Sonhos

Graças às graças que me agraciaram
Sempre paguei pra ver
E arruinei-me mais de uma vez
Mas tem a volta de quem mandou dar
No que gira a roda
Nova chance se faz
Sem errar não é possível
Cada um tem seus motivos
E ninguém tem razão
Não sento na mesa com essa canalha
Ando bêbo e não caio
Entre a cabeça e a pena vão-se os pensamentos
A vida é gestada em sua própria terra
Cada terra uma vida
Cuidado com os saqueadores
Tem de montão
Se a tua vida tá uma zona não zoneia a do próximo
O gato se mete na gata
Ela num recrama
As relações ficam alteradas quando alguem decide o que é bom pros outros
Cineastas também exercitam suas tintas suas telas seus pincéis
A carga não é do burro é de quem nele a põe
Nada nasce pronto
Mas morre acabado
Fim do mundo são os manés que usurpam o país
Juntando quadrilhas de todas as latitudes
Ninguém e claro nem eu podia imaginar tamanha constelação de conluios
A repetir o drama de 64
E espero que não 68
Como ameaçam
Enorme é a distancia entre a mentalidade de um trabalhador e a de um intelectual
Enorme é a distancia entre os mais novos e os mais velhos
Enorme é a distancia entre os cantos do país
Mas podemos somar-nos
Ao invés de sucumbir
Virtudes não nascem de defeitos
Quando pensar no veneno pense no antídoto
Não se deixe enganar mais vale o que mais vale
Água e areia escorrem entre os dedos
Dedos tateiam na escuridão até que chega o trem

Comments are closed.