Archive for outubro, 2015

Pincéis

terça-feira, outubro 27th, 2015

Não me encanta o romantismo de algibeira
O estado foi criado pela necessidade precípua de impedir a violência
Contrato social
O problema do cinema é quando os cineastas abrem mão de sua gestão política
O problema da sociedade é quando os cidadãos abrem mão de sua gestão política
Não há um sem o outro nem o outro sem um
Prefiro o cru ao cozido
O meu preto no teu branco
Todo mundo quer ela
Sexo é bom mas não é tudo
Se pedalar não pode pra que tanta ciclovia
O negócio não é o filé mas os ovos de ouro
Em política o que divide ajuda a direita
Não se aproxime pode inflamar-se
Quando o meu dinheiro acaba eu fico de mau humor
Quando o meu dinheiro acaba eu fico nervoso
E como todo mundo aumento o mais que posso a minha eternamente rotativa dívida
É o sistema
Quem vai não volta nunca mais
As vidas tem princípio meio e fim
Na hora ruim é só baixaria
Depois passa
Todas as artes tem todas as formas das artes
Tudo virá a seu tempo
Óposição
Desfataliza
Todo mundo só quer até não querer mais
As coisas significam   o que podem significar
O que é ruim não pode ser legal
Quem é temente a deus também é temente aos homens
Desaflige
Um   bom dia é quando a gente nem precisa sair de casa
Os que pensam igual não agem igual
O que se chama de história é só a novela das classes dominantes
E se eu me descomponho
Ela não sabe o que eu já sei
Muitas vezes escrevo o coloquial
Fico ótimo sózinho
A vida é sempre um milagre
Até o fim

Saldos

quarta-feira, outubro 21st, 2015

Os incluídos fazem festa os não não
Eu acho que você é um pedaço bom de malhar você
acha ruim?
No teu abismo não vou me perder
Nunca
Bota na minha que eu boto na tua
Tudo é fruto de época
A arte é pra ser um exemplo do drama humano
Amigo meu é gente boa mesmo que não seja
É possível reverter o processo civilizatório?
Brasileiro gosta de nomes
Quem?
É o capitalismo que não se abole por decreto
É o combate ao imperialismo e suas crises capitalistas
Os governos não são a vontade de governantes
O estado é um aparelho da classe dominante
Mares que nunca singraria
Até o queixo ajuda
Troco por meia duzia
Por que não um choque de capitalismo pra ver se
o nosso pobre capitalismo pega no tranco?
Impublicável
Odeio máquinas e mulheres nesta ordem
A menos que
Mulher é singular
Encha meu copo
Pelo menos é o que a gata diz
Prefiro que você faça tudo pra mim
Sou alvo de uma vil sedução
Ta difícil ouvir um minuto
Vá cantar de galo onde foi parido
Ainda como uma feijoada não sei se antes ou depois
Esquecer é parte do problema
Lembrar é parte da solução
Não deixe a casa cair
Não deseje o improvável
Os governos tem que acabar com as chacinas é
prioridade nacional
Quer que lhe ceda uma seda?
E o que a preenche
A última será a primeira
O negócio é botar o país pra frente
Descontente? Vota em 18 na oposição!

Amassos

quarta-feira, outubro 14th, 2015

Não sou causídico mas como pode uma só pessoa investigar prender acusar julgar condenar e sentenciar alguém
Virou moda?
O que é uma delação premiada?
É confissão de culpa é como um afogado quer levar consigo o mundo todo
4 anos de sociologia desde 64 moldaram minha visão do mundo
Para o Brasil o melhor cinema mundial é o brasileiro
E para quaisquer idades
Em madeira forte não se mete o dente
Pela curva do caminho é que se vai chegando
Não é centralizar o poder é centralizar as políticas
Os cineclubes deviam sair de sua condição não comercial e tornarem-se cinemas de bairro
Sim precisamos falar de muita coisa alô entidades quem manda é o cara?
Sempre fui discreto
Antes que o jato os lave quem com lava lava com lava será lavado
Por um cinema modesto
Dois passos de uma vez a gente cai
Se não pra frente pra onde?
Ao puxar a calça ela mostra todo o seu talento
Quando comigo obrigo a me fazer feliz
Aos 16 comem e dão
Não ostento o que é meu
E que me importa não ser o primeiro
A quem interessa tumultuar o país?
O mal do mundo pode ter sido a industrialização
Meia dúzia de zelosos a fim de cassar o voto da maioria dos eleitores brasileiros pode?
Menos sede ao pote. Espera 18!
Quedas quebram
Qual é o problema do Brasil? Os alienígenas
Nem vem
Meu sangue é mineiro nenhum deles me engana
O problema da Petrobras é que tinha uns flanelinhas cobrando pedágio
À beira do abismo não vou
Reforma agrária é uma das condições para o capitalismo
O Brasil bizarro ainda está mais para o medieval
Como lidar com os tiranetes de quintal?
Em todos os sentidos o Brasil é o paraíso da especulação
Especialmente para o capital não existe pecado abaixo do equador
Acaba com carro!
Viva o bonde!
O país do carnaval sem ritmo não pode

Reparos

quarta-feira, outubro 7th, 2015

Sempre namorei a poesia
Tô a fim de problema não
Lido com coisas que não me interessam
Foda-se a economia. Acaba com as chacinas
A população todo dia massacrada no campo e na cidade e os babacas discutindo a taxa de juros
Se os governantes não são capazes de garantir a paz no país que renunciem todos
As capitanias não podem ser hereditárias   tem que ser populares
No início os invasores eram os brancos agora somos nós
Se não dá não basta
Quando puder vai poder
Complicou simplifica
Já chega
Vou explicar o que é o desejo
Que move montanhas
Fico pensando na coisa que tu deve ter
As mulheres fecham as pernas não por causa do da frente mas por causa do de trás
É positivo ver as mulheres passando
Essa estória da coisa há muito tempo nem me preocupa
E lá vai o pacotão
Ninguém tem nada que ver com a vida dos outros
Queria te ver chupando o osso
E engolindo a coisa toda
O resto é fácil a questão é ser parceiro
A coisa eu até queria mas não dá
Qualquer pessoa se conserta da mesma maneira
E aí vem você bancando que nem louca
Os homens e as mulheres mais felizes são quando não dependem do estímulo alheio
O melhor é poder ser
Independe
Cada um que se garanta
Sempre dá-se um jeito
Muitas são as bocas do prazer
Que importância ministério tem?
O que for contra a governabilidade não presta
Por muito tempo abafei o impulso
O amor cansa
A quem interessa criminalizar as empresas nacionais
Aos especuladores da Bôlsa?
Ao imperialismo?
Ao triunfo do capitalismo mundial que em toda parte massacra a humanidade?