Cheiros

No bucho não tem luxo
Encomendei a trinca chegou nem a primeira
Menos do que esperavas
A pérola é o que a concha esconde
Quero ser hiperótimo
Ainda é cedo não vá
Bom é o que apaga e reacende
Se é no ar como é que tem dono
Dá uma de bico em mim
É pra carcar nos gringos sim eles carcam em nós
Remédio é que nem droga dez minutos antes o corpo já reclama
Nem que tenhamos que suplicar a autoextinção da bandidagem
Não acho graça na desgraça
O que é muito não me atrai
Dar-se importância é porque não a tem
Quem só vê problema não vê solução
Cada um só sabe de si
Se julgar aos outros pelos que conheço somos todos passado
A falta de iniciativa dos políticos quanto às demandas sociais é de estarrecer
A eleição de 2014 devia eleger uma constituinte
Ninguém ou nenhuma instância pública é capaz de devolver a Aldeia e a Escola?
Esperar para preparar
Não se põe ética onde não há
Estranho o que é estranho
Acho que pra ser da paz as manifestações deviam ser todas entre 8 e 16 horas aos domingos
Quem não bebe não treme
Chorar não resolve
Tem quem se aborreça comigo só porque eu rebolo bem
Todos nós nos merecemos somos palco e plateia uns pros outros toda a vida
O amor quando acaba não manda recado
Já fumo e já vortemo dispois nóis vorta di novo caso careça
Chilique é chique chiliquemos
Caiu uma borboleta na minha panela deixei ficar achei que era de deus
Nunca vi tanto frio no Rio
Sol por favor vem salvar a minha vida
Meu pai contava a história de um servidor da universidade tido como meio pancada mas sem drama ele pergunta a meu pai: – Duas pessoas discutindo. Uma tem razão e a outra não. A quem o senhor dá razão? Meu pai: À que tem razão. Ele: Tá errado. Tem que dar a quem não tem. Quem tem já tem.
É preciso uma organização como os movimentos sociais na política
A pressa é inimiga da lentidão
A desordem política é como um bálsamo para a direita
Vai trabalhar congressista: por uma frente ampla pela democracia pela constituinte e pela reforma agrária

Comments are closed.