Trejeitos

Ciúme é coisa de gente mal resolvida
Espero não ter que comer minhas palavras
Ao máximo no universo ao mínimo no inconsciente
As mesmas letras podem fazer diferentes palavras
Quero viver entre o profano e o sagrado
Nem quem quer nem quem não quer
Pra nossa tristeza vocês são eles
Você ajuda você arreganha
O pior é a gozadinha rápida
Mas também pode
As meninas fazem isso melhor que nós
No reclame não reclame
Ansiedade nada tem a ver com ansiedade
É difícil o mundo em que há mulheres que se exibem por dinheiro
Mulheres que fazem papel de puta incitam a violência
Quando o infinitesimal que nem nós resolve fazer a diferença
Mais vale o tempo que não nos cobra a permanência
Estamos bem o barco anda
O Barbosa de hoje não faz jus ao Barbosa de antanho
Não me obriga a ser vulgar
O que exige renúncia acaba em obsessão
Segregar não digo, mas cautela recomendo
O barato da vida é saber quem é quem
Sempre que eu quiser de vez em quando
O diabo com as rádios é que elas ficam botando as mesmas músicas por décadas
Não me gabo do que não consigo
Se não for evolução é pelo menos ebulição
Não sei se acerto ou erro mas insisto
Nem desdobro nem me dobro
Será que o afã do consumo é fator de rendimento no trabalho?
Para sobreviver ao inimigo não é preciso matá-lo basta viver mais que ele
Mirar é condição não suficiente para acertar
É isso mesmo é mulher objeto
O país sacode por quem não é do país
Não dá pra acreditar no que está acontecendo
Às veiz num rola
Não adianta empurrar se a fila não anda
O que foi quase nunca é o que será
Não se dê tanta importância ninguém tem menos
Nóis tudo é ingual

Comments are closed.