Razões

É melhor errar pra mais que pra menos
Se eu esquecer não me lembre
Começa em um e acaba em zero
Quem se dá bem não precisa se dar melhor
Trocando as letras fica feio
A gringalhada é sem vergonha
Fique bem não fique mal
Quem não gosta de mim não sabe o que está perdendo
Até parece que é brabo
Se deixar passar depois não dá pra segurar
O social precede o existencial
Houve a troca do belo pelo oportuno
Nem deixe a poeira assentar chute o balde
O que fazer com o sobejo
Não se deve disputar as manchetes
Eu quero comer gelatina quando eu quiser
Eu sou um autor brasileiro de vanguarda eu não pago prenda pra ninguém
A fruta mais gostosa que eu provei
Homem não toma banho homem fode
A poesia tem vontade própria não a negue
Cada um conte a vida que viveu juntando vira história
O mexido não precisa ser remexido
Tem gente que parece gente como a gente
Já estive em grandes furdunços quero mais não
Vulva vulgar
Ao despir-me lembrei de você
Leva o que tiver de levar deixa o que tiver de deixar
Boas frases custam caro
É preciso destampar as tampas dos tempos
Errando mas acertando
Não importa quem se importa
Um doce abre portas
Eu digo o que quiser e você ouve o que quiser
Nem sempre sou sujeito tem vez que sou objeto
Não vou porque não sou de ir
E não venho porque não sou de vir
Compartilhar o futuro de maneira inventada
O que é publico não pode ser privado
Quem tem ouvidos ouve quem tem boca fala quem tem juízo espera
Quem não tem voa

Comments are closed.