Falenas

abril 29th, 2015

Não é pra ir fundo é só no raso
Cinema é projeção
Multiplicar entidades é enfraquecê-las
Flecha só cai no alvo que tem como se proteger mas que lhe cai cai
Saudade da soltinha
A bolsa é que nem pôquer todo mundo blefa
É hora dos municípios se adiantarem é neles que todo mundo mora
Aos que dizem não eu digo sim temos um futuro glorioso pela frente
É um absurdo dar o que é publico para estrangeiro
Ao invés de bater boca com a direita o que se espera é um governo de esquerda
Apreensivos se olham querem apreender-se
Sem reforma agrária não é nem capitalista
Tudo na minha vida é tribuna
Universidade publica mantida pelo trabalhador brasileiro não pode ser usada como cúmplice da invasão pagando filme estrangeiro com o nosso dinheiro publico
Atravessamos a multidão dos anos 60 o deserto
Se disser não uma vez eu insisto mas na terceira paro
Tirei um sarro na esquina e lembrei-me de você
Muita coisa acontece que eu não vejo
Gostaria de ser orgânico
Como resolver os problemas no país empilhando jovens nos presídios?
Quem não confia em ninguém é porque não sabe escolher
O barato da mulher é nos gozar
Se não nos goza fica chata
E se o problema é o parceiro muda de parceiro
É preciso ver o tempo em seu tempo
É difícil opinar sobre o que não vivemos
Quem disse que eu não posso mentir?
Só escuto os mais velhos aos mais novos eu falo
O Brasil é genial substitui o capitalismo pelo estado cartorial
A crise no Brasil é que o povo está comprando mais do que antes
Deves ter sido uma tentação ainda és
Homem e mulher nos encontrarmos deve ser um sério risco para a nossa integridade moral e física
Não sei se sou brasileiro não gosto de carnaval nem entendo de futebol
Brasil país em que doleiro tem fé publica
Você despreza o tomatinho pra picar o tomatão
O Brasil é o melhor país do mundo meuzôvo é demais
Como é possível que coisas tão boas acabem tão mal
Como são boas as marcas deixadas pelo tempo
Nunca foi melhor e melhor será
Vulcões a terra tem um sol dentro de si

Macros

abril 7th, 2015

Se não for muito exigente podes passar aqui e aprender comigo

O que não é fácil não me apetece

Queria ver quem nos 450 teria coragem de decretar o Rio de Janeiro território tamoio

Eu falo em defesa do audiovisual brasileiro em que trabalho há 50 anos vocês que defendem o poder de patrulha do governo falam em nome do quê?

É feio reclamar da vida

Toda a academia conhece os malfeitos que ali se praticam

Quem desdenha quer comer

Não queres comigo um encontro carne a carne

Em 80 radicalizei só filme brasileiro agora só curta

Deixa a presidenta governar se não gostar vota na oposição

Não deixe que te escrevam a biografia viva-a sem pudores

Assediou-me quando assediei reclamou

De tanto mamar tiraram-me o mel da chupeta o que não me impede de mascá-la

Culpa é bom acirra o sentimento da própria

Vivemos a vida o melhor que podemos

Beba do mel e do fel bochecha e engole tudo de uma vez

Ruim é não gostar de si mesmo

Invés de excluir a eles excluem a nós

Se esticar demais a corda ela te enforca

Você sabe o que é fumar maconha o dia inteiro?

Palmas para quem faz a coisa gostosa

Não descrevo escrevo

O conhecimento não pode ser apropriado individualmente porque ele é socialmente gerado

Bens gerados individualmente geram direitos individuais

Até o dia em que me convidares a sair eu te convidarei a entrar

Os ingênuos brincam de roda com o poder entre eles vai surgir aquele que vai brincar com os governos

Ninguém escreve para o depois escreve-se para o agora

As pessoas precisam morrer para serem lembradas

Eu sou bom mas quando acerto sou ainda melhor

Se não se exibir todos os filmes como saber o que os públicos preferem

Arte é fazer o muito com pouco

Não é possível que não se saiba o que atrai homens e mulheres

O marqueteiro me excluiu também nem sei quem me incluiu

Fico aí queimando minha barriga no fogão e ninguém liga pra minha comida

Quando for para todos será melhor

Solta a corda pra ver quem nela se enforca

Uma vez por ano faço um filme cada vez mais curto e morro de rir desses mais longos

