Sabores

Quem está por cima não se lembra de como é estar por baixo
A maior homenagem aos mortos é cuidar dos vivos
Éramos todos
Pensar é distender-se
A arte é um mar de individualidades
Não se deve ir a lugares gripado por si e pelos outros
Ocorrências são o que nos ocorre
O suco da fruta não é ralo é denso
Mais faz quem menos se apega
Tu me esquentas e eu te esquento
Não é bom interromper o fluxo do pensamento
Ah o documentarismo ah o documentarista ah o independente ah o cinema ah a política ah o poder ah a exclusão ah a batalha
Esqueci de dizer o mais importante
A humanidade não é só uma mas é uma só
Usa abusa e lambuza
Na beirada dela tudo fica mais gostoso
Qualquer fabulação é possível
Com a doçura e a dureza necessárias
Não queira ser melhor pode não dar certo
Homem não usa rosinha homem usa rosão
Os grandes não são os únicos
Ou estou fumando ou estou comendo
Apoiada ela se expande reprimida ela radicaliza
Pensei que fosse parte não sabia que era avulso
Não posso ficar só esperando
Teve jogo eu li jornal
É bom meter a mão nas moças
Se orgulho matasse eu não morria
Não insisto no que me é estranho
Se eu fosse bom de entrega montaria um negócio
Ocultar é bom esconder é melhor
Girando viramos um ponto que se perde na imensidão
Lasso a ponto de virar bagaço
Olhar pro chão é prevenção
Render-se é tentativa de perdão
Essa é pra comer de colher
Quem ultrapassa ganha a vez
Não deu nem tempo de pedir licença
Não fui eu quando olhei o espelho se partira
Um caminho é melhor que dez.

Comments are closed.