Discursos

setembro 2nd, 2015

Ainda é presente
Dá-me uma propina
É só assoviar
Ruas o que são ruas pessoas e animais ao léu?
As ruas são caminhos não abrigos
E faz frio e chove
Deus me livre
E tem me livrado
Às vezes na minha esquizoidia deixo que se aproximem
Mas sabemos que sem resolver a interna não há como resolver a externa
Nossos índios nossos silvícolas mais pro interior moravam assim no mato
Até dom Manuel inventar o descobrimento
Parece mais uma ditadura colegiada
A frase chega sem esperar porquê
Espero uma surpresa agradável
Não fique muito tonta já é tarde
Pra chegar ao socialismo tem que esgotar o capitalismo
Não ser reverente
Não alagar o molhado
Os federais vão acabar descobrindo que todas as transações são ilegais
Não é o nosso vergonha é o salário mínimo
Não liga não
Não precisa ministério basta uma carteira de cultura na Caixa
Caem-se os dentes ficam as gengivas
Cachimbo a boca entorta
Com o povo pelo povo e para o povo
O que é o Brasil em plena lava-jato um pregoeiro atravessa Copacabana em cantoria para vender vassouras é melhor que panelas
Ao menos aprendi que tem cobrança amigável e cobrança não amigável
Todos somos engajados políticos nem todos politicamente engajados
Nem sempre eu consigo sangue
É errado dizer minha mulher não a compramos mas a gente diz
Essa grita muito
Empresas não são autores pessoas são
Cargos eleitos não são plebiscitários têm mandato popular
Tudo que se demanda depende do Congresso ao Executivo só compete executar
A desburocracia que tanto me orgulho de ter exercido na minha gestão é terrivelmente traiçoeira
Saudade do teu corpo mas não de tuas brigas
Vivemos numa espiral do tempo
Não faço canções de amor não faço canções
Fico me puxando pra ver por onde sigo.

Vagas

agosto 26th, 2015

Chega de besteirol no país
A ditadura massacrou terrivelmente as lideranças históricas do país mais de 300
E em sua ausência os ovos da serpente geraram essa barbárie de oportunistas no Congresso
Consagrou-se de novo o capitalismo mundialmente
Não vão nos botar pra trás
Não retroceda-se
Ninguém se arrependa de nada
A marcha é para a frente
Não sei fazer só sei explicar
Não sei explicar só sei fazer
Arregaça e bota dentro
Arregaça e engole
O efeito 3D é insuportável
O que é o cinema? Complexo demais
O que é um filme? Simples demais
Neguinho inventa um brinquedinho e todo mundo tem que dançar bambolê caraoquê e 3D
A melhor gestão publica na história do país
Imagina nas Olimpíadas
E assim o estado acaba de acaparar-se por completo da atividade audiovisual
Devemos temer o pior porque o ruim é o que vivemos
Os pactos que no passado excluiram só os mais independentes
Agora vão nos excluir a todos nos achaques da burocracia
Depois da roda e da pólvora descobriram que o capitalismo é corrupto
Enquanto a burguesia descobria que a baderna política não é uma boa para os negócios
Cada um sua cruz
É mais fácil o camelo na agulha do que você me desquerer
Não sei o que acontece com você
Conosco deu um jeito agora ficou fácil
E tu vai dizer não pro que eu quiser?
Sou ruim de tempo como o presunto na pizza
Qualquer pivete dá de boa
És bailarina
Geralmente é submissão total
Posso até cuspir em você
Muito mais que o teu gozo vai me valer a gratidão eterna
Falando assim até parece que eu dou conta
Como é que eu posso imaginar você uma mulher sozinha
O miolo do mundo está em chamas
O 2º é só depois do 1º
Meça a lingua.

Orelha para Miguel

agosto 14th, 2015

Do nordeste ao planalto central do país. Quantos fizeram esse caminho. Foi pra fazer cinema e de cara filmou a bárbara invasão da Universidade de Brasília a câmera na mão. Documento fremente daquele tempo carrasco.

No cinema o que fica fica guardado quase para sempre. Até hoje assistimos as primeiras cenas mais que centenárias nem todas as que restaram ficaram. E fica o registro do que vamos vivendo. E do cinema que fomos aprendendo a fazer.

Veio de Brasília lá e cá com o mestre Nelson Pereira dos Santos em Niterói na UFF-Universidade Federal Fluminense. E aqui fez seus filmes com os colegas, estudantes e amigos desde “Corpo de Delito” do Nuno Cesar de Abreu, e mais os seus até o nosso “doc.Santeiro”.

