Archive for novembro, 2013

Areias

terça-feira, novembro 26th, 2013

Não há como comparar gotas d’água
O que tu fizer com ele ele vai querer fazer nocê
Melhor é melhor que mais
Não posso me afastar da realidade é difícil voltar
Não me agrada desafios
A mente mente que ela não é demente ela só mente
Entre os clássicos e os modernos não há porque escolher
Precisamos de tudo precisamos de todos
Mesmo cansadas elas nos agradam
E nos aguardam
Libertar-me é fácil libertar-nos é ruim
Sempre há só duas possibilidades sim e não talvez não resolve mas ajuda
Há dez anos atrás pode ser que rolasse mas hoje eu não guento
Ao fluxo e ao refluxo
Liberdade para sempre
Em muitos momentos o cinema é e foi uma ação entre amigos aliás a arte aliás a vida
É difícil não respeitar a opinião de um guerreiro
Poucas palavras muita vez não se entende
Se disser o que pensa estimula a fazerem o mesmo
Não gosto de panela de pressão pra mim é no barro e na pedra
Comida pronta cheiros na casa
Não dizer mas saber
Sem os pósteros não há os presentes
Chego tarde bêbado chapado drogado peço que ninguém queira falar comigo
Anda mundo antes que a gente se atropele
De que adianta os fundos de pensão se os trabalhadores continuarem por fora
Disputa é fraude
Quem vai leva
Quem vem atrás segue
Quem dá ganha quem não dá perde
Entre dizer sim ou não tem que ver a melhor solução
Não choro quem viveu intensamente quero fazer o mesmo
A máxima devia ser a mínima
O mínimo devia ser o máximo
Eu sei lá se chove
Isso significa nada
Se explicar ninguém vai entender
O antes é antes do depois
E o depois não vem antes.

Cismas

quarta-feira, novembro 20th, 2013

Nem quero tanto menos já tá bom
O povo que não se liberta do seu tirano não tem solução
Muita coisa não fica
Ouvir mulher gozando no vizinho não tem preço
Um gerente de cooperativa é um empresário legal
Não sei o que fazer com o que eu não sei o que fazer
O meu prazer é ser modesto indigesto carne e osso
O barato é gozar
Adiada centenariamente a reforma agrária tem que acontecer
Tem que ser tribo não dá pra ser grande
Esperei um tempo enorme quando chegou era passado
Acabar com a pirataria comercial americana?
Ninguém ajuda um pobre velho que tem problemas de locomoção midiática?
O que você quer que eu diga
O setor de humanas anda mal
Cada caixa é uma surpresa!
O negócio é o orbital
A economia permite palavras menores
Pára com essa mania
Quem fala alto nem a si mesmo convence
O povo produz e consome toda a cultura de que necessita
As disputas se dão em todos os níveis
Mascarado na minha época era aquele cara que se achava o tal
Você não queria? Agora pode
Um corpo em fogo vira cinza
Só não pode é andar mascarado
Nada pede licença para existir
Pode mas não deve
Pra eles muito dinheiro e pouco talento pra nós muito talento e pouco dinheiro
O que é perto é perto o que é longe é longe
Meia palavra ofende tanto quanto a palavra inteira
Nada me impede de gozar os bons momentos da vida
E nada me obriga a mantê-los
Quando alguém me desrespeita eu fico torcendo pelo pior
Ninguém é mais feliz que eu
Panela no fogo é melhor que mulher
Talvez não seja como você quer vai ser como eu quero
Não serei quem diz serei quem ouve
Só não botei no teu
Quem mostra a chata é chatinha!

Amassos

terça-feira, novembro 12th, 2013

Não quero a tua poesia quero a tua carnesia
Eu menos
Não é só a carne é o espírito nessa ordem
Como não ter tesão pelas meninas
Sem repressão na compreensão
Muito me custa carregar a minha caótica personalidade
A favor de tudo pra clarear
O que é bom pode ser melhor o que não é pode ser pior
Viver além da conta e nem precisar pagar
Passar uma semana morando nas tuas pernas
Ao menos eu sirvo para evitar roubada
Minha mãe não é p… porque tem padrasto
Como todo mundo eu sou um ser complexo
Coisas que não entendo nem tento explicar
Tudo virá a seu tempo
Não dou por amor dou por prazer
Um pagão como eu se encanta com as maravilhas da natureza
Do jeito que me lisonjeias eu confio
Sempre te darei a justa medida que mereces
É preciso juntar o de menos com o demais
E quando surge uma curiosidade?
Eu sei me curvar à vida
Nada faço no projeto rabisco faço muito
Até chegar onde cheguei muitos os caminhos que passei
Nada que atravanca é bom
Quando eu penso nas meninas ah o que eu penso das meninas
Capitães do mato são uma desgraça
Rever o sistema presidiário talvez privatizá-lo
Ou tudo ou nada?
As prisões podem virar cooperativas de trabalho
É o 1o. de abril do Supremo
Não fui mas sinto como se tivesse ido
Nunca vi uma pessoa com tanta decisão
Se não for pra escrever o pensamento pra que pensar
As plantas brotam
Se for junto e misturado é melhor mas se não der não deu
Elas só querem o que elas querem
Não dá esmola pra ninguém
Vou dar uma força pra moçada que acha que eu sirvo pra alguma coisa
A casa está cá

Palestras

terça-feira, novembro 5th, 2013

É desperdício aqui mentir
Não gosto de gente entre nós metida
Ou descriminaliza já ou acabamos todos em cana
Não acredito em sofrimento de poetas mais parece pobre rima para fingimento
Teu luzir não chega aqui
Há que se precaver em vida antes do fim
Filmar até pode exibir o filmado é que são elas
A humanidade não caminha ela se arrasta
Gosto do livro como corpo
Há quem ache que tem direito sobre o direito alheio
Rebelde é mais que revolucionário
Não é minha a língua estrangeira o que eu falo é brasileiro
Dou-lhe o que não posso negar
Ninguém deita na tua cama sem deixares
Muito me honra ser parecido com quem se parece comigo quem manda ser um brasileiro em tudo mediano
Você não é filha do teu pai é minha
Diz a novela
Não sou nada disso eu sou um bicho
Se não fosse eu não seria
Não se deve babar em gravata alheia
Quem não faz mela
O direito individual à privacidade é universal e inalienável
Sempre se
Se o executivo quer ser carrasco o judiciário tem que impedir
Ninguém faz o que quer cada um faz o que pode
A gente olha as mulheres como se nunca as tivesse visto
Sem que isto tenha significado algum
Tudo pode acontecer a vaca pode dirigir-se ao brejo
O que não pode ser com fica sem
Não acredito em quem faz da grosseria hábito
Melhor com que sem ou melhor sem que com
Olhos imã grudam nos meus
As coisas existem apesar da gente
Quando quiser eu chamo
Entre o apagar e o acender pra onde vai a luz?
Flutuando
Mergulhando
Afundando
Dormindo