Archive for fevereiro, 2015

Choldras

quarta-feira, fevereiro 25th, 2015

O problema de estar casado é que fica um monte de traste de mulher no caminho
Nada contra
De você só quero a sobra
Eu sei que vocês fazem assim
Bem acionada uma mulher faz prodígios inacreditáveis
Sou a favor de comer as bananas mas não de jogar as cascas no chão
Eu faço o que a natureza manda
Quem quer resolva
Se eu chamar você vem?
Quem me atrapalha sou eu
Não sabia que és grã-senhora pensava que fosses uma gata na encolha
Não quero mais do que me queiram
Cada um só pode responder por si
Velho não corrige velho
Se convido uma mulher ela pode se esquivar mas se é ela que convida
Roubei: alg’umas são um’as
Poucos dos que já filmaram conseguem filmar de novo no Brasil
Como é que meia dúzia de grileiros manda na questão indígena
Ligo não pra quem reproduz o sistema
Não sei na sua mas na minha idade essas declarações de amor são absurdas
A gente encosta desencosta reencosta e é isso aí
Palavras são só pedaços
O povo é atraído e traído
Diz que todo o poder emana do povo mas quando o povo chega perto o que encontra é a polícia
Disse que pensei que fôsse comível
Eu quero é botar no de cima você vai gamar
Com a minha fragilidade aparentemente exposta o que mais conquisto são sentimentos maternais
E que muito me agradam
Mais sôfrego que sofrido
E salve nós que aqui estamos para aqui estarmos
Quase nunca erro mas também não acerto
Quem inventou e decidiu que povos e rios merecem ser destruídos por hidrelétricas
Devia ser proibido remeter para fora os lucros gerados no país
Cedi à tentação de buscar o bem comum
E ela engoliu a coisa toda até o talo
E sucessiva na primeira na segunda e na terceira lábios carnudos a despejar delícias
Uma gata tem três bocas três bocas a gata tem se eu me esquecer de alguma a cobrança logo vem
É a entrega total e que não faz mal
Anima o espírito porque a carne sempre será a mais fraca

Cantigas

terça-feira, fevereiro 10th, 2015

De tanto repetir a besteira ela não se faz verdadeira
Vivo ensaiando para ser mais feliz
Cuidado com a marola que o mar não está pra peixe
Nunca foi não é e quem sabe será
Devemos tratar ao próximo como ele nos trata
Difícil é pensar o todo
Tem que fazer o Estado fazer
Não se faz barraco em casa e nem também no quarteirão
Ainda esfrego o que tenho de meu no que tens de teu
Cadeia é uma coisa péssima e produtiva nunca é
Reforma de base é a municipalização
Não te procuro porque sei te achar
Não me arrependo nem me orgulho lamento
Comédia de equívocos é quando as coisas não são o que parecem ser
Não sei o que se passa enquanto durmo
Uma extraordinária estratégia é desentocar os bichos
Chega um momento que é de lei a displicência
Tem um jeito de mulher tem um jeito de menina
Não faça ao outro o que não queres que te façam
Acho engraçado o descompromisso das pessoas
Então por que me sinto tão compromissado?
E quando me perguntaram se eu era eu fiquei sem graça e disse que sim
Algumas vezes cedi
Se fosse seria fóssil?
Despe a tua nudez
Sou o que posso ser nem mais nem menos
Se beber me dirija
Dívida ou vira investimento ou vira prejuízo
Não me aborreço com coisas pequenas
Na verdade a rede só me serve pra deschavar ou queimar a coisa
Quem tem se preocupa mais do que quem não tem
O comunismo é um ato de fé na plena igualdade de todas as pessoas
Há que ser constante
O de ontem não pode esconder o de hoje
Sei o que queres de mim mas eu não dou
Você beija como eu beijo?
A maior homenagem ao passado é corrigí-lo no presente
Enquanto isto as motosserras devastam as florestas e as pessoas
Os mais novos nada tem a ensinar aos mais velhos
Discussões começam mas não tem como acabar.