Lições

Educar é du car …

A gente tenta até os setenta

Tenta e não lamenta

Prazer não refresca

Ahhh!

Não faz bobagem

Nem se trata de inocência é sòmente um não havido apenas existido na boca de um delator

Né por nada não mas a confluência do julgamento com o novelão assalta-me a cabeça quem escreve o quê

Sou um primitivo quando me sinto mal me tranco no novêlo até passar

A menina de Paris não pode sentir frio no Rio

É um polvo tentacular agarrado no poder e não larga não larga e não larga

E não larga

Sonhos de uma noite fria de verão

Os que vivem não podem permitir o subviver

Não sei se eu queria ser assim mas sou

Acho que em todo o mundo é preciso abrir as prisões

O estado tem meios de prevenir não precisa reprimir

É difícil conter a ganância do homem

A coletiva é produtiva a individual é nefasta

O convívio coletivo não é o paraíso mas é o melhor que pode haver na terra

Há um problema é lícito ou ilícito recolher os moradores de rua não há como abrigá-los?

De noite a cidade inteira se esvazia não há como acolhê-los até o novo dia?

As luzes permanecem acesas para quem?

Na rua ninguém passa na calçada o povo dorme no frio na chuva famílias em casa as tevês

O mundo de fora e o mundo de dentro

A questão não é a classe C é a classe X

Na economia em que vivemos a X tanto pode ser a que manda como a que obedece

É quem come as bananas

Debalde os baldes se esbaldam na balbúrdia dos balneários

Não discuto o trabalho de ninguém todos tem mérito incomoda-me é a farsa do supremo

Numa democracia supremo só o voto

O nosso país gigante é difícil de acompanhar mas quantos mais andarem é melhor

Se ficar no passado vai ficar mais velho que já é

É a foice e o martelo o martelo bate a foice ceifa

A dor do juiz deve ter subido-lhe à cabeça

O delírio autoral se é bom na ficção na realidade é sinistro

Nada é mais torpe que a mentira ajeitada

É a farsa do simulacro arranjar a realidade segundo teus intentos

O pseudo moralismo pequeno burguês evita encarcerar-se encarcerando os outros

Nem sei o que mais pensar

Comments are closed.