Jeitos

Apenas deito ao papel o que me vem à cabeça
Quase tudo
Os neoliberais nem se incomodam de enxovalharem-se abertamente
Velho com gripe não sai no sereno
Cuidado para o exército não botar o supremo na presidência
O dinheiro é volátil mas a competência não
Para conjurar o mal é preciso não nomeá-lo
A Inquisição se apoderou do país desde a 470
Acolhendo uma denúncia torpe
E promovendo um julgamento sumário
Nas mãos de um único juiz
A quem os demais bateram cabeça
Dizimaram a economia
Dizimam a política
Dizimarão o social
É preciso impichar os governadores que mandam a polícia contra o povo
Quebraram a banca nacional pra gastar no exterior
Aspirar a altos ares
Deixa a ciranda rodar
País colonizado é o país da gorjeta
Fundamental é o direito à terra em que nasceste
Problemas nunca vêm sós
Ela diz que vai eu digo que vou
Nem ela vai e nem eu
O que se faz está contido no que se fêz
Aqui não se refere a nada
Gostaria de palavras livres pensamentos livres
Não importa o senado não importa o supremo revoga o golpe
A geladeira pifou
Sem ela a alimentação da casa declina
Claro que tem solução
Imaginem o mundo sem geladeira
Tal qual era
Tem que trocar a rebimboca da parafuseta
Velha e enferrujada melhor seria descartá-la
Você não gostaria que fizessem isso com você
Imagina descartar porque velha e enferrujada
Basta trocar a peça que atrapalha
E ver se pega no tranco
Há de pegar

Comments are closed.