Sabenças

Se eu conseguisse dizer o que penso
E eu pergunto o que fazer? Emparedar-nos?
Há carências mas há suficiências
Compenso a quantidade pela qualidade
Sou doido pra ver você dando
E aí cai a chuva com firmeza espero que sem tragédias
A vitória está próxima e nunca chega
Servidores vencedores servem melhor que servidores vencidos
O que você quer é mole
Afora as tragédias o Brasil chega a ser engraçado
Talvez pelo que tenho de negro o meu maior desejo é a liberdade
Enquanto estamos vivos somos capazes de muitas ações depois que morremos não somos capazes de mais nenhuma
Se fosse melhor o meu diário se fosse melhor o meu calvário
Se insistir eu como e cuspo fora
Prejudicar a Copa é estar à direita do processo democrático brasileiro
Eu só quero que você engula a sua empáfia
Não deixa a safadeza tomar conta de mim
Às vezes consigo às vezes não
Invés de ir pra frente queres espanar de lado
Muito menos com você
Às vezes fico nocauteado até por uma brisa
Nem sempre a verdade é de verdade
Aonde a onda vai depois que quebra
Acho ridícula a prosápia dos prosaicos
Poesia põe ou tira
Pó no uísque não pode morres sufocado
A vida é fruto do coletivo ninguém sobreviveu sozinho
Cada um faz a política que merece
Periga perder voto
Eu me divirto com o viver
A mesma época gera produtos semelhantes
É preciso um armistício antes que a guerra mais se acirre
A indução ao mundo de fora nos impede de aproveitar o mundo de dentro
A cada semana você pede na terceira eu respondo
A morte é uma contingência não é algo que se busque
E vara tudo
Levando em conta meu arbitrário critério de geração a cada 4 anos quantas se terão passado em 40
Não se deve homenagem a quem abusa da sorte
Quando tudo acaba a gente recomeça
Se tardar é melhor nem vir.

Comments are closed.