Graças

Menos seria melhor
Eu só quero se dar bem
Enquanto for vivo tenho que viver
É a babosa do baboso
Tudo posso na que em mim se enrosca
Vivo vivaz vívido vivente
Só é ignorante quem ignora
É discorrer sem correr
É pulsão sem compulsão
Só não sou nem faço aquilo
Se vier venha com fôrça
Cinema é carregar lata e mais lata
O negrismo também é uma forma de racismo
Ao cargo o encargo
Não faço sou feito
As coisas são como não as vemos
Só tem sucesso quem tem acesso
Piranha não se segura
Será que um dia o mundo vai pagar-me o que me deve?
O diabo é que a gente quer sempre avançar
Acho que botei você em boa forma pra qualquer um que vier depois
Adoraria ver de novo um dia a luz mais clara que a do sol
Ela enche a minha barriga
Três dias em Juiz para a gravação da música genial de Leandro e Fabrício no maravilhoso estúdio do Quico para o meu filme do Miguel
Estreei o óleo de coco pra curar as minhas perdas
A onha a aça e o exo resolvem a minha vida
Não sou de ficar à espera do que já fui
Se eu pedir o que não tenho ninguém vai me dar
Quando um vai o outro não vai
Quando um não quer o outro não pede
Se fosse pra ver o que de mim se esconde eu não poderia imaginar
As coisas acontecem magicamente ou não acontecem
Aceitar não é concordar
A vida não ensina e a gente não aprende
Se tirar não fica
Cansei do chute vamos ver se com a mão dá
Primeiro o coco depois o porco
Queria ser o dono do teu caramanchão
Quando me lembrei a hora já passou
São duas de pedra pra três comerem

Comments are closed.