Em seu mestrado apresentou um belo trabalho sobre Mário Carneiro ambos fotógrafos. E agora nos dirá o que há com os documentários no país. Dura a caminhada mas hoje vê-se o cinema espalhado brotando em todo o país. Isto é vitória. Quem viu quem verá.

O que falta ainda estamos a trabalhar. Um primeiro passo mais um mais outro um primeiro filme mais um mais outro um primeiro livro mais um mais outro um primeiro tudo mais um mais outro.

Seu nome é Miguel Freire.

 

Sergio Santeiro

Cante Ana Terra

agosto 14th, 2015

O que faz uma pessoa encaminhar-se ao caminho das artes

De repente aquele mister nos desperta sensações afinidades intenções

Pode ser como a vi fazer buscar a palavra na sonoridade parece que ela já está lá adormecida esperando pra ser revelada

E ela a palavra precisa caber sem esticar a nota e sem engolir a sílaba

Parece a palavra com uma dançarina

Quem lapida a pedra não precisa fazê-la

Trata-se de chilrear com ela

Convidá-la a dançar na melodia a que faz jus

E tem também  ritmo a pedra que se lapida não se pode quebrá-la é pra caber no tempo de seu cintilar

É o justo corte o justo talho no tempo 1, 2, 3

E tem que fazer sentido sensório mas significativo

Cada canção é exemplar

E nela se juntam as palavras as sensações as afinidades as intenções

Há algo que se precisa cantar para ao povo encantar

Não é pra ser servil não é pra bajular

Serve para refletir a vida como numa dança

Faz bem a quem faz faz bem a quem ouve

Dá-nos o consolo da semelhança

Faz-nos ver o compadre e a comadre identificarmo-nos quando a canção se ouve juntos

Juntos até sozinhos

Fazemos parte ao acompanhar letra e música

Cada um faz seu trabalho e como cada um não faz todos permite que cada um faça o seu

É um trabalho

O trabalho é inerente à condição humana

E ao trabalharmos ganhamos o direito ao respeito de todos

Todos os trabalhos se equivalem

Mas na desordem social em que vivemos não se respeita o trabalho

E uns mais que os outros não admitem tolerar a injustiça

Ninguém deve tolerar o desrespeito ao seu labor

A poeta além do poema reconhece-se na defesa do seu e do trabalho de todos

Sim o que fazemos individualmente representa o espírito de nosso tempo

E nosso tempo exige respeito

Ninguém pode ser dono do trabalho alheio

Defender o seu direito é defender o direito de todos

Exigir o respeito ao trabalho de cada um é exigir o respeito a todos

Isso traz problemas na verdade são soluções

Já no seu enunciado as soluções estão contidas

É como descobrir as palavras adormecidas na música

Ao tempo em que mais vai se apurando sua arte mais vai se apurando seu discurso

Que seja um bordão um estribilho a desordem não se admite que prevaleça

Bate-se tantas vezes quanto necessário para ajustar-se a palavra lapidar-se o sentido

Exigir-se o respeito ao nosso trabalho

E todos os trabalhos se equivalem

O cantor o menestrel a menestréia não se curvam à desordem

Ela canta na terra

 

Sergio Santeiro

Nadas

agosto 12th, 2015

O sucesso comercial da música não empana o brilho do cinema autoral
Às veiz eu drumo
Não me leve a mal porque não sou o tal
Supôr
Filhotes de gorila aqui não é republica de bananas
Não gosto de ninguém grudado em mim
Os que não fazem querem mandar nos que fazem
Nada vale mais que ser presente
Ah se eu me amofinasse
Ninguém é melhor que ninguém
A esquerda desunida será sempre vencida
Quando muitos conversam a conversa é muita
Sou todo ouvidos para ouvir sim
Tens um jeito despachado de andar
Não adianta bater panela use a cabeça
Poemeto da hora:
Quem elegeu o jurista
Jurista é quem saca de juro
Só se for sem jaez
Perjuro
Esconjuro
Quem elegeu a panela
Contra o mal uso
Panela é pra botar comida nela
Bata com a cabeça
Jahé!
Genial: enquanto a direita espanca a sua o PT enche de comida a panela do povo brasileiro
Energizado sabes por que e por quem
Aquele velho adolescente em 3D
Onde não estou não sei de nada
Corpo dócil e espírito rebelde inspira algo
E malgrado o pouco espaço em nossas telas nossa arte é eterna
Em todo o canto vale o canto
Não é pra bater é pra botar
A gente morre mas fica vivo
O homem é o que goza em você
Eu vi os meus líderes nos 100 mil por que não estão no poder?
Não posso nem pensar
Também sou maluco e tô vivo

