Drinques

Não se impressionem recessão é golpe de burguês
Aproveitam para levantar os preços e achacar os
trabalhadores
As coisas têm preço o problema é quem as compra
A única solução é a máxima distribuição de renda
Textos são escritos para atores gritarem?
Os legisladores legislam da cabeça deles?
Confiai o Brasil é o único país auto-sustentável
do mundo
Nem 500 anos de predação conseguiram destruí-lo
O dólar e o pib que se danem o que precisa é uma decidida intervenção federal para acabar com as chacinas
Dizer quem é você é não saber quem sou
Um vice via pig urubuzar o mandato da cabeça de chapa em que foi eleito além de ameaça golpista é burrice de vampiro brasileiro
Não me escondo oblíquo-me
A ditadura foi na verdade um governo para-militar
Do alto comando do exército
Se tanto me deste sem eu ter feito o menor esforço por que agora será diferente?
Não mando em ninguém não quero ninguém mandando
em mim
Esse olhar de águas correntes
O gozo místico
O ardor do teu beijo me diz que não preciso
me preocupar
Confio no meu voto
Chegar em tal hora em tal dia em tal lugar nem sempre é possível
Mães de família dêem-se ao respeito
Ao Palácio do Planalto: Imediata defesa dos direitos
indígenas
Quase sempre é melhor esquecer
Nenhum papel vale mais que a vida
Palavras não resolvem mas ajudam
Às vezes hiberno às vezes ressurjo
Tanto querer não sabe esperar
Desdenho da sorte pra ver se acontece
Entre o ser e o nada a vida se vai
Quem vai responder o que vou perguntar
Quem vai perguntar o que vou responder

Comments are closed.