Senãos

Empresário no Brasil só gosta é de comodidade
Não sei que benefício posso lhe dar em troca da tua entrega
O que vem de fora não é bom
Nessa quem vem é você
Se der duro não dê mole
Nada precisa ser agora
A ficção externaliza o interior torna o subjetivo objetivo
O documentário internaliza o exterior torna o objetivo subjetivo
O que é bom de ver é bom de ter
Amante chega sem avisar
Lá vem ela bancando a cortesã
Nem não
Cada um sabe o cós que tem
Ela diz que sabe o que estou querendo mas ela não
Não sei porque insisto
Agruras e doçuras são o chão por onde andamos
Tudo e o quanto quiser
O que eu não posso dizer é o que eu não posso dizer
Você não quer que eu diga o que você não quer ouvir
O dizer nunca é mais importante que o fazer
Todo mundo quer ouvir algo impossível
A diferença é que a indústria produz o descartável a cultura o permanente
A lógica mercantil é manhosa porque se retroalimenta de números
Legal é ver as pessoas se cumprimentarem
Tô bodeado não fique fico mais ainda
Aí mora o êrro
A remuneração deve ser o retorno do trabalho investido
A paciência não pode ter limite
O que quiser dizer diga
Fui? É passado?
Eu merecia um bom trato neste dia
O que está perdido não tem como ser achado
Tá bom mas não demora
E por todos os lados
O problema é que tudo tem razão de ser
Embora exista e talvez determine não se pode contar com o acaso
As estruturas sociais estão muito atrasadas face às mentais e técnicas
Nada pode ser mais que o máximo
Nada pode ser menos que o mínimo
A não ser o infinito

Comments are closed.