carta da maré

Carta da Maré

Por: Divulgação ASCINE /RJ em: Qua 04 de Jul, 2007 06:09 PDT (3256 Leituras)

(6973 bytes)

Editar Imprimir Remover
O Fórum de Experiências Populares em Audiovisual, que deu origem à carta, aconteceu dentro do Festival Audiovisual Visões Periféricas realizado no Rio do dia 06 a 17 de Junho e reuniu produtores, realizadores e instituições de formação audiovisual das periferias de todo o Brasil.
Nos últimos cinco anos, em todas as regiões do Brasil houve uma ampliação de experiências de formação audiovisual ligadas aos espaços populares. Esse crescimento evidenciou a necessidade de encontro e diálogo para identificar estratégias de fortalecimento dessas iniciativas, possibilitar a troca de experiências e dar visibilidade a essa diversidade de olhares.

A periferia se representa pela multiplicidade de olhares diferenciados sobre sua história, memórias e tradições, sobre a vida e a experiência das pessoas, sobre aspectos poéticos e sutis que lá encontram sobre o outro lado dos fatos e da notícia e sobre a crítica à maneira como a mídia convencional mostra as coisas. Entendendo periferia como representações próprias, que podem se colocar como um contraponto à visão imposta pela mídia convencional – que revela esses lugares como violentos e separados do resto da sociedade – caso conquistem espaços de exibição públicos, ampliando seu alcance.

Não existe, de forma alguma, uma representação da periferia a partir dos que lá estão produzindo, mas muitas e diferenciadas representações, todas válidas e necessárias para o grupo que se expressa. O principal na diversidade das produções audiovisuais brasileiras, tal como em qualquer produção artística, é o que leva a pensar, tanto quem cria, como quem assiste.

A Carta da Maré sai do Primeiro Fórum de Experiências Populares em Audiovisual que aconteceu no dia 09 de junho de 2007, no Rio de Janeiro, dentro da programação do Festival Visões Periféricas. O encontro reuniu 42 iniciativas de um universo estimado em cerca de 200 grupos que desenvolvem trabalhos na área do audiovisual. O Fórum evidenciou a necessidade de um reconhecimento público dessas produções periféricas, bem como adequações das políticas públicas para essas expressões populares. Assim, escrevemos essa Carta Aberta ao Ministério da Cultura com nossas propostas sobre os temas formação, produção e difusão do audiovisual pelo Brasil.

PROPOSTAS

1. Alterar a política de financiamento, distribuição e exibição das produções, para que o audiovisual popular possa ser amplamente divulgado, possibilitando à sociedade contato com outras visões, diferentes das que assistem diariamente em filmes, programas de tv e noticiários;

2. Criar editais públicos adequados aos núcleos populares (ong`s, oscips, coletivos, etc…) de formação audiovisual com dotação orçamentária específica para cada região do Brasil (regionalização da produção). Esses editais devem promover a diversidade sócio-cultural de cada região. Para isso, propomos um diálogo com as instituições que desenvolvem trabalho nessa área, de modo a que se considere a importância dos processos educativos, as especificidades dos grupos/sujeitos, a continuidade e sustentabilidade das ações, os critérios de avaliação, a distribuição dos produtos, etc;

3. Demarcar a TV pública e a Programadora Brasil como espaços para divulgação das produções periféricas, democratizando o seu perfil e imprimindo uma visão regional;

4. Reivindicar contrapartidas das TV`s públicas e comerciais no sentido de co-produzir obras a partir dos núcleos populares de formação audiovisual;

5. Incentivar a formação de platéias para o que é produzido pelos núcleos populares de formação audiovisual através dos cineclubes, escolas e espaços de exibição alternativos, festivais e mostras;

6. Apoiar o Fórum de Experiências Populares em Audiovisual (FEPA), no sentido de torná-lo uma atividade itinerante, representado em diferentes eventos de audiovisual do país;

7. Criar um espaço de discussão para se pensar uma política de educação audiovisual, de modo a agregar os conteúdos e linguagens do audiovisual na escola, a partir de diferentes modos: formação de professores, disciplina própria, atividades complementares, tema transversal, oficinas, gerenciamento de equipamentos, utilização do audiovisual como instrumento pedagógico etc;

8. Fomento à integração das universidades públicas, as instituições de comunicação comunitária e o poder público, de modo a estimular pesquisas e o desenvolvimento de ações, especialmente no campo da formação de comunicadores e educadores.

9. Contribuição na construção de um portal nacional com produções audiovisuais que saíram de oficinas e projetos afins com o público de periferia.

10. Desenvolver uma política de educação audiovisual, de modo a agregar os conteúdos e linguagens do audiovisual na escola, a partir de diferentes modos: formação de professores, disciplina própria, atividades complementares, tema transversal, oficinas, gerenciamento de equipamentos, etc

Rio de Janeiro, 10 de Junho de 2007

Assinam esta carta as seguintes instituições e coletivos;

Observatório de Favelas/RJ

Cinema Nosso /RJ

TV Morrinho /RJ

Ascine / RJ

ABD&C / RJ

Cinemaneiro /RJ

Bem TV/RJ

Rede Jovem de Cidadania (Associação Imagem Comunitária) /MG

Juventude de Atitude (Associação de Imagem Comunitária) /MG

Favela é isso aí / MG

Kinoarte -Londrina /PR

Associação Quilombola de Conceição das Crioulas-PR

Movimento Cultural Arte e Manhã – Caravelas /BA

Auçuba – Comunicação e Educação- Recife /PE

Vídeo nas Aldeias-Rio Branco/AC

Festival Um Amazonas /AM

Amacine Futuros Cineastas / AM

Ação Jovem Indígena /MS

Anthares Multimeios /SP

Associação Kinoforum /SP

Cinema de Guerrilha / SP

Instituto Criar de TV e Cinema /SP

Ong Ação social Pankararú /SP

Aldeia-Fortaleza /CE

Associação Cultural Faísca -Riacho Fundo/ DH

Centro de Referência Undergrond-DH

Rede terceiro Setor /Rj

UFRJ /RJ

Oficina de Imagem/Rj

Estavam presentes no Fórum e na construção desta carta:

Fabiana Santos,Douglas dos Santos,Anderson Craveiro,Kelly Martins Oliveira,Jacó Galdino,César Maurício,William Alves,Franklin Costa,Michela Albuquerque,Junior Rodrigues,Danielle Almeida,Martinho Mendes,Carlos R.S.Moreira,Dario Gularte,Alcir R. Medina,Antônio João Rodrigues,Paulo Júnior Rodrigues,Vicent Carelly,Sérgio José de Andrade,Marilisse Navarro,Josias Pereira, Maná Kuirikui,Michel Brasil,Érika Macedo,
Bruno Vilela,Rodrigo Bouillet,Gianni Puzzo,Christian Saaghard,Francisco,Rodrigo Grota
Fabio Camareiro,Fernando Rodrigues Frias,Gorete Linhares,Mariane Barros, Alexandre Bortoline, Fabio Diaz , Erica Macedo,Maria Daniele Macedo,Gabriel Bortoline,Frederico Cardoso, Daniela Araújo , Regina Bortoline,Tereza Brant , Mercia Britto,Kelly Russo, Marcio Blanco, Bernard Brant, entre outros

Organização:

Idealização do fórum: Marcio Blanco

Coordenação do fórum : Mércia Britto

Mediadores dos grupos de trabalho: Marilisse Navarro, Liliane Lerox, Regina Bortoline, Kelly Russo e Winston .

Produção: Mariângela Carvalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

FILMES SÃO FEITOS PARA SEREM VISTOS!

Pular para a barra de ferramentas