Archive for julho, 2012

Somenos

quarta-feira, julho 25th, 2012

Sou mais quem quer menos
Responsável ou irresponsavelmente só sei que tá bom
O que vai vai
Se não gosto nego sua existência
Bom é muito benefício e pouco prejuízo
Seremos julgados pelos pósteros como fizemos com os pretéritos
Não me deixa ler jornal quer que eu seja ignorante não me deixa trabalhar quer que eu seja vagabundo não me deixa pernoitar …
Não quero nem pensar em reter você
Até fico sem geladeira mas não sem esquentadeira
Bota tudo no da mãe
Não queira ser o último e também não o primeiro
Profundos abalos abalam profundamente
Se eu der mole ela me engole
É preciso começar quando o dia começa
Ela não quis mais saber de encontros clandestinos
Vou cobrar a semanada se quiser mandar em mim
Quando eu souber porque faço o que faço eu aviso
É justo querer livrar-se
Não cultivo dependências
Ele não é autista ele é baixista
Meu compromisso é não ter compromisso
É preciso saber viver sem rumos
O que é fácil de falar é difícil de fazer
O que deixar pra lá acaba voltando pra cá
Não é uma questão de marra é uma questão de mira
Marcaram o pagode pro dia errado
Deixaram os restos na varanda
Quando olhei vi o que não estava vendo
Nada é mais rápido que o tempo
O que é mais não pode ser menos
Perdoar é o máximo da presunção
Não esqueço o que não esqueci
Não perdoo o que não perdoei
Salvar-se precede o salvar
Sem querer não quer dizer não querer
Aqui não se mistura
Nada mal se a vida vai bem
Não se preocupe eu garanto o garantido
Quem não tem o que fazer é porque não sabe procurar
Mandei meu outro no lugar do meu dever.

Desavenças

quarta-feira, julho 18th, 2012

A fala tenta dizer alguma coisa
Idoso vaidoso dá mais trabalho
Ela nunca me viu mais gordo
Antes de ser é preciso querer
Migalhas também são bem-vindas
Não se ocupe com a minha vida que eu não me ocupo com a sua
Quem souber onde está leva vantagem
Quem empata tá errado
Quanto mais cedo for o benefício mais cedo será o sacrifício
Comigo dentro ou comigo fora?
É o homem ou a mulher da minha vida até deixar de sê-lo
Frente à vontade de não fazer nada surge a vontade de fazer tudo
No começo o tropeço no fim o lamento
O sossego é o repouso do guerreiro
Ninguém à vista tudo a prazo
Trocar alhos por bugalhos pode ser estimulante
Novidades só são boas quando deixam de sê-lo
Não sigo quem me persegue
Ai de mim se eu fico só assim
Melhor 1 que 2 melhor 2 que 3 melhor 3 que 4
O tempo que se espera é o que tem que se esperar
Nem pense que de repente tudo vai se resolver
Não conte comigo se eu não puder contar com você
Não vou nem irei se não souber aonde
Arrepiar-se é sinal de mais
Levei troco sem ter pago
Mal menor ainda é mal
Se preencher não é vazio
Troco tiros por você
Não carrego o que é pesado
Não começo o que é passado
Não se esqueça de mim quando quiser lembrar
Ninguém enjeita uma sombra robusta
A parada é não ficar parado
Não deixa a onda te levar ela pode te afogar
Todo mundo é igual a carro sempre carece de revisão
Mesmo se eu soubesse eu não diria
A coisa nasceu pegada em outra coisa é muita coisa pra uma só coisa carregar
Querendo ou não querendo vai ter que ficar esperando
O melhor é quando o pior vai embora

Vulgares

quarta-feira, julho 11th, 2012

Não penso em pensar a coisa acontece
Entre o que sabemos e o que não sabemos melhor ficar com o que sabemos
Desculpe mas eu não vou estar podendo amar
De onde vem o que me vem à cabeça
Seria bom se não tivesse sido ruim
Eu não me lembro de ter dito sim
Quando dei por mim já tinhas dado
O lance é dar o último e não o primeiro
Quem abre buracos é que tem que tapá-los
Pensar não faz a vida mais complicada
O que não é solucionável solucionado está
Por que não são mais levianas as mulheres
Garanta-me que eu te garanto
Quando achares que tá bom me avisa
Quando o assunto acaba a gente recomeça
Passa o dia a vida passa
Bota um quase antes e fica tudo bem
Entre o que sai e o que entra fica um nada
Esquecer é bom quando não se sabe mais porque
O que incomoda não é a coisa é a falta
Se deixar passar não se vai saber como fica
A ultima vez não deixou saudade
Quando sair não me bata a porta
Nem os acertos quero repetir
Algum outro dia pode ser que melhore
Espero não ter que esperar
Mesmo se não foi por mal não se pode esperar o bem
Errar a palavra ou o momento pode ser fatal
Bom mesmo é quando a vida anda
Oportunidades que não se repetem não são interessantes
Se cortar a carne vai ter que estancar o sangue
Melhor fazer do que não fazer
Esqueci de avisar que não fui
O preço que se paga nem sempre vale a pena
A má impressão não é a que fica
Até deixo mas não é pra fazer
Meio caminho andado quer dizer que falta outro meio
Se desliguei é porque não quiz ouvir
Mais ou menos não agrada a ninguém
Até se pode chorar mas não se pode gritar
Se faltar um não se tem tudo

Dúvidas

quarta-feira, julho 4th, 2012

O que era mesmo que eu queria dizer
Será possível que alguém acredite em suas próprias mentiras
Não me diga pra dizer o que não sei
Você podia ser mais simples
É preciso justificar-se de alguma forma
Já dei a chave vai querer mais o quê
Ela ocupou todo o espaço
Tá com fome meu bem
Deixa eu não dizer o que eu quero de você
Será que não existe um de repente
Você não é o que parece
Queria te namorar à distância
Até confio mas não custa prestar atenção
Eu queria que fôsse você
Fiz tudo e mais pra você
Nunca me acorde quando chegar
Não peça que eu peça
Quando quizer pode ser que eu não queira
Se você der pra mim esqueço tudo
Viver é o limite
Crer é ruim mas provar é bom
Quando? Onde? Eu deixo você brincar comigo
O provado foi bem bom
Eu não reclamo porque senão reclamam
Já disse o bastante pra você só falta a imensidão
À distância é ainda mais linda
O cheiro é a véspera do prazer
Toma lá que eu boto cá
Por que não pode só a coisa em si
Ela ri com o rosto inteiro
Não precisa ser só pra mim
Quando acordar eu chuto o balde
É perda de tempo procurar o que inexiste
Entre o risco e o riscado tem o chão
Quem acerta não erra e quem erra não acerta
Quem sim e quem não
É melhor não perguntar
Nem me lembro se esqueci
Não me empolgo eu já sou empolgado
Sem pressa quando chegar terá chegado
Conseguiremos pensar humanamente?