Mamãe Macaca

Mamãe Macaca.

A minha mãe, a tua, a nossa, a de todos os humanos era uma macaca. Extraordinária a revelação de que o cara estava certo. Andando nestas mesmas plagas que pisamos Darwin tinha razão. Reconstitui-se fóssilmente a espécie africana de 4,4 milhões de anos que superou a anterior Lucy, no céu com diamantes, de apenas 3 milhões de anos atrás. Conseguem imaginar essa quantidade de tempo? Eu não.

 Chamaram-na Ardi, a de pés no chão, um esqueleto, uma fêmea,  um Ardipithecus ramidus, uma espécie que viveu onde hoje é a Etiópia, Mama África. Sem o menor pudor, já que se trata de nossa mãe, copio a matéria.

 Descrita em detalhes em uma edição especial da revista “Science” (deve ter na rede), a espécie é a mais antiga ancestral em linha direta do homem moderno (Homo Sapiens). É a mais velha integrante inequívoca de uma longa linhagem que se estende dos humanos anatomicamente modernos ao último ancestral comum com o chimpanzé, nosso mais próximo parente vivo, com o qual compartilhamos cerca de 99% de nosso DNA.

 Mas Ardi, cujos primeiros fósseis foram descobertos em 1994, ainda não é o elo perdido entre homens e chimpanzés. Este, provàvelmente, viveu entre 6 a 7 milhões de anos atrás. Medindo pouco mais de um metro, cerca de 1,20 e pesando 50 quilos, Ardi tinha o corpo peludo, uma cabeça semelhante à de um macaco e dedos dos pés que permitiam que subisse em árvores com facilidade, (como nós meninos). Suas mãos, pulsos e pélvis, porém , mostra que ela caminhava como um ser humano moderno e não como um chimpanzé ou um gorila (com os olhos à altura do horizonte). Ao todo foram analisados 125 fragmentos de ossos. Havia desenvolvido o bipedalismo e andava ereto.

 Ardi foi encontrada numa vila próxima a Afar Rift, no nordeste da Etiópia, onde muitos fósseis e plantas e animais foram também descobertos. Achados perto do esqueleto, relativamente completo, na medida em que ficaram preservadas a cabeça, as mãos e os pés, indicam que na época de Ardi, aquela região era arborizada. Os caninos superiores de Ardi eram mais parecidos com os pequenos e grossos dentes de seres humanos modernos do que com os grandes e afiados caninos dos chimpanzés.

 Detalhes do crânio indicam que o cérebro estava posicionado de forma semelhante à dos humanos modernos, abrangendo áreas que envolvem aspectos visuais e de percepção espacial  (seus olhos à altura do horizonte).Quando você olha da cabeça aos pés, vê uma criatura que não é nem chimpanzé, nem é humano, é Ardipithecus, diz o pesquisador Tim White, diretor do Centro de Evolução Humana da Universidade da Califórnia, que coordenou a pesquisa.

 Né por nada não, isto é que é ganhar a sede da Olimpíada. O homem é africano. Acho difícil entender que nós todos os 4 bilhões que somos no planeta com todas as nossas espetaculares diferenças inclusive físicas viemos de uma só origem, certamente não uma mas pelo menos duas criaturas: um e uma. Mas olhando nos seus olhos, nos da imagem reconstituída, carinhosos, de dentro de mim exclamo reconhecido: Mamãe!

 Sergio Santeiro (santeiro@anaterra.mus.br)

Comments are closed.