Presenças

A supremacia das questões exógenas nos impede de entender as endógenas
Ciúmes: já comi e não gostei
Cansei de querer convencer os outros agora só quero convencer a mim mesmo
A maior lição da história é a sobrevivência do povo
Diga-me o que sabe e não o que não sabe
É burrice brigar com a polícia tem que brigar é com os donos
O biografante não pode ter direitos sobre o biografado
Quem dá mole não pode dizer que tá duro
A guerra se ganha com o trabalho
É preciso esperar
A flor vira fruto
Todo o cuidado é pouco
Não acirra que a polícia atira
Teia é coisa de aranha pra pegar mosquito
Fazer piada não tem graça
Ela volta querendo mais do que eu posso dar
A revolução não é feita ela se constrói
Pregador não prega prego sem engodo
Nenhuma ideia vale uma vida
Melhor respirar que aspirar
Espero uma palavra que não vem
O que é nosso não nos pertence
Não é pra eles descerem é pra nós subirmos
Foi um sucesso o brado retumbante: não à repressão!
Não há dúvida que a presidenta enquadrou os governadores
Pelo telefone ninguém fica sabendo o que ela disse mas posso imaginar
Toma que a polícia é tua
Quem não for a favor vote contra e perca
Ninguém imaginou essas imagens e é cinema a magia das sombras na parede
Prefiro ser ninguém na minha terra do que ser ninguém em terra alheia
Se me atrasar na saída não chegarei na chegada
Ao pé do ouvido o batoque não deixa
Ato é fato
Tudo menos aquilo
Nóis num é paisagem nóis é passagem
Nem cura e nem curra
Só se sente falta do que não se tem
Ao chegar em casa dei por falta de você
Olhos molhados
Dil+

Comments are closed.