Baganas

agosto 5th, 2015
Acho que devia-se começar a cumprir a lei do curta com os filmes do ano um vasto repertório da atualidade indicados pelo estado de origem
É muita areia o cego desconfia
Nem ela nem a vida são de se jogar fora
Enchi meu tempo
Não vale pregar no deserto
Desorientado
É tão grande a batalha que não se pode parar
A nossa geração a de 64 a 68 é insurgente
A moça não sabe dizer não
Por isso é que tá tudo tão bão
Nus quando ao mundo viemos nus quando ao mundo deixarmos
Primeiro tu faz a gata depois ela te faz
Entre o ser e o nada a vida rola
Primeiro ela faz na tua cara depois tu faz na cara dela
Só não dás o que não tens
Muita coisa me escapa
Só me preocupa o que ao meu alcance está
Não é que eu seja muito inteligente é que não sou muito burro
Nem sempre estou lá nem sempre estás cá
Não deixe pra ninguém o que tu mesmo podes fazer
Não acredito no que me dizem só acredito no que me fazem
Não é querer é poder
O poder da imagem é a imagem do poder
O primeiro passo é confiar no outro
Cada um tem seus jeitos e manias
Contrariar quem há de
Para um bom corte é preciso uma boa faca
A autodisciplina liberta
Pra ninguém eu digo amém
A política de cultura no país: dirigismo
A vida não cabe no verso
E nem ele nela
E eu não sei?
Há gosto
Se esquecer não vou lembrar
Nóis num perde o rumo
Nem o prumo
N
Ã
O

 

Rasgos

julho 22nd, 2015

Nada que uma panela cheia não resolva
Dedicar-lhe mais é melhor que dedicar-lhe menos
Não me viro não me mexo o que vier eu faço
Parece mas não sei se quero
O dia mal começou vamos ver como começa
Às vezes sim às vezes não talvez
Tal vez lembra coisas inesquecíveis
O dia em que atravessei o Rio na minha contrapedal
O tempo em que se dormia nos terraços
Aceita enquanto quente
Fazer o que sempre se faz
E há o terceiro olho
Atrás de um sorriso geralmente vem um troco
Quem quer um troco pra se fazer de toco
Eu só deixei ligado
A curva se for completa te deixa onde estavas
Ele sabe que você é minha?
E você sabe?
Quem mais quiser acertar vai ter que conformar-se ao errar
O que não é possível não se faz
Apenas um não aguenta mais de uma
Não me diga o que não quero ouvir
Quantas contas se deve pagar
Até quando se deve engolir
O trabalhador não vende sua força de trabalho ele é roubado
Tem as que dão mas empurram você pra trás
Traduzindo o Corcovado: coração aonde vou?
De delação em delação não se ganha eleição olha o município aí gente
E pra quem quiser há de ser como sou
Não sou assado não sou assim
Sou como sou indiferente ao que pensem ou queiram de mim
E quanto menos melhor
Não tenho mais tempo a não ser divagar devagar
Vem assim meu bem faz assim meu bem
As gerações tendem a se opor
Melhor do que estar a perigo
Não me criem problemas sem solução
Fiquei mais caprichoso não me enfio em qualquer buraco
Não se aborreçam comigo eu passo a vida estonteado
Não penso o que vejo o que vejo eu vejo.

