Trens

Pena de quem chora raiva de quem faz chorar
Violência gera violência
Não faço o que eu não faço
A curva é a menor distância até você
Me ama como eu me amo
Se trens é o plural de trem trans deve ser o plural de tram
Todo mundo tem que inventar seu cada dia
Problemas soluções
O que não depende de mim é independente de mim
A paixão é como um hábito há os bons e há os maus
Só a própria natureza não é fruto do trabalho
É pra se manter a propriedade acima do trabalho?
Todo mundo tem o mesmo direito à propriedade
A ilimitada acumulação da propriedade danifica o sistema social
O progresso é um pêndulo de ideias e fatos que vai pra lá e vem pra cá
É preciso acabar com essa bobagem de cinema de massas que só serve pra dindin e pra isso é melhor jogar fora na bolsa
Casado não é só no papel
O direito é do autor
Se eu construo a minha casa ela é minha até eu morrer
Ninguém pode usá-la se eu não deixar
E depois é de meus herdeiros e dos herdeiros de meus herdeiros e seus herdeiros
E quando não houver herdeiros só então é que se torna um bem público
Recolha-se ao estado
E por que se eu construir um livro um filme uma música é que é diferente?
Enquanto vivo for nem há o que discutir
Mas ainda assim disputa-se o suporte em que a obra está
Os donos dos suportes: editoras, produtoras, a infovia todos querem abiscoitar o seu quinhão
É justo? Não é justo?
Mas querer usar o que é fruto do teu trabalho à tua revelia isso não pode poder
Fazer comércio ganhar dinheiro com a tua obra e a tua pessoa sem ti isso não pode poder
E nada é pra ceder é só pra avaliar atribuir valor a quem quiser usar tua obra tua vida
Décadas depois cai em domínio público
É justo? Não é justo?
Por sua relevância tua obra cumprirá sua função social
Qualquer um poderá dispô-la a seu critério
Já não estarás entre nós não serás prejudicado
Não mais precisarás da água e pão que a tua obra se ocupou de prover a ti e a teus parentes
E às vezes muitas vezes tantas vezes nem isso
Quanto sucesso póstumo quantos autores à míngua
Eles morrem a obra fica
Nossa casa nossa obra nossa vida.

Comments are closed.