Gostos

Às vêzes da artista sugerem contratar um motorista
Trocar os de exclamação ! pelos de interrogação ? não faz bem aos pontos
Prefiro cansada na volta
É fácil elogiar o elogiado difícil é descobrí-lo
Até quero mas não faço questão
A poesia é tudo que se afirme ser
Não asso meu bolo na beirada de ninguém
Daqui a pouco já é amanhã
Tão chata e burguesa que até dá pena
Não ter o que dizer é melhor que não dizer o que se tem
Você não se vê quem te vê é o outro
Perdi a piada mas salvei o amigo
De que vale a vida se há uma bala perdida
Estou justamente pensando isso agora
No kuduro não entra môsca
Não se pode esquecer o inesquecível
A palavra esconde
Nada é assim tudo é contínuo
Não nos aborreçamos
Tem solução pra tudo menos pra hipocrisia
Não me ufano de quem me afana
O diabo é a teia de relações sociais que sustenta a repressão
Nem vou lembrar de quem me esquecer
Quem tem só tem privilégios
Se eu comer com a mão é porque faltou-me o garfo
O princípio é o começo do fim
A paz estrangulada nem emitiu um som
A memória é mais que a lembrança
Se eu te contar um conto tu não me aumenta um ponto?
Quem tudo sabe não aprende
Olhar prum lado olhar pro outro e só então atravessar
Nem mais e nem menos desfaz o sabor
O que é caro não vale a pena
Nem se eu acreditar eu vou deixar barato
Meu é o que não me tiram
Sou inegociável ninguém vai querer pagar
Meus cuidados não impedem meus fracassos
A diferença entre tudo ou nada é mais ou menos
Adiantar-se é melhor que atrasar-se
O apressado morre mais cedo

Comments are closed.