Benignas

Ver neguinho receber um troco não tem preço
Só está na crista da onda quem serve de alimento para a máquina
Alivia meu bem
Eu não queria mas ela quis
Há as que cantam
Eu quero o limão
Ficar na esquina é promessa de prazeres passantes
O meu problema é que gosto de tudo em excesso
Destacar um e sufocar milhares não pode ser uma boa
Criado o monstro vai se ter que alimentá-lo
É condenável quem condena o incondenável
Eu gosto quando a vida se acomoda
Os governos precisam entender que não podem constranger pessoas
Tem gente aí que me tira do sério
Cada dia mais convicto que essa consciência de aluguel é uma vergonha
Cisca mas não leva
Quem quer morar na minha cabeça
Não concordo mas estou de acordo
Precisei esperar pra não ganhar
A favor não navegamos somos arrastados contra tem que remar
Mande ver rapaziada detona o mundo detona o país
Criar-me problemas é só pra satisfazer o meu ego
Ela não tem interesse em mim pode ser que tenha em você
Não sei e nem quero saber
Geração é quem gera a ação não quem a digere
Eu não sou tudo eu não sou muito eu não sou pouco
Você não estava lá fui namorar a lua toda nua,
Que tempo foi aquele?
Mas parece mesmo que é Jorge e o Dragão
Às vezes me parece que chora
É preciso buscar o que se quer
Ganhei uma nova peça para o meu museu
O tudo que é tanto não cabe nas minhas mãos
Sou um louco a teus pés
É preciso que o Legislativo impeça o Judiciário de achacar o Executivo
Nem vendo eu acredito
Não deixa o que atravanca te atravancar
Melhor sem mim que contra
Outros virão a ser melhores
Menos conta quem mais aparece

Comments are closed.