Cinema é cachoeira o resto é poeira

Melhorar não melhora piorar não piora melhor não fica

De tanto conversar comigo mesmo acabo me entendendo um pouco mais

Dilémais

abril 1st, 2015

Quando o amanhã chegar será hoje

O país que podia ter sido não fosse o 1o.de Abril

Questão indígena prioridade nacional

Tu faz charme de lá e eu de cá até parece fazer amor

Ando meio destampado

Estranho mundo tantos se arrependem de tantos malfeitos por tanto tempo e ainda querem levar o mundo consigo

Eu me preocupo tanto com dinheiro que é melhor nem preocupar-me

O problema é que os arrebatados acabam arrebatados

Você é como se depois de uma lauta refeição alguém me palitasse os dentes

Só caço borboletas que atravessem minha janela

Por que os policiais negros ou pobres são tão agressivos com a comunidade negra ou pobre

Num carece já esbanja o conteúdo

Você faz tanta bagunça que eu só quero saber o que fazer

Sinta-me à vontade

Minhas verdades são impublicáveis até pra mim

Bonobos

A maior vitória é estar vivo

Gosto da tua rebeldia servil

Bom mesmo não é bater é encher

Não é uma questão de ser só é de só ser

Como sabe todo mundo os recursos hoje existentes resolveriam todos os problemas do mundo falta o quê

É só dar corda e cada um que se garanta

Brasileiro tem preguiça de pegar onda fica só na marola

Nem sei se vou engolir você com a minha boca

Não tô aí pra nenhum xorôrô eu quero é resultado

Brilha pro mundo e ajoelha pra mim

Economia é atender às necessidades da população e não inventá-las

Não quero estar onde não queiram que esteja

Eu dou tudo pra você

Não me ufano porque ao povo afanam

Uma visita inesperada não pode ser tratada como rainha

O triste da vida é depender de terceiros

Você virou um pasto generoso

É bonito brincar com a fêmea é como faz o leão com a leoa

Quem pasta e repasta fica com a melhor pasta

O governo da inclusão social precisa também promover a inclusão cultural

Mulher é um problema de difícil solução melhor deixar por conta delas

O que falta é álcool na comida que sou proibido de usar

Não dá não dá pra revirar o mar

Ela deixa tudo ela não deixa nada

Truques

março 24th, 2015

Ela esfrega a barriga na minha frente mas se eu fizer o mesmo é assédio
Se sede matasse
Não sei fazer o que nunca fiz
Sou contra acirrar ânimos porque eles já são acirráveis por acirração espontânea
Nenhuma ordem judicial pode prevalecer sobre a vida humana
Filmes são inconstantes às vezes reais às vezes irreais
A autocrítica é uma virtude mas atrapalha
Os não eleitos deviam disputar as prefeituras de suas cidades e nelas fazer o que prometem
A Norteamérica é uma democracia peculiar que mascara o autoritarismo que manda seus filhos matar ou morrer longe de casa
Gostaria de te encontrar bêbada num fim de noite no Baixo mas não vou mais lá
Eu vi que tu tava esbarrando na menina
Um baseado e uma bagaceira fazem-me feliz
Se eu ainda tivesse todos os meus dentes de um galeto torrado não sobraria nem poeira
Apraz-me mastigar os ossos da colega
Agradeço a quem me dá sem nada pedir em troca
Você podia ao menos ser delicada
Estou esperando você vir fazer-me a cama
Se é bom me leve junto
Vou te dizer vais me agradecer e fim
Devia-se suspender todas as atividades do planeta enquanto nem mesmo um terráqueo passasse privações
Tudo que se passa no mundo da política é política
Discutir a gestão passada é bobagem porque não podemos mudá-la
O trabalho significa a pessoa
Não é possível que não haja ninguém na cultura brasileira capaz de assumir seu ministério
Vó de renda sem forro nem no forró é prenda
Nada é mais próprio que um conjunto de renda rosa chá no verão do Brasil
É-de-tais é-de-tais fest-e-vais fest-e-vais por que não mostras remuneradas o mais amplo possível
Onde brota brotinho passarinho canta
O que devemos partilhar é barba cabelo e bigode
Lamento a ousadia de quem me veta se tivesse essa ousadia em outras partes
Nenhum de nós concordava com o que o outro dissesse
O novo surge antes do esgotamento do antigo
O melhor do curta é que mesmo ruim não dá tempo de chatear o publico
Só peita na saída
Só acha quem procura
Imagina ter que entender uma língua que não a materna
Cada cineclube pode ser um vietnam
O problema é quem decide o quê?
Pega mal caça às bruxas
O melhor da vida pra mim sou eu.

