Fagulhas

Como não vou mais te ver preciso aproveitar ao máximo
Não deixe que nada mande no teu corpo
Os teus subindo os meus sumindo
Não se pode viver de ausências
Pra você dizer pros outros que tô pegando no teu pé?
Concordar ou discordar tem a ver com o coração?
O bem que dormir me faz
Pra não fazer o que se devia faz-se o que não se devia
A vida é de quem se solta
Já que ninguém curte curto eu
Nem ser e nem deixar de ser quem se é
Lei é lei mas o no entanto é que vigora
Não sufrago o falso moralismo de ninguém
É preciso não dar mole pras circunstancias
Tem a sumidade e tem o sumidouro
Você pode dar o que quiser pra quem quiser só não quero saber
Você devia acabar o que começou
Se posso estar com por que ficaria sem?
Antes cedo que mais tarde
E nós não leva vantagem alguma
O que você quer só casando
Você mantém minha tensão acesa
Qualquer um sempre quer qualquer outro
Pra quem não gosta de gostar tem coisa melhor que gostar?
É chato procurar a palavra exata melhor é pegar a que passa
Você acha que eu não sei que você tá doido para me ter?
Você nunca vai deixar eu te fazer feliz?
Dormi com o teu chulé no meu peito
Estreantes ganham mais que estreados?
Perguntas merecem resposta
Quem não mora no inferno gosta é de rosetar
Se espremer o tubo espirra
Se não faz pelo menos não desfaz
Assim se erige uma tôrre de dizeres
O bem apessoado não era boa pessoa
Não se perde a esperança perde-se a vida
Não se importe com o que se comporta
O tempo é uma dimensão do espaço
Talvez até faça sentido
A moça é pau pra toda obra

Comments are closed.