Arquivo da tag: ObservaCine

12ª FIKE Festival Internacional de Curtas Metragens

fikeA 12ª edição do FIKE (Festival Internacional de Curtas Metragens) vai decorrer entre 21 e 25 de Outubro, simultaneamente nas cidades de Évora e Beja – anunciou o director do festival, João Paulo Macedo, nesta segunda-feira, 8 de Setembro.

O FIKE 2014 contará entre outras participações, com Patrícia Casey. A produtora do primeiro filme dos Monty Python, “And Now for Something Completely Different”, de 1971, fará durante o certame, uma Master Class sobre produção cinematográfica.

Este ano, inscreveram-se para a pré-selecção no festival, 1004 filmes, originários de 44 países, sendo a Ficção a categoria mais concorrida, com 533 curtas-metragens. A animação com 179, documentário 265 e 27 filmes de outras categorias. Dos filmes inscritos 136 são primeiras obras de jovens realizadores.

O Prémio D. Quixote, um dos galardões a atribuir novamente, será nomeado por um júri da Federação Internacional de Cine Clubes, cuja rede de festivais parceiros o FIKE integra desde 2003.

FIKE1O FIKE 2014 é promovido, como habitualmente, pela Sociedade de Instrução e Recreio Joaquim António de Aguiar, pelo Cine Clube da Universidade de Évora em parceria com a Estação Imagem e Associação cultural bejense Lêndeas d’Encantar.

Esta 12ª edição tem o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) e da Direção Regional de Cultura do Alentejo / Governo de Portugal, Município de Évora, bem como da Universidade de Évora (UE), que desde a primeira hora vem emprestando o seu valioso contributo.

O FIKE – Festival Internacional de Curtas-metragens, integra-se no projecto IMAGINÁRIOS AO SUL, que engloba o Festival de Teatro de Amadores de Évora, o Festival Raízes do Som e o Festival Internacional de Teatro do Alentejo. Organizados pelo Cineclube de Évora, Sociedade de Instrução e Recreio Joaquim António de Aguiar, a associação cultural bejense Lêndias d’Encantar e a Associação Lua Aos Quadradinhos. Um projecto pluridisciplinar, com atuação nos centros históricos de Évora Beja, que visa aliar novas vivências do património através de actividades culturais, formação de públicos, capacitação e envolvimento de outros agentes com a intensificação de hábitos e prática de consumos culturais. Trata-se de uma iniciativa QREN, apoiada no âmbito do INALENTEJO, cujo investimento ascendeu a 216.415,58 Euros, com um cofinanciamento de 151.490,91 Euros.

Évora, 8 de Setembro de 2014

Assessoria de Imprensa

press@fikeoneline.net

O poder e a arte

Orlando Senna*

Orlando-Senna.-Perfil-DiálogosFaltam oito dias para as eleições e não creio que, até lá, apareçam novidades importantes sobre a questão audiovisual, seja nas manifestações do setor, seja nos programas de governo das principais candidatas, Dilma e Marina.

Os artistas, trabalhadores e empresários do ramo fizeram sugestões e reivindicações, as mais recentes no Festival de Brasília (o documento “Por uma primavera do audiovisual brasileiro”, com divulgação na internet). As candidatas não fizeram mudanças no que já estava dito em seus planos de governo, também bastante divulgados e resenhados neste blog, onde dediquei dois artigos sobre o assunto.

fomeentoA minha opinião é que o próximo governo deve fortalecer ainda mais a Ancine-Agência Nacional de Cinema e sua política de expansão da atividade e, ao mesmo tempo, debelar a crise de crescimento da instituição, promovendo ajustes preventivos e cirúrgicos principalmente no que se refere à burocracia; que a prioridade da agência seja a veiculação do conteúdo brasileiro em todas as mídias; que a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura volte a ter importância estratégica e política, com foco na cultura audiovisual e exercendo complementaridade com a Ancine, com foco no mercado; que o novo governo tenha a plena compreensão da importância medular do audiovisual na economia e nas soberanias nacionais no século que vivemos e a inteligência de promover um marco regulatório da atividade, abrangente, contemporâneo e democrático.

E que a aposta maior seja no poder de criação, invenção e coragem de nossos artistas. Disto tive mais uma prova contundente nos últimos dias, participando do 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. A curadoria do festival decidiu selecionar para a premiação oficial apenas filmes representativos da mais recente onda artística nacional, uma geração com novas propostas quando ainda estamos saboreando a onda anterior, o impactante cinema de Cláudio Assis, Karim Ainoux, Sérgio Machado, Marcelo Gomes, Lírio Ferreira, Paulo Caldas, Cléber Mendonça Filho, Hilton Lacerda, Cao Guimarães, José Padilha e outros brilhantes cineastas.

A novíssima onda radicaliza a experimentação estética, abole totalmente os limites entre realidade e ficção, elabora uma sofisticada popularização da linguagem que se confunde com amadorismo (no sentido de fazer com amor), levam ao extremo a incorporação dos baixos orçamentos a essa linguagem, levam o espectador a exageros de risos e lágrimas. “Cinema de risco” ou “o nicho mais experimental do cinema brasileiro”, como definiu o crítico Luiz Zanin. “A estética da sucata”, como disse o ator e poeta Emmanuel Cavalcanti.

