversas lutas e aventuras – inclusive enfrentando índios guerreiros. John Ford é considerado o pioneiro dos western americano.

Serviço:
Cineclube Vila das Artes, todas as quartas de março na Vila das Artes, rua 24 de Maio, 1221, Centro.
Informações pelo telefone: (85) 3252-1444.
Grátis.

Cineclube Vila das Artes / Fortaleza, CE

Em todas as quartas do mês de março o Cineclube Vila das Artes traz uma seleção de filmes que vai do espanhol Luiz Buñuel ao mestre do western americano John Ford. As sessões acontecem às 18h30, na Vila das Artes. A entrada é gratuita.

O Cineclube tem o objetivo de criar um espaço de debate sobre filmes de arte de conceituados cineastas. A cada semana, a Vila traz um pesquisador, cineasta ou professor para conduzir o bate papo com o público. O Cineclube também é uma atividade do Curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes. O Vila fica na Rua 24 de Maio, 1221, Centro, é espaço de formação, produção, pesquisa e reflexão em arte.

Programação:

> Dia 10
M – O Vampiro de Dusseldorf. Direção de Fritz Lang (1931).
No final da década de 20, um assassino de crianças aterroriza uma cidade alemã. As ruas ficam cheias de policiais e isso ameaça as atividades criminosas que aconteciam na cidade. Os bandidos organizam-se e capturam o assassino, levando-o para um julgamento conduzido por eles.

> Dia 17
Cidadão Kane. Direção de Orson Welles (1941).
Conta a vida de um magnata da imprensa, visivelmente inspirado em William Randolph Hearst. Welles usou velhos recursos cinematográficos como flashbacks e incorporou inovações impressionantes para a época, como a narrativa não linear e ângulos de câmera inusitados. Este filme ainda é um ponto de referência para a evolução da linguagem cinematográfica.

> Dia 24
No Tempo das Diligências. Direção de John Ford (1939). 97 min.
Atravessando o Arizona numa diligência, um grupo se envolve um diversas lutas e aventuras – inclusive enfrentando índios guerreiros. John Ford é considerado o pioneiro dos western americano.

Serviço:
Cineclube Vila das Artes, todas as quartas de março na Vila das Artes, rua 24 de Maio, 1221, Centro.
Informações pelo telefone: (85) 3252-1444.
Grátis.

Oficina de capacitação para edital de Cine+Cultura no Piauí

1143010948_teia_final_450Além de promover a aproximação e o intercâmbio entre os 112 Pontos de Cultura do Estado, a Teia Piauí 2010, que acontece esta semana em Teresina, no período de 04 a 06 de março, promoverá uma oficina, especialmente voltada para os representantes de Pontos de Cultura do interior do estado que não tenham sido contemplados com as ações do Cine Mais Cultura.

A oficina será realizada nesta quinta-feira (04/03), a partir das 14 horas, na Sala Torquato Neto/Clube dos Diários e será ministrada pelo coordenador do Programa Mais Cultura no estado e assessor técnico da Fundação Cultural do Piauí (FUNDAC), Jairo Araújo e pela assessora técnica, Dilma Andrade.

“Percebemos a necessidade de incluir essa oficina na programação como forma de capacitar os representantes dos municípios que virão para a Teia Piauí 2010 que tenham interesse em incluir seus projetos em editais como o do Cine Mais Cultura que fica com inscrições abertas até dia 12 de março”, explicou Jairo Araújo.

Edital do Cine Mais Cultura

Para quem não conhece, o Cine Mais Cultura é uma ação do Ministério da Cultura – MinC desenvolvida em parceira com o Governo do Estado, através da Fundação Cultural do Piauí – FUNDAC e que tem como objetivo principal a democratização do acesso às salas de cinema no território nacional, além do estímulo à exibição de filmes brasileiros.

Podem concorrer ao edital entidades privadas sem fins lucrativos que desenvolvam ou queiram desenvolver ações de exibição de obras audiovisuais e contribuir para a formação de platéias e o fomento do pensamento crítico, tendo como principal base obras audiovisuais brasileiras.

Serão selecionadas 40 (quarenta) propostas que receberão um kit com telão (4mx3m), aparelho de DVD player, projetor digital, mesa de som de quatro canais, quatro caixas de som, amplificador, dois microfones sem fio, dentre outros equipamentos.

As proposta contempladas poderão escolher um conjunto de até 104 DVDs de obras brasileiras do catálogo da Programadora Brasil (filmes de ficção, documentário e animação em curta, média e longa metragens de todas as épocas, para todos os públicos). O acervo completo reúne cerca de 500 obras organizadas em 154 programas (DVDs).

A inscrição é gratuita e todos os documentos deverão ser enviados pelos correios para a Fundação Cultural do Piauí, Praça Marechal Deodoro, 818, centro, Teresina – PI, CEP 64000-160. Vale lembrar que cada proponente poderá inscrever somente uma única proposta.

Para outras informações entrar em contato com a Coordenação do Programa Mais Cultura através do (86) 3223-8664.

PROGRAMAÇÃO

DIA 04/03/10 (Quinta-feira)

14:00h – Sala Torquato Neto: Oficina do Edital Cine-Mais Cultura – Jairo Araújo e Dilma Andrade (Coordenação Programa Mais Cultura / Piauí)

19h00h – Theatro 4 de Setembro – Solenidade oficial de abertura com falas de autoridades.

21h00 – Teatro 4 de Setembro – Apresentações culturais – Dupla de Violeiros (Ponto de Cultura Casa do Cantador) e Teófilo Lima (Ponto de Cultura Ilha Grande).

DIA 05/03/10 (Sexta-feira)

08:30h – Teatro 4 de Setembro – Mesa 1 – Programa Cultura Viva: Conceito e Práxis – Tetê Catalão (Secretaria de Políticas Culturais/MinC) e Tarciana Portela (Chefe Regional Nordeste/MinC);

09:30h – Teatro 4 de Setembro – Mesa 2 – Teias 2010 – Representante da Co ordenação Nacional dos Pontos de Cultura e Jairo Araújo (Coordenador do Programa Mais Cultura/PI – FundaC);

10:30h – Teatro 4 de Setembro – Mesa 3 –  Propostas dos Pontões de Cultura do Piauí – Francisco Pellé (Pontão Harém de Interações Estéticas), César Crispim (Pontão Cultura Viva ao Alcance de Todos), Marcelo Evelin (Pontão Núcleo do Dirceu), Washington Gabriel – WG (Pontão Preto Goez Vive);

11:30h – Teatro 4 de Setembro – Mesa 4 – Comunicação e Cultura Digital: Possibilidades em Rede – Achilles Costa (Profº. Ms. Dep. Comunicação da UFPI) e Representante da CCOM.

12:30h – Almoço

13:30h – Teatro 4 de Setembro – Mostra de Audiovisual Pontos – PI;

14:00h – Teatro 4 de Setembro – Oficina 01: Elaboração de Projetos e Captação de Recursos  – César Crispim  (Ponto de Cultura Resgate das Raízes Nordestinas – Floriano);

– Sala Torquato Neto – Oficina 02 – Execução Orçamentária e Prestação  de Contas – Francisco Pellé (Assessoria Técnica – FundaC);

19:00h – Palco Osório Júnior – Mostra de Artes: Pontos – PI (Audiovisual, Exposição Fotográfica, Teatro, Música, Performances Poéticas);

DIA 06/03/10 (Sábado):

08:30h – Teatro 4 de Setembro – Mesa 5 – Software Livre – Francisco Júnior (Movimento de Software Livre do Piauí), Richardson Santos (Analista da Agência de Tecnologia da Informação – ATI);

08:30h – Auditório IFECT – Oficina 03 – Identidade, Alteridade e Solidariedade – Dione Moraes (Profª. Drª. Dep. Ciências Sociais da UFPI);

12:30h – Almoço;

13:30h – Teatro 4 de Setembro – Mostra de Audiovisual Pontos – PI;

14:00h – Teatro 4 de Setembro – Mesa 6: Pontos de Cultura do Piauí – Experiências, Perspectivas, Desafios – Marleide Lins (Coordenadora da Rede de Pontos de Cultura do Piauí / P+C – FUNDAC) e Dilma Andrade (Coordenadora de Planejamento e Monitoria / P+C – FUNDAC);

Encaminhamentos

17:00h – Apresentação do Regimento e Eleição da Coordenação do Fórum Estadual dos Pontos de Cultura do Piauí – Coordenação: Severino Santos (Gerente Técnico da FUNDAC), Jairo Araújo (Coordenação Programa Mais Cultura/PI – FundaC);

18:00h – Encerramento: Sônia Terra (Presidente da FUNDAC), Chagas Vale (Diretor Ação Cultural da FUNDAC), Jairo Araújo (Coordenador Programa Mais Cultura/PI), Marleide Lins (Coordenadora da Rede Pontos de Cultura/PI), Dilma Andrade (Coordenadora de Planejamento e Monitoria/P+C/FUNDAC), Coordenação dos Pontos de Cultura do Piauí.

19:00h – Palco Osório Júnior – Mostra de Artes: Pontos.PI (Audiovisual, Exposição Fotográfica, Teatro, Música, Performances Poéticas).

ASCOM
04/03/2010 02:49h