Esquemas

Quando a pequena burguesia persegue um operário a coisa fica grave
O barato dos justicetes lacaios do imperialismo é rifarem o país a preço vil
O sistema financeiro que é o que lava dinheiro permanece imune às delações
O pais virou uma ditadura consentida
Pra ganhar lá é preciso mil mísseis aqui levam de mão beijada
Plantar um limão pra ver se nasce um limoeiro
Até dormindo rola
No ato e eu não paro
O daqui e o de lá
Quanto mais se fala do mal mais ele se alevanta
O problema é onde por os pós
E os pés
Somos muitos mas não se espalhem
Os imperialistas são os imbecis os nativos defendem-se
O que alimenta a vida a regra ou a exceção?
Cada uma como tal
Mulher? Melhor não tê-las
Atraída na teia vou trabalhando
Se der problema vai pro fim da fila
Tudo só é o que poderia ter sido
Até parece que descobriram o Brasil
Pode ser do lar mas recatada não é
Ah! O capitalismo isso é que é roubo
Ode a Brecht
Manda ver!
Não me gaste no varejo só funciono no atacado
Não é o país é o sistema
O empregado é que faz o que o empregador não faz
O contrário é melhor que o avesso
Faz comida boa mas não sabe a louça lavar
E aí curtir legal a fome saciada
Vencerá!
Menos porque mais é demais
Mais vale o meu olhar que o bolso do freguês
Eu olho o que vejo
Eu vejo o que olho
Passar uma idéia a gente nunca pensa que é tão difícil assim
Difícil é fazer o outro ver também
E aí tentamos falar com as mãos
O nosso entusiasmo mais parece aborrecê-los
Parece um ritual que só acontece no final

Comments are closed.