Archive for dezembro, 2012

Amanhãs

quarta-feira, dezembro 26th, 2012

Lá dentro é melhor que aqui fora
Escreva a frase encontre o sentido
Eu não sou o que você pensa
Quero ser a folha daquela árvore que eu vejo de onde estou
Alguma hora a trilha se perde
Tem as que são dignas de nota
Quem sabe onde pôr a vírgula não sai botando em qualquer uma
Perco a conta mas não os dedos
A timidez vale mais que a arrogância
O amor próprio vale mais que o amor alheio
Quanto menos quiser mais posso ganhar
É melhor contar com o de menos do que enlouquecer pelo de mais
Falar sem pensar nem sempre dá certo
Cordeiro não curte falcão
O golpe de 64 não foi contra Jango foi contra Brizola
Se cinema é cachaça vou morrer de cirrose
Venta lá que venta cá
O que somos um dia depois?
Conte conosco o Silvio é um orgulho do pensamento brasileiro
Não é preciso imaginar basta lembrar
Leva tempo e paciência pra desamarrar a vida
Se esconder o rastro não saberei de onde vem
Ela resolveu ficar com o velho e o garoto
Abrir o aniversário nessa corrente de energia só pode me fazer bem
Ela já goza só com o dedo no ouvido
É preciso ir lá na beirada da estrada
Com quase nada se faz a limonada
Nada que é meu voa
Não pergunte se não quiser saber
É difícil botar sentimentos em palavras
Perco a corrida mas não meus pés
Faz tudo por que não?
Ministro promovido na cota racial resolve se vingar
É preciso revogar o julgamento ditatorial do Supremo
Não sei como os ministros aceitam perfilar-se à delação
A delação é que roubou os recursos de campanha do seu partido
Meus eleitores o que posso lhes dizer?
Cessa a voz da presidenta e ouve-se uma canção americana
Não podemos compactuar com a ditadura do Judiciário
Se não foi o último não será o derradeiro

Somenos

terça-feira, dezembro 18th, 2012

Não discuto o teu direito só não o considero meu dever
Em tudo há um grau de verdade
Crime no Supremo Ministro rouba a cena
Confirma-se o preconceito o Brasil é o país do futebol
Burocracia não é o que impede é o que viabiliza
Capitão do mato é só um capanga legalizado
Vamos todos ninguém vai ficar pra semente
Por você posso até mentir
É fácil falar o já falado
Quanto custa o que é de graça?
É bom dizermos o que nos vai na alma
O problema do país é o neo-udenismo
Avisar é uma boa
Errar é humano agradecer é de lei
Você não engoliu a minha nem eu botei-a onde queria
Viver são os melhores momentos da vida
O barato não é o desaforo é a gentileza
A vida é um enigma que ninguém acerta
Ia adorar uma gatinha aqui agora a meus pés
Dou umas umbigadas e volto pro fim da roda
Descobri que falam de mim na minha ausência
O socialismo ultrapassa o capitalismo
Se Niterói fosse o que sonho a capital vermelha devia construir um memorial
onde foi a criação do Partido Comunista do Brasil em 1922
Casa e serviços para todos
Não se pode admitir a privatização do Centro Petrobras de Cinema do Niemeyer
Se o capitalismo fosse bom a humanidade estaria numa boa
Em tudo se fabrica uma falsa imagem de opulência
Não é a história como era pra ser é como acabou sendo
Tem que ser aos poucos senão a gratidão se esvai de uma vez
Agradeço ao mundo que não executa as minhas dívidas
O que eu queria talvez não fosse tão bom
Não posso jogar um jogo que não conheço
O que não pode ser não pode ser
Não adianta louvar o que não louvamos em vida
Palavras têm o tamanho das letras
Alguém me disse que eu sou quase perfeito
Se eu fosse acreditar em tudo que se diz
Não obstante nada
Escondo mal ou escondo bem
Não conheço ninguém melhor que eu

