Querências

Eu quero mas depende de você deixar
Não dá pra pedir uma que venha e vá?
Quase acho que posso voar
Ela tinha uma veia tirânica
Ao mirar o acaso acertamos em cheio
A vida só é boa no capricho
Posso não saber dançar mas sei pular
Comprovado o tomate é demais
Pensei que fôsses menina de barranco
Ainda que tudo valha nada
Agora não e depois também
Nóis num quer ir mas se tiver de ir nóis vai
Por tudo que já se estudou é de supôr que a expressão vem de dentro
O gôsto de dizer alguma coisa é o porque se disse
Tenho o tijolo e tenho o cimento conseguirei construir uma frase?
A lua não me vê como eu a vejo
Enquanto vivemos não morremos
Não desperdice nem um pouco pode fazer falta
De meia noite às seis a cidade é outra
A chama não elimina antes produz o vestígio
Entre o que é de um e o que é de outro pode haver a troca
Não sabemos o significado de mais mas sabemos o de menos
Nem vem quando teve não quisestes
Cadê a coisinha gostosa do véio
A tua vêz tem que ser antes depois da minha acaba
É do princípio ao fim
Tudo virou outra coisa
E ainda querem fazer da arte uma emprêsa
A ninguém peço chatice
Se eu não contar ninguém ficará sabendo
Sou cordial até comigo mesmo
Derrotas são caminhos
Cada pessoa tem seu jeito
Ao menor toque ela se eriçava toda
Eu nasci antes e espero morrer depois de tais governos
Antes dela veio um vento frio
Não é assim que se trata uma estrela de primeira grandeza
Guarde a tua bílis pra quando teu fígado secar
Você faz tudo que uma menina faz?
É porque eu não sou mulher pra você

Comments are closed.