Archive for abril, 2015

Falenas

quarta-feira, abril 29th, 2015

Não é pra ir fundo é só no raso
Cinema é projeção
Multiplicar entidades é enfraquecê-las
Flecha só cai no alvo que tem como se proteger mas que lhe cai cai
Saudade da soltinha
A bolsa é que nem pôquer todo mundo blefa
É hora dos municípios se adiantarem é neles que todo mundo mora
Aos que dizem não eu digo sim temos um futuro glorioso pela frente
É um absurdo dar o que é publico para estrangeiro
Ao invés de bater boca com a direita o que se espera é um governo de esquerda
Apreensivos se olham querem apreender-se
Sem reforma agrária não é nem capitalista
Tudo na minha vida é tribuna
Universidade publica mantida pelo trabalhador brasileiro não pode ser usada como cúmplice da invasão pagando filme estrangeiro com o nosso dinheiro publico
Atravessamos a multidão dos anos 60 o deserto
Se disser não uma vez eu insisto mas na terceira paro
Tirei um sarro na esquina e lembrei-me de você
Muita coisa acontece que eu não vejo
Gostaria de ser orgânico
Como resolver os problemas no país empilhando jovens nos presídios?
Quem não confia em ninguém é porque não sabe escolher
O barato da mulher é nos gozar
Se não nos goza fica chata
E se o problema é o parceiro muda de parceiro
É preciso ver o tempo em seu tempo
É difícil opinar sobre o que não vivemos
Quem disse que eu não posso mentir?
Só escuto os mais velhos aos mais novos eu falo
O Brasil é genial substitui o capitalismo pelo estado cartorial
A crise no Brasil é que o povo está comprando mais do que antes
Deves ter sido uma tentação ainda és
Homem e mulher nos encontrarmos deve ser um sério risco para a nossa integridade moral e física
Não sei se sou brasileiro não gosto de carnaval nem entendo de futebol
Brasil país em que doleiro tem fé publica
Você despreza o tomatinho pra picar o tomatão
O Brasil é o melhor país do mundo meuzôvo é demais
Como é possível que coisas tão boas acabem tão mal
Como são boas as marcas deixadas pelo tempo
Nunca foi melhor e melhor será
Vulcões a terra tem um sol dentro de si

Macros

terça-feira, abril 7th, 2015

Se não for muito exigente podes passar aqui e aprender comigo

O que não é fácil não me apetece

Queria ver quem nos 450 teria coragem de decretar o Rio de Janeiro território tamoio

Eu falo em defesa do audiovisual brasileiro em que trabalho há 50 anos vocês que defendem o poder de patrulha do governo falam em nome do quê?

É feio reclamar da vida

Toda a academia conhece os malfeitos que ali se praticam

Quem desdenha quer comer

Não queres comigo um encontro carne a carne

Em 80 radicalizei só filme brasileiro agora só curta

Deixa a presidenta governar se não gostar vota na oposição

Não deixe que te escrevam a biografia viva-a sem pudores

Assediou-me quando assediei reclamou

De tanto mamar tiraram-me o mel da chupeta o que não me impede de mascá-la

Culpa é bom acirra o sentimento da própria

Vivemos a vida o melhor que podemos

Beba do mel e do fel bochecha e engole tudo de uma vez

Ruim é não gostar de si mesmo

Invés de excluir a eles excluem a nós

Se esticar demais a corda ela te enforca

Você sabe o que é fumar maconha o dia inteiro?

Palmas para quem faz a coisa gostosa

Não descrevo escrevo

O conhecimento não pode ser apropriado individualmente porque ele é socialmente gerado

Bens gerados individualmente geram direitos individuais

Até o dia em que me convidares a sair eu te convidarei a entrar

Os ingênuos brincam de roda com o poder entre eles vai surgir aquele que vai brincar com os governos

Ninguém escreve para o depois escreve-se para o agora

As pessoas precisam morrer para serem lembradas

Eu sou bom mas quando acerto sou ainda melhor

Se não se exibir todos os filmes como saber o que os públicos preferem

Arte é fazer o muito com pouco

Não é possível que não se saiba o que atrai homens e mulheres

O marqueteiro me excluiu também nem sei quem me incluiu

Fico aí queimando minha barriga no fogão e ninguém liga pra minha comida

Quando for para todos será melhor

Solta a corda pra ver quem nela se enforca

Uma vez por ano faço um filme cada vez mais curto e morro de rir desses mais longos

Cinema é cachoeira o resto é poeira

Melhorar não melhora piorar não piora melhor não fica

De tanto conversar comigo mesmo acabo me entendendo um pouco mais

Dilémais

quarta-feira, abril 1st, 2015

Quando o amanhã chegar será hoje

O país que podia ter sido não fosse o 1o.de Abril

Questão indígena prioridade nacional

Tu faz charme de lá e eu de cá até parece fazer amor

Ando meio destampado

Estranho mundo tantos se arrependem de tantos malfeitos por tanto tempo e ainda querem levar o mundo consigo

Eu me preocupo tanto com dinheiro que é melhor nem preocupar-me

O problema é que os arrebatados acabam arrebatados

Você é como se depois de uma lauta refeição alguém me palitasse os dentes

Só caço borboletas que atravessem minha janela

Por que os policiais negros ou pobres são tão agressivos com a comunidade negra ou pobre

Num carece já esbanja o conteúdo

Você faz tanta bagunça que eu só quero saber o que fazer

Sinta-me à vontade

Minhas verdades são impublicáveis até pra mim

Bonobos

A maior vitória é estar vivo

Gosto da tua rebeldia servil

Bom mesmo não é bater é encher

Não é uma questão de ser só é de só ser

Como sabe todo mundo os recursos hoje existentes resolveriam todos os problemas do mundo falta o quê

É só dar corda e cada um que se garanta

Brasileiro tem preguiça de pegar onda fica só na marola

Nem sei se vou engolir você com a minha boca

Não tô aí pra nenhum xorôrô eu quero é resultado

Brilha pro mundo e ajoelha pra mim

Economia é atender às necessidades da população e não inventá-las

Não quero estar onde não queiram que esteja

Eu dou tudo pra você

Não me ufano porque ao povo afanam

Uma visita inesperada não pode ser tratada como rainha

O triste da vida é depender de terceiros

Você virou um pasto generoso

É bonito brincar com a fêmea é como faz o leão com a leoa

Quem pasta e repasta fica com a melhor pasta

O governo da inclusão social precisa também promover a inclusão cultural

Mulher é um problema de difícil solução melhor deixar por conta delas

O que falta é álcool na comida que sou proibido de usar

Não dá não dá pra revirar o mar

Ela deixa tudo ela não deixa nada