Dizeres

quarta-feira, dezembro 12th, 2012

A vida é muito doida bobeia vira morte
Mais de um é maioria
Já fui menor que muita gente agora nem tanto
Utopia é o que se almeja
Não se perde o que não se tem
Ao entrar em casa me sinto um soberano com saudade
Quando eu vou você não vai quando você vai eu não vou
O cheiro de mulher é bastante pra me enlouquecer
Seres primitivos que nem eu tem no olfato o primordial sentido em seguida o paladar e depois quem sabe o resto
Por que não diz logo que tá a fim de mim
Você já faz parte do meu café da manhã
Viva sem pressa
Tudo se recicla e recupera
Longe é castigo
Você quer que eu não preste atenção numa gracinha como você passando ao largo?
Você não sabe o que quer
Quando é sempre uma boa pergunta
Enfrentar o destino com tranquilidade não é fácil
Esfrega mas não chateia
Nem sempre é do bom
Não complica simplifica
Aproveita estamos mais uma vez vivendo as vésperas da revolução mundial
Elas sobem depois pela força inercial da inércia elas param as tomadas do poder são o início do fim
Temos que aprender com o eterno recomeço
As mulheres se enganam e nós também
Não se deve brigar com todo o mundo ao mesmo tempo a gente perde
O que nos atrai é sua condição de mulher que não é exclusiva dela
É de sugerir-se um tanto de cautela o caminho não é macio
Nem sempre se deve comer todo mundo
Planos são palavras que formam sequências como frases em um filme
Escrever é inscrever
O problema não é o que eles fazem é o que deixamos eles fazerem
Só depois que o último brasileiro tiver quatro refeições diárias pode ser que eu pense nos que vêm de fora
Não discuto critérios porque não os há
Tudo é pouco
Tá todo mundo de prova que você está me assediando e que eu estou deixando
Se o fundamentalismo é o que tem fundamentos não pode ser tão ruim assim
O problema da energia é que não é de todo boa nem de todo má e dá sobrecarga
Chega uma hora em que o conhecimento abusa da minha consciência
Tá tudo bem joguei pra dentro um belo sanduíche

Trejeitos

terça-feira, dezembro 4th, 2012

Ciúme é coisa de gente mal resolvida
Espero não ter que comer minhas palavras
Ao máximo no universo ao mínimo no inconsciente
As mesmas letras podem fazer diferentes palavras
Quero viver entre o profano e o sagrado
Nem quem quer nem quem não quer
Pra nossa tristeza vocês são eles
Você ajuda você arreganha
O pior é a gozadinha rápida
Mas também pode
As meninas fazem isso melhor que nós
No reclame não reclame
Ansiedade nada tem a ver com ansiedade
É difícil o mundo em que há mulheres que se exibem por dinheiro
Mulheres que fazem papel de puta incitam a violência
Quando o infinitesimal que nem nós resolve fazer a diferença
Mais vale o tempo que não nos cobra a permanência
Estamos bem o barco anda
O Barbosa de hoje não faz jus ao Barbosa de antanho
Não me obriga a ser vulgar
O que exige renúncia acaba em obsessão
Segregar não digo, mas cautela recomendo
O barato da vida é saber quem é quem
Sempre que eu quiser de vez em quando
O diabo com as rádios é que elas ficam botando as mesmas músicas por décadas
Não me gabo do que não consigo
Se não for evolução é pelo menos ebulição
Não sei se acerto ou erro mas insisto
Nem desdobro nem me dobro
Será que o afã do consumo é fator de rendimento no trabalho?
Para sobreviver ao inimigo não é preciso matá-lo basta viver mais que ele
Mirar é condição não suficiente para acertar
É isso mesmo é mulher objeto
O país sacode por quem não é do país
Não dá pra acreditar no que está acontecendo
Às veiz num rola
Não adianta empurrar se a fila não anda
O que foi quase nunca é o que será
Não se dê tanta importância ninguém tem menos
Nóis tudo é ingual