Perdas

março 18th, 2015

De galho em galho a macacada acaba segurando a pemba
De tempos em tempos emerge um mané pra salvar a lavoura e mete os pés pelas mãos
O barato do novato é meter-se a besta
Só doleiro salva a lavagem de dinheiro e aí a fila é grande
O sistema é tão bonzinho que rouba o salário dos trabalhadores para cuidar do seu lazer
É melhor ofender que ser ofendido
Não se aborreçam comigo eu estou com trauma de recém aposentado compulsório
O Estado não quer saber de velho
Pelo menos posso andar de graça no transporte público
Vou de metrô ônibus e barca até o fim da linha e volto sem me preocupar com os vinte centavos
Quem tá bolado não rebola
Sou e só sou responsável pela minha biografia
O problema da mídia imperial no Brasil é que sua linha editorial é quanto pior melhor
Morrer tô fora só se eu não souber
Marcha da família com deus pela liberdade de insulto
O capitalismo só se mantem vivo graças aos favores do Estado
Até morrer serei um aprendiz
A fé é só uma crença para sair da miséria
Ameaçou sacar saquei primeiro
Ê mundo bão tô cá vou lá não
E fica o cinema brasileiro à espera como cinderela só no sapatinho
O que fazer quando a garotada solerte aplaude o algoz
Estamos de acordo vai ter pra mim
Quero a abelha que engole o mel e poupa o zangão
O Brasil é um país em o qual o governo insiste em descumprir a lei
A invasão de um país por alguém de fora não pode ser tolerada
Não sabes como é gostoso mergulhar a cara o nariz a boca numa selva de pentelhos
Reclamam da gestão mas aplaudem os gestores
Minha tendência é não mexer onde meu braço não alcança
Se me visitar agora corre o risco de ser visitada
Muito pior acontece toda hora nas esquinas do mundo
Nem futeboleiro nem carnavalesco às vezes acho que não sou brasileiro
A prosódia popular vale mais que o dicionário
Melhor covarde vivo que valente morto
Manda uma calcinha usada por sedex pra mim
Como são rigorosas as lições da vida
O único poder que o poder exerce é o de impedir o poder de quem trabalha
Utopia é projeto não é devaneio
Há quem se esforce pra vender chiclete
Mascado

Choldras

fevereiro 25th, 2015

O problema de estar casado é que fica um monte de traste de mulher no caminho
Nada contra
De você só quero a sobra
Eu sei que vocês fazem assim
Bem acionada uma mulher faz prodígios inacreditáveis
Sou a favor de comer as bananas mas não de jogar as cascas no chão
Eu faço o que a natureza manda
Quem quer resolva
Se eu chamar você vem?
Quem me atrapalha sou eu
Não sabia que és grã-senhora pensava que fosses uma gata na encolha
Não quero mais do que me queiram
Cada um só pode responder por si
Velho não corrige velho
Se convido uma mulher ela pode se esquivar mas se é ela que convida
Roubei: alg’umas são um’as
Poucos dos que já filmaram conseguem filmar de novo no Brasil
Como é que meia dúzia de grileiros manda na questão indígena
Ligo não pra quem reproduz o sistema
Não sei na sua mas na minha idade essas declarações de amor são absurdas
A gente encosta desencosta reencosta e é isso aí
Palavras são só pedaços
O povo é atraído e traído
Diz que todo o poder emana do povo mas quando o povo chega perto o que encontra é a polícia
Disse que pensei que fôsse comível
Eu quero é botar no de cima você vai gamar
Com a minha fragilidade aparentemente exposta o que mais conquisto são sentimentos maternais
E que muito me agradam
Mais sôfrego que sofrido
E salve nós que aqui estamos para aqui estarmos
Quase nunca erro mas também não acerto
Quem inventou e decidiu que povos e rios merecem ser destruídos por hidrelétricas
Devia ser proibido remeter para fora os lucros gerados no país
Cedi à tentação de buscar o bem comum
E ela engoliu a coisa toda até o talo
E sucessiva na primeira na segunda e na terceira lábios carnudos a despejar delícias
Uma gata tem três bocas três bocas a gata tem se eu me esquecer de alguma a cobrança logo vem
É a entrega total e que não faz mal
Anima o espírito porque a carne sempre será a mais fraca

