Cidades

A cidade bomba
De coisas de gentes de carros
Se amontoam se acotovelam para ter um seu espaço
Espaços na terra não são infinitos
O que um ocupa o outro não pode ocupar
Empilham-se?
Até onde podem empilhar-se?
É preciso inventar o desdesenvolvimento
Precisa que a humanidade se revolte contra a desigualdade
Que é uma desumanidade
Pra que voar para as estrelas
Se não soubermos como viver na terra
Aonde foi parar a lógica da preservação da espécie?
Demais não é bom
De menos também não
Quantos amanhãs até o próximo hoje
Quantos hojes até o próximo amanhã
O que não é biodegradável é biodegradante
A juventude quando adulta emburrece?
Denúncia sob tortura vale nada
Tortura é crime contra a humanidade
Imprescritível
No capitalismo o que se chama propina é apenas comissão de venda
O meu eu não se conforma com o teu tu
Eu exploro tu exploras ele explora
Eu te e tu me
Tu me e eu te
O desmiolado desmiolando-se desmiolou-se
Cuidado com o mané se for depor periga não sair
Esquece a vírgula pensa no sentido
Importa o que quer o povo o resto não interessa
O sonho do bandido é prender o mocinho
O sonho do imperialismo é ganhar o país
No corredô é que é bão
No corredô é mió
Os chicaneiros se apoderaram do país
E seguem as estúpidas ordens de um gerente senil de banco estrangeiro
Não há de ficar pedra sobre pedra na economia nacional
E a gringalhada se esbalda
Nunca foi tão fácil

Comments are closed.