cineclubismo na paraíba

Política Nacional Cineclubista hoje em João Pessoa

Por Zonda Bez

A formatação de uma política nacional de divulgação e incentivo a criação de cineclubes em todo o Brasil, inclusive com apoio do Governo Federal, é o tema do encontro desta sexta-feira 29, às 17h, no mini-auditório do Sesc Centro em João Pessoa.

A conversa será conduzida por Hermano Figueiredo, vice-presidente do Conselho Nacional de Cineclubes [CNC] e da Associação Brasileira de Documentaristas [ABD nacional], que está em João Pessoa desde
segunda-feira ministrando uma “Oficina de Cineclubismo”, onde já desenvolve a nova perspectiva que se abre para o movimento em todo o Brasil.

Nesse encontro, Hermano Figueiredo também falará da primeira estratégia de ação ‘global’ do CNC, que envolve João Pessoa e o interior, além de todas as outras capitais brasileiras.

Segunda-feira, Julho 25, 2005

[ COMEÇA HOJE A OFICINA DE CINECLUBE ]


desenho de jeff soto

Tem inicio hoje, logo mais às 15h a “oficina de capacitação em cineclubismo”, voltada para organizadores de cineclubes no Estado da Paraíba e para a formação de multiplicadores do ideal cineclubista. O ministrante é Hermano Figueiredo, vice-presidente do Conselho Nacional de Cineclubes. A oficina segue até sexta, 29. É uma realização ABD-PB em parceria com a Funjope e com o apoio da UFPB/Prac/Coex e SESC Paraíba.

Serviço:
Realização: ABD-PB e Funjope
Parceria: UFPB / COEX, SESC João Pessoa.
Data: de 25 a 29 de julho
Horário: 15h às 18h
Local: mini-auditório do SESC

Programa da oficina:
Uma abordagem cineclubista

1 – Cineclubismo no Brasil, um movimento plural.
Histórico, perfil, demandas e perspectivas.
– O conselho nacional de cineclubes.
– Organização e representação política dos cineclubes Brasileiros
– O Brasil na federação internacional de cineclubes
– A articulação Ibero – Americana.

2 – A reprodução de imagens
Das pinturas rupestres ao advento da fotografia

3 – A imagem em movimento
Do teatro de sombras ao cinematógrafo

4 – A formação de uma linguagem.
Dos primeiros registros a uma sintaxe audiovisual.

5 – A análise do filme.

6 – A arte de programar filmes.

7 – Instigando o debate.

8 – exercício prático.
Expressando-se por imagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

FILMES SÃO FEITOS PARA SEREM VISTOS!

Pular para a barra de ferramentas