Cantigas

fevereiro 10th, 2015

De tanto repetir a besteira ela não se faz verdadeira
Vivo ensaiando para ser mais feliz
Cuidado com a marola que o mar não está pra peixe
Nunca foi não é e quem sabe será
Devemos tratar ao próximo como ele nos trata
Difícil é pensar o todo
Tem que fazer o Estado fazer
Não se faz barraco em casa e nem também no quarteirão
Ainda esfrego o que tenho de meu no que tens de teu
Cadeia é uma coisa péssima e produtiva nunca é
Reforma de base é a municipalização
Não te procuro porque sei te achar
Não me arrependo nem me orgulho lamento
Comédia de equívocos é quando as coisas não são o que parecem ser
Não sei o que se passa enquanto durmo
Uma extraordinária estratégia é desentocar os bichos
Chega um momento que é de lei a displicência
Tem um jeito de mulher tem um jeito de menina
Não faça ao outro o que não queres que te façam
Acho engraçado o descompromisso das pessoas
Então por que me sinto tão compromissado?
E quando me perguntaram se eu era eu fiquei sem graça e disse que sim
Algumas vezes cedi
Se fosse seria fóssil?
Despe a tua nudez
Sou o que posso ser nem mais nem menos
Se beber me dirija
Dívida ou vira investimento ou vira prejuízo
Não me aborreço com coisas pequenas
Na verdade a rede só me serve pra deschavar ou queimar a coisa
Quem tem se preocupa mais do que quem não tem
O comunismo é um ato de fé na plena igualdade de todas as pessoas
Há que ser constante
O de ontem não pode esconder o de hoje
Sei o que queres de mim mas eu não dou
Você beija como eu beijo?
A maior homenagem ao passado é corrigí-lo no presente
Enquanto isto as motosserras devastam as florestas e as pessoas
Os mais novos nada tem a ensinar aos mais velhos
Discussões começam mas não tem como acabar.

Menos

janeiro 20th, 2015

Mais
Desconhecem quem está a seu lado
Pouco se me dá se sou um cão ou um leão
Qualquer um ou um qualquer
Admiro o velho e o novo
Há 10 anos atrás o mundo sabia que eu batia um bolão
Hoje nem bolinha
É preferível a desavença aberta que a dissimulada
Mal não fez mal não faz
Não se tranca a porta ao futuro nem que ele já seja passado
6 empreiteiras faturam o país 5 famílias faturam a imprensa e a isto se chama democracia
Eu acho bonitinho cuidar das calcinhas da casa
Dou-me ao luxo de não fazer o que preciso fazer
Se ela escovou os dentes é porque ela foi namorar
A culpa não é minha
O mundo é engraçado constrói-se à base de massacres e reclama se alguém revida
Gostei muito eu galo na galinha do terreiro
Tenho prazer em dar prazer
Toda vez que você olha pra mim eu sinto como um beliscão
O teu corpo amatronado é meu sonho de consumo
Corrupção é a alma do negócio capitalista
A serpente de duas cabeças uma morde a outra afaga nunca perde
Muitas coisas feitas outras por fazer nenhuma a ser desfeita
Não se consegue viver no agora com a gnose de outrora
O da agricultura é como um boi de piranha
Por uma reforma radical do ensino: é só ensinar a jogar xadrez
Os governos dinheiro as mídias mentiras por que não emitir opiniões?
Lucidez é tudo que se precisa cartilha é tudo que é besteira
Quem tumultua é lacaio do imperialismo
Quem muito fala pouco faz
Sempre há questões de difícil solução
Confio em quem votei
Acham que se revoga o capitalismo por decreto?
Governos não podem ser revolucionários
Com o tempo as mulheres vão ficando diferentes
E os homens não? Não reparo neles
O nosso é um país existencialmente mestiço
Quem se considera de esquerda comece a pensar nas eleições municipais em 16 para não eleger a direita
Eu queria ser clássico
Mas não sou.

