Memórias

Pra onde ela fôr sigo a minha intuição
Não mandei ninguém falar por mim
Podia deixar mas não deixei
É preciso dar-se um basta
Não acato não sou acatante
Não abafo só perturbo
Será que ela quer ou não quer dar pra mim
Você acha que é arrogância a minha ignorância
O mascarado ao tirar a máscara se desmascara
Eu vivo a felicidade e se puder encostar em você é demais
É proibido cortejar?
Eu sou um militante cultural radical comunista aborrecido com o meu país
Capachos do imperialismo ianque
Não é de hoje mas tem que guentar
Nada a fazer as sortes estão lançadas
Pensei que o meu pensar me ajudasse êle me atrapalha
O que não fôr agora algum dia será
Falta você tocar a campainha
Adoro a liberdade e a variedade de cenários da minha casa
Fiz a casa dos meus sonhos
Tive a praia aos meus pés e a cervejeira
Um lindo espetáculo é a mulher que finge que dá mas não dá
Singrar na correnteza
A de cima indica a de baixo
Dengosidade é positivo
O que nunca acontece um dia acontece
Só quando pesa é que sentimos o pêso
Perguntas nem sempre tem respostas
Nem sempre é bom transigir
Nem sempre é bom recomeçar
Não se pode assim jogar com a vida das pessoas
Dez é menos que milhões
O cheiro do fogão diz o que é feliz
Espero você ficar boa pra eu ficar ruim
Futebol como os gladiadores
A minha vêz já passou ou ainda não chegou
Não sou mais nem menos eu
Pensar é coisa estranha avisa o meu ser animal
Nunca soube o que seria imagina o que serei
Não serei o que fôr se não fôr o que sou

Comments are closed.