Eras

Indomável é o pensamento
Escorre como água
Devassa qualquer coisa
Por isso dominamos o que nos antecede
Os que viemos seguimos as trilhas dos que se foram
Aonde nos leva o pensamento
É isto que distingue o ser humano?
A permanente inconclusão
Os esqueletos são mais bonitos do que quando preenchidos
O tempo é outro
Esse golpe bichado com o vice de mané quebra a lei
O estado não pode quebrar a lei
Senão todo mundo pode
E não me venham com tribunais das contas nem são tribunais são cambonos parlamentares
Gostei de ver apesar da situação os funcionários na legalidade a explicar como o estado funciona
Nem são os governos mas o estado
Não é com essas continhas de chegar que os juridicos implantaram que se há de entender como o pais funciona
E assim por pura inveja do cargo derrubaram uma Presidenta legítima
Pela inveja de uns homens do poder de uma mulher
Derrubar com o descaso de qualquer expectativa de legalidade social
Implanta-se a barbárie
Os governos legítimos nem podem tanto assim decidir por sua vontade
Já os ilegítimos por serem ilegítimos espalham-se a rodo
A penada do mané sacrifica milhões
Quem lhe deu esse direito?
Usurpador medíocre
Palhaço oferecido do capitalismo internacional
E nisto arrasta o país à miséria e ao desespero
Pra nos fazer de pasto e repasto pra gringo
E segue o temerário a desfechar seus golpes boçais de maldade e desastre
A realidade tem suas armadilhas
Não convém atropelá-la gera mais problemas
A vampira e o vampiro
Cúmplice do ilegítimo parece que também ela invejava a legítima
Mas aí tem que disputar e ganhar no voto de eleições gerais nacionais
E não apenas ganhar a presidência no rodízio do supremo golpista
A roda roda
A roda arranha
A roda rasga
A roda quebra

Comments are closed.