Lamúrias

Pobre do zangão é o seu ultimo ato

O amor traiu-me não estava onde eu o havia posto

A tiquira acabou, infelizmente, mas o preto não, felizmente

Eu sou zen

Deixei de ser interessante

Flertei no bar mas não levei

Nem tudo flores nem  tudo espinhos  há o caule

Não me force a ser vulgar

O que é interessante me interessa  o que  não é me atrai

Cansou do meu cheiro não reclamo

Não deixo resto no prato

Brinco o ano inteiro no carnaval descanso

Talento fosse bom seria rápido

Nada a fazer senão refazer

Elas não ligam pra mim

Três é o ideal é minimamente variável

É preciso a casualidade

Carne sim é bom sempre

Prefiro algo mais elástico

Transformar transformando-se

Não queres passar a noite comigo?

Amargar o amargor do amargo

Não quer me dar o seu?

Mulher que trai é vagabunda homem que trai … é vagabundo também

Só me falta um lombo amigo

Toquei uma bronha em tua homenagem

Não é específico é genérico

Ninguém precisa de mais todo mundo precisa de menos

Dou-te o  quanto aguentares

Quanto mais visto melhor

Morri de vergonha ao ser expulso de casa

Tão linda assim logo de manhã

É necessário empurrar os limites do permitido

De íris na íris delírios

Já vi no que isso vai dar

Vagando em vão

Vamos ver se hoje eu consigo

Agora que  tô solto é que periga

Penso em você

Amassei os peitos da menina eles não se amassam

Assim não dá eu sou romântica

Eu dentro de  ti

O perfume que entra no meu quarto à noite podia ser você

Diga sim não diga não

Mais vale o que menos atrapalha

Pode ser o suficiente mas não o bastante

Por que preferir os desencontros?

Dou mas não sou fácil

Se você não quer nem eu

Acertei o tiro mas errei o alvo

Manda e eu não obedeço

Eu vou acabar com você

Esse negócio de homem e mulher é mesmo muito esquisito

A felicidade não se inveja

Ele sabe botar lá melhor que você mas eu boto bota porque eu deixo mas não sabe

Cristão é aquele de penacho alto

As palavras vem depois mas escrevem as imagens

Todo mundo quer servir-se do poder fingindo que a ele serve

O que eu faço por você eu faço por qualquer um tá bom mas faz por mim também

Eu  não quero namorar só quero te comer assim de vez em quando

A vida não distribui razoavelmente prêmios e castigos

Hidropônico é sempre melhor como o tomate por exemplo

Não prometo e nem cumpro

Eu quero que  você tenha essa ilusão de liberdade

Não quero  esquecer só não quero lembrar

Afinal um mais um é igual a quanto?

Sergio Santeiro (santeiro@vm.uff.br).

Comments are closed.