Pérolas

Pérolas ( de Sergio Santeiro)

Meio barro meio tijolo meio ostra meio catarro

Um dia não emenda em outro tem a noite de permeio

Quem dá ganha quem não dá perde

Destratou perde o trato

Se acabar acabou

Se não tem não faz falta

Pássaros  voando nenhum na mão

A minha não é a tua

Pérola tem a boca nacarada é um suspiro

Não basta falar tem que se mostrar

Ei, a mulher é minha! Não mais, disse ela

Um dia, maravilha, no outro, tormenta

Aguentar, quem aguenta?

Ao chutar o balde escancara-se

As palavras não dizem o que querem, dizem o que queremos

De tanto cismar fiquei cismado

Esperar que melhore piora

Apanhou? Apanhei. Bateu? Não bati só apanhei

Eu nunca peguei em você

O melhor é introspectar-se

A maré não tá pra peixe tem salmão na contra-mão

Queria uma gatinha que me faça carinho sem me perguntar nada

Tudo custa e gasta dinheiro

E lá vem ela montada no tortuoso cavalo da vingança

Uma aveludada espada cruza

Do jeito que está eu tenho que partir desesperadamente em busca do equilíbrio

Já comi bastante deixo o resto pro resto da matilha

Não se abafe não se afobe

O que eu pensava não é o que hoje eu penso

Fiel ao amante não ao marido

Se os humanos fôssemos pra ser ricos nasceríamos cada um com seu saco de ouro

A gente faz o castelo pra megera ela nos tranca nele e acha pouco

Tépida intrépida perdi

Vi passar não me viu passou

É melhor ter uma em casa que pegar  na rua

Só sinto falta é do teu corpo à noite, de manhã e à tarde

Ninguém fez mais no mundo por você que eu

Vivo muito bem sozinho principalmente porque sempre sobra um par de pernas entre as minhas

Comments are closed.