Somenos

Sou mais quem quer menos
Responsável ou irresponsavelmente só sei que tá bom
O que vai vai
Se não gosto nego sua existência
Bom é muito benefício e pouco prejuízo
Seremos julgados pelos pósteros como fizemos com os pretéritos
Não me deixa ler jornal quer que eu seja ignorante não me deixa trabalhar quer que eu seja vagabundo não me deixa pernoitar …
Não quero nem pensar em reter você
Até fico sem geladeira mas não sem esquentadeira
Bota tudo no da mãe
Não queira ser o último e também não o primeiro
Profundos abalos abalam profundamente
Se eu der mole ela me engole
É preciso começar quando o dia começa
Ela não quis mais saber de encontros clandestinos
Vou cobrar a semanada se quiser mandar em mim
Quando eu souber porque faço o que faço eu aviso
É justo querer livrar-se
Não cultivo dependências
Ele não é autista ele é baixista
Meu compromisso é não ter compromisso
É preciso saber viver sem rumos
O que é fácil de falar é difícil de fazer
O que deixar pra lá acaba voltando pra cá
Não é uma questão de marra é uma questão de mira
Marcaram o pagode pro dia errado
Deixaram os restos na varanda
Quando olhei vi o que não estava vendo
Nada é mais rápido que o tempo
O que é mais não pode ser menos
Perdoar é o máximo da presunção
Não esqueço o que não esqueci
Não perdoo o que não perdoei
Salvar-se precede o salvar
Sem querer não quer dizer não querer
Aqui não se mistura
Nada mal se a vida vai bem
Não se preocupe eu garanto o garantido
Quem não tem o que fazer é porque não sabe procurar
Mandei meu outro no lugar do meu dever.

Comments are closed.