Deixas

Não há remédio que me cure
Não me diga coisas em que tens razão
O único ministério necessário é o da educação para educar todo mundo a viver como todo mundo
O que eu quero é de graça
O único problema da humanidade é a desigualdade
Deixei vocês passarem deixaram-me passar agora o reencontro
Aos poucos a presidenta vai botando ordem no progresso
Achei que tu tava dando pista
A fórmula é secreta cara a cara a combinar
Você era cabeluda agora é pelo ralo
Prender é tara de fascista
Afinal descobre-se que o capital explora o trabalho
A primeira pode ser a última
A esquerda desunida em partidos que fingem que pensam o país
Se não se unir com tudo a favor a esquerda será a maior traidora da pátria
Dá pra mim e tudo fica bem
O presente subestima sua potência
Agora sim é uma corrente pra frente
Há mais de dez anos era impossível
Radical é o que é de raiz
O que vem vai
Eu não sou o sol e você não é a lua
Se não gostar eu cuspo o caroço
Tua sorte é que eu canso rápido
Você me dá o que eu quero e eu te dou o que tu queres
Nunca deixe que um homem pague a tua conta
Só se fôr pavê pra comê prefiro na mesa
Não vou passar o resto da minha vida discursando à beira mar
Hoje as calcinhas não escondem mais o frêmito das nádegas
Todo mundo entra e sai a qualquer hora
Só quem faz é que sabe a porfia das coisas
Dormindo a seu lado é que a mulher revela sua meninice
Somos todos convivas na festa da vida
Não há como tirar-me o meu centro nas coisas
Não se pode ser feliz magoando os outros
E se eu cometesse uma pequena infração
Palavras delicadas são difíceis de usar
Melhor amantes que amigos
Se ela não gostar vai ser pior pra ela

Comments are closed.