Disputas

Saudações a Santos Dumont transtornado pelo que fizeram à sua invenção
Transformaram a pomba em míssil
Os inimigos dos meus inimigos são meus …
Cuidado com a próxima
Tragédias chegam mais tarde
Não me atribua perversidades que não tenho
E agora com vocês: o terrorismo de Estados
Os sagrados e os profanos
Nem sonhe em confundir-me com a barbárie
Que não se deixe a Maria na lama
E atenção: cada célula tem autonomia de ação
Algumas coisas vão outras não vão
Prender o capitalismo? Só se for papo de anarquista
Na minha casa sou rei
O que fazer com o inimigo dentro de nós
Descreva-me
Quando for correto aviso
A guerra do povo contra o polvo
Pula a guerra e parte logo pro armistício
Garantam a cada povo a sua terra sem países ou nações hostís
Não subestimem a nossa direita
Não é possível que a vontade de alguém determine a vida de milhões
O extremismo: que caldo de cultura faz nascer seu caule
Ninguém pode ser morto por vontade de outrem
O capitalismo nos devolveu à Idade Média
Cada povo tem direito à sua terra e nenhum tem direito à terra alheia
Tesão pela fêmea não é machismo
É melhor apaziguar
Violência não pode
Resguardo-me
Ex-presidente não preside
Adestrando a freguesia
Um candidato único de esquerda resolve a eleição municipal
Que seja o que já teve mais votos
Alguma coisa está errada como podem condenar milhões à morte
Quem antecede precede
É melhor procurar a paz porque a guerra é que é o terror
Não há como combater um exército de suicidas
A não ser adiantando-lhes a missão
Explodam-se

Comments are closed.