Aplausos

A Constituição mais parece um catálogo telefônico e é o das páginas amarelas
Tungaram 50 real do mínimo e autoderam-se aumentos astronômicos
Politico que enrica é suspeito
E a imprensa não pode imprensar
O Supremo devia revogar todos os atos discricionários contra os bombeiros e policiais
Não quero mais suar à toa só quero suar com você
Eu vivo não sabendo o que fazer talvez você me diga
Não tenho o menor talento pra coisas de mulher
Não queira me dizer o que não quero ouvir
Quando alguma coisa aborrece o outro o outro tem direito a outra chance
Nada é tão importante assim
O que já foi não é mais
Primeiro a dúvida depois a incerteza
O progresso pode ser a senha da desordem
Falar sem pejo é o que desejo
Discutir com mulher é ruim se ganhar você perde
Como é que o dia acorda de uma noite mal dormida
A mulher é uma boneca inflada
E virou-me o rabo inacreditável
Imagina se alguém tem que viver amarrado aos meus preconceitos
É preciso gostar da coisa em si
Cada um conta a história como a vê
Enquanto a Mangueira descobria a Paradona em Lagoa Santa descobriu-se o Paradinho
Se você o diz eu sou
Não se acelere não se precipite deixa o tempo passar
Ela não quer saber o que é o mal
Entre a reta e a curva talvez um desvio
Quando a carga pesa é que se sente o seu peso
Desculpa se as minhas gracinhas te incomodam
Devagar com o vulgar
Não quis saborear o triunfo é melhor guardá-lo
Não se deve dizer o que se está pensando pode pegar mal
Quando tudo acaba a vida recomeça
Não deixe que os fantasmas te assustem
Hidrelétricas na floresta é como incendiar os rios
O monte só é belo ao natural
Ao invés de esquecer é preciso lembrar
A distância é má conselheira
O futuro nunca chega
Viver é melhor que morrer

Comments are closed.