Troças

julho 15th, 2015

A alma do capitalismo não é executar a dívida é cobrar juros
Espalhem-se mas não se percam
Não queiram nos opor achando que alguém é melhor
Mete de dentro que eu meto de fora
Não basta comer tem que gostar
De você guardo pedaços e já tá muito bom
Como é bom ver uma menina linda ao longo do seu dia
Queres ser minha ama ou que eu seja teu amo
Se não curtes o que o teu país faz teu país não irá curtir o que fazes
Desfoca o federal e bota zoom no município
Avança frente de esquerda e garante em 16 os municípios
É só no ato
Não sou o que digo que sou
Digo o que acho que sou
Se não começar não começa
Não há como fazer o de agora antes
Às vezes digo que vou mas não vou
Carrego na bagagem uns trinta filmes e algumas centenas de páginas escritas
Não padeças pois não me compadeço
Se eu quisesse mas não ia ser por menos
Jurista é quem saca de juros
Se for longe não se escuta
Primeiro te cuida e diminui a taxa de emoção
Se a coisa se resolver o melhor é descansar
E se não é ainda melhor
Quero um alguém que sempre diga sim e nunca diga não
Respeito a tua alma de formiga mas eu tenho alma de cigarra
Eu não me sinto mais mas não me sinto menos
Mesmo sem você eu sou feliz
Não acredito que a tua é a real
Viva a meus joelhos
Mesmo sem o governo cumprir a lei o curta vem chegando
Não preciso de licença pra pensar
Se insistir acho que rola
A questão não é o que cada um faz
Mas se queremos ficar um com o outro
Abalroado pela intrépida paixão e de onde isso veio
Mais palavras não resolvem o drama
A minha vontade baila
O meu pé escorrega

Festas

julho 7th, 2015

Houve a tentação de beijar
Considere-se beijada
Valeu
Uma rapidinha não vai?
Não sei e se soubesse não faria
Tudo é estrada
É melhor com paixão que compaixão
É pegando o jeito
Há que exercitar
É vantagem é vantagem ter a gata alimentada
A gata é boa a gata é boa
Nós somos os transgressores
Que maravilha a minha vida não fosse o que nos atrapalha
Você me cansa fisicamente e me cansa espiritualmente
Conjugo o verbo te ter
Esqueci a frase
Me deixa nervoso
O povo brasileiro pagou-me para ensinar não para aprender
A minha adesão é um sinal para que vá em frente
Mando queimar e mastigo o galeto até os ossos
Como eu  me sinto bem em casa
Sou contra trabalhar pros outros
Os temperamentos não se ajustam
Vivo em um tempo que é o tempo em que vivo
Enquanto a cultura se requinta o povo padece
Você perde o seu eu aproveito o meu
Não cumpro ordens
Tantas vezes não sei o que está acontecendo
Preciso buscar o que não tenho
Não me abato com o que se abate em mim
Queres a submissão que não tenho
Lindinha e docemente tirânica
O teu amar é espasmódico o meu gostar é constante
A televisão devia se restringir a fazer novela porque seus noticiosos são piores que qualquer enredo
Gosto de ver minha casa funcionando
E tu é o quê são?
Eu sou um clássico nativo não sou um pós-muderno
Não sou uma extensão da tua vontade
Não sou uma sombra em teu caminho
A mulher interessante tem que ter um espaço em que caiba uma mão.

Iptus

junho 30th, 2015

Recebo uma intimação para depositar em cinco dias num fim de mês a soma de cinco mil dinheiros referente a iptus de 2011 e 2012 atrasados

Impossível

Houve de fato um descompasso nosso nesse pagamento são tantos e desde então venho quitando a todo o mês a cobrança parcelada que me mandam por correio

Terei que conferir os recibos pagos nem sei porque os guardei o de renda declaro e recebo sem papel em todo caso os venho pagando

Posso ter me confundido são tantos não sei porque essa ameaça inopinada de cobrança instantânea

O capital não dá prazos e cobra juros por isso?

Por conta de um atraso de cinco mil querem confiscar um apê de pra mais de milhão que é um bem de família comprado por meu pai na planta nos anos 50 financiado pela Caixa?

Sou um intelectual pós-marxista não sou um insurreto mas também não sou nababo

Reconheço o papel do estado acato a cobrança de taxas e impostos sem pestanejar mas uma execução sumária parece-me injusto

Faço como? Mais empréstimos? Girar as dívidas? Não faço outra coisa desde os vinte anos há cinquenta verei como me virar

E professor universitário agora aposentado que se considera bem pago enquanto houver um salário mínimo sem haver um salário máximo ou o melhor um salário médio universal

Acho que uma jornada de trabalho universal e um salário universal resolveriam todos os problemas da humanidade

Ao mesmo tempo li que o Exército desalojou na marra moradores tradicionais do lugar por força de um desses mandados judiciais espúrios

Os militares são os defensores de nossas vidas

Não podem ser os proprietários privados de suas casernas

Não podem se apoderar do território nacional sob sua guarda

E não podem sobretudo atentar contra a vida dos que estão obrigados a defender

E o Judiciário não pode de novo ser mais um carrasco da nação

Tem que garantir os direitos dos povos previamente a interesses em jogo

Também tem que ser um defensor de nossas vidas

Sinto-me prisioneiro numa conspiração do estado.