Brados

janeiro 13th, 2015

Não adianta querer mais do que se pode
Democracia é uma coisa muito simples é voto
Pé de asfalto não sabe pisar no mato
Bastava-me uma cabocla para me ordenhar de quando em vez
Vai ter que rebolar
Ninguém me autorizou sou folgado mesmo
Prefiro os retornos da pública que os da privada
Se a receita é boa não exagera no sal
Mais emprego mais salário e que se dane a recessão
Amatronada ocupa mais da metade da cama
Envelhecer é um bem triste é morrer cedo
Tudo que eu preciso é de uma negona que já prometeu que só quer esquentar o bule do café
O problema do jacto é que ele jacta-se
Vem dar pra mim
A poesia até calada fala
Num dá trela que urubu magro não pode com cavalo gordo
Pra quem há muito rala ralar não tira pedaço
Nem toda justiça é justa
O país quer voltar ao pré-industrialismo?
Indispensável a governabilidade é difícil
Fosse o bode que a mídia pinta ninguém ia brigar pelo poder
Nem manhoso nem caprichoso ambíguo
Demarco a vida na medida do meu alcance
A vida não tem segredo é só você se fazer presente
Não sou afetado
O Brasil é uma monarquia é cheio de princesas
E não é pra nada não é só pra ser
Vendeu ação e comprou dólar amanhã vende dólar e compra ação
O que pra mim faz diferença pra você não faz
É difícil chamar a si as forças do universo
Os deuses são uma invenção do homem para acreditar no inacreditável
Depois de idas e vindas chega uma hora em que é só contigo mesmo
Nomear o inimigo é fazer-lhe propaganda
Por ser humano às vezes a gente erra
O governo audiovisual inverte o bolsa família favorece os mais favorecidos
É circular as palavras
Pirâmides não servem ao povo é preciso municipalizar o país
Mais que menos e menos que mais
Quando chegar avisa
Faz! Desfaz! Refaz!

Informes

dezembro 31st, 2014

O problema nem é o juro é o que se abjura

Convivi com os grandes sujeitos da minha época e sou um deles

Eu sei de onde vocês vieram esgueirando-se no caminho aberto por nossos filmes e nossa luta política

Renasçam

Os festivais da canção equivalem-se aos nossos de cinema nos anos 60

Fomos massacrados porque somos inconformes

E agora vem vocês meninos perdidos servindo o imperialismo que ocupa nossas telas

E agora são vocês que querem massacrar-nos

Cresçam e apareçam bedéis servis da burguesia financeira

Escrevereis nas vossas tumbas eu traí meus companheiros

Sobrevivemos vereis veremos

Viver é lindo patrulhar o próximo é feio

Beijo os pés de quem me antecedeu façam o mesmo

Vocês não sabem do que estão falando vocês não sabem o que estão matando

A saída é para a frente

Sujeito é quem se sujeita a nenhum sujeito

Para haver manifestação tem que haver unidade de proposta

Quem nada tem a perder pode botar tudo a perder

Os incluídos não querem incluir os excluídos

Quem determina o mérito é o mané do guichê

O problema é que tem muita gente querendo e outra gente não querendo

Não se dança à beira de fogueira

Sinto saudade de quando quase esquartejava a gata

Contra o ôba ôba e pelo obá obá

Pra minha tristeza descubro que não tenho mais energia pra comer o mundo

Pra que nos entendam é preciso aumentar paulatinamente a taxa de absurdo

A partir de domingo é que se espera a segunda feira

Vacilo porque os governos vacilam

O trabalhismo econômico é de direita o trabalhismo social é de esquerda

Para eles o cinema é só uma ilusão para nós é uma sombra da verdade

O bom é o que ela dá sem precisar pedir

Às vezes filme ruim é bom e filme bom é ruim

Não entrego a mão para salvar o pé

Minhas mulheres são compreensivas sabem que não adianta insistir

Sou filho da natureza ela não pode me fazer mal

Só não lava dinheiro quem não tem

Pra que serve os bancos?

A obra realizada tem suas vantagens um dia pinta

Se ficar parado o cão mija no teu pé

Só se for na minha