A maioria dos novíssimos cineastas são oriundos da baixa classe média e das periferias, alguns da classe média, mas o tema é sempre um Brasil profundo. Não tenho espaço para dizer tudo que me vai na alma sobre essa turma, nem sobre todos os filmes exibidos. Acho que foi mais um Festival de Brasília “histórico”, como outros que aconteceram nesse evento caracterizado pela politização (linguagem é política). O enorme entusiasmo dos espectadores brasilienses e as dúvidas de intelectuais e cineastas veteranos autorizam essa profecia. Sugiro que vocês vejam, o quanto antes, os dois filmes mais premiados pelo júri oficial: a efervescente metáfora Brasil S/A de Marcelo Pedroso e o mix de ficção científica e crua realidade Branco sai. Preto fica de Adirley Queirós, grande vencedor do festival.

Distribuição? O papo dessa turma é diferente. Adirley disse à mídia que seu filme pode ser visto por sete bilhões de pessoas (referindo-se às redes sociais, claro) mas também vai vender cópias nas feiras populares. Grana para produção? É um papo mais diferente ainda. O último ato da turma no festival foi dividir o prêmio de melhor filme, 250 mil reais, por todos os seis concorrentes de longa-metragem. Foi uma comoção na plateia. Nunca coisa igual aconteceu antes no cinema brasileiro, quiçá no cinema universal.

  • Orlando Senna é cineasta e colaborador do ObsevaCine Revista Diálogos Do Sul

29º Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata

29º Festival Internacional de Cinema de Mar del PlataAs inscrições, gratuitas, vão até o dia 31 de julho para curtas-metragens, e 29 de agosto para longas-metragens. O evento acontece em novembro, na Argentina

Estão abertas as inscrições para o 29º Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, na Argentina, que acontece entre os dias 22 e 30 de novembro. O evento propõe a exibição de longas-metragens de todo o mundo, acompanhados de seus representantes, para promover encontros e, assim, contribuir com o desenvolvimento da indústria cinematográfica latino-americana.

As inscrições, gratuitas, vão até o dia 31 de julho, para curtas-metragens, e 29 de agosto, para longas. Os filmes inscritos devem ter sido finalizados após novembro de 2013. Para submeter uma produção à seleção do festival, é necessário preencher a ficha disponível no site do festival e encaminhar um DVD para o endereço indicado no regulamento.

O Festival de Mar del Plata é competitivo. Os filmes brasileiros selecionados para a Seção Oficial podem concorrer na Competição Internacional de Longas-metragens, desde que não tenham sido publicamente exibidos na Argentina; na Competição Latino-americana de longas-metragens, desde que além de comercialmente inéditos na Argentina, também não tenham sido exibidas em outros festivais; na Competição Latino-americana de Curtas-metragens, para filmes com até 15 minutos de duração; além de seções paralelas sem caráter competitivo e retrospectivas.

Filmes brasileiros selecionados poderão solicitar apoio à ANCINE por meio do Programa de Apoio à Participação de Filmes Brasileiros em Festivais Internacionais e de Projetos de Obras Audiovisuais Brasileiras em Laboratórios e Workshops Internacionais. O contempla produções nacionais oficialmente convidadas a participar 80 festivais internacionais e  projetos audiovisuais convidados para 27 laboratórios ou workshops ao redor do mundo. O apoio para o Festival de Cinema de Mar del Plata consiste na confecção de cópia legendada para o festival, no envio da cópia e em um subsídio financeiro para promoção do filme. Para mais informações, acesse a página do Programa de Apoio.

O festival é organizado pelo INCAA – Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais da Argentina,  credenciado pela FIAPF – Federação Internacional das Associações dos Produtores de Filmes. Para mais informações sobre o evento, acesse o site oficial do 29º Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata.

 

Circuito de Exibição Marcas da Memória

Memórias reveladas 5A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça realiza na semana de 07 a 13 de abril de 2014, em todo o Brasil, exibições dos filmes que financiou as edições através de seus editais, sobre o tema das violações de direitos humanos por crimes de lesa humanidade praticados por agentes de estado durante os regimes autoritários e militares que vivemos no Brasil ao longo do século XX, com destaque para o período compreendido entre 1964 e 1985.

Para execução da tarefa, a Comissão está contactando produtores culturais, cineclubistas, cineastas, centros culturais comunitários, escolas, instituições de direitos humanos e de memória, propondo-lhes que na respectiva semana realizem essas exibições. Os filmes serão enviados a cada parceiro pelo correio. Para receber os filmes será necessário que o interessado remeta seu endereço para correspondência para o e-mail da coordenadora geral da atividade, Rosane Cavaleiro (rosane.cruz@mj.gov.br) ou que entre em contato pelos telefones  (61) 2025-9470 e/ou (61) 9167-4347.

Embora a primeira rodada de exibição dos filmes deva ser concentrada na semana de 07 a 13 de abril, as exibições podem ser feitas por tempo indeterminado.

A Comissão solicita ainda que, havendo possibilidades, os pontos de exibição registrem as atividades promovidas, já que os organizadores pretendem que estes registros façam parte da documentação e do acervo permanente do Memorial da Anistia que está sendo construído em belo Horizonte, MG.

Para maiores informações sobre o projeto e os filmes que estão sendo disponibilizados, CLIQUE AQUI!