Matreirices

Faz que vai mas não vai
Se eu perguntar teu nome é porque estou a fim
Esquece a pilha
Faz que vem mas não vem
Faz que foi mas não foi
Faz que é mas não é
Faz que dá mas não dá
Eu não sabia que você é assim
Se eu não soubesse até podia tentar
Se não deixarem a polícia cuidar só dos bandidos vai sobrar pra quem?
Tou não sou não sou não
Estranho essa mania de rezar missa pra blasfemos totais quando for a minha vez espero que ninguém me dê este vexame
Tanto faz pôr no ou pôr na
Moro ao lado de uma inacreditável amendoeira que já passa do sétimo andar
Não bato palma pra palhaço dançar
Carnaval! Isto é que é rolezinho!
Pareces uma leoa insaciável tanto no bom como no mau sentido
Há quem faça musicas eu faço frases
Diga-me o que ainda não vi
Qualquer lugar não é melhor que algum lugar
Finjo não saber o que já sei
Nem sempre estou assim nem sempre estou a fim
Fazer o que já fizeram não fará ninguém feliz
Todo mundo disfarça e olha pro lado
É preciso esvaziar as prisões
Medo de almar
Quando não interessa o que interessa
Quem não está satisfeito com a vida devia abster-se de aporrinhar a dos outros
O que ainda não sou serei
Eu já nem sei se as meninas são meninas e se os meninos são meninos
Quem prende não aprende
Amar o amor
O problema é cada um pensar só em si
Só se acredita no que lhe é cômodo
Quando se vai alguém mais velho até entendo mas um mais novo acho que é injusto
Nem tivemos tempo direito de aproveitar o convívio
Queijo com alho não se recomenda se come na merenda
Frente às pedras do caminho não podemos ser tão sensíveis
Mas se não formos sensíveis como podemos criar
Não somos nós o tempo é que nos conta

Comments are closed.