Archive for julho, 2017

Pensares

terça-feira, julho 25th, 2017

Sobre o tudo
É difícil tolerar esses golpistas
Por que o supremo não cassa esse bandido
Porque é bandido também?
Há advir
Um filme de autor é um filme ao gosto de seu autor
Um filme é o seu modo de produção
Abaixo a matilha
A mídia enlouqueceu a destruir o país
Bozós e bozoas agora maquiados boçalizam geral
Não é possível que um só mané togado pare o país
Joga foro no lixo!
Melhor bebendo que brigando
Aproveita a maluquice pra que nada disto exista
Nenhum titulo de propriedade vale é tudo ilegal
O problema do Brasil é que neguinho acredita na basófia
Atocha a toga
Apenas nos autoritários certos indivíduos tem o poder autocrático sobre a vida alheia
A democracia nem é só ganhar no voto é oferecer oportunidades
A música é mais imediata o cinema é mais complicado
Veículos só devem ser usados para maiores distâncias
O meio massageia-se
A vida não é só o que nós gostamos
É o que os outros gostam também
Dever é um dever
Quando se fala da maravilha que é o capitalismo
Nem se imagina que é uma imensa fraude
Favorecendo a meia dúzia que explora a humanidade
Seria ótimo se fosse para todos
A isso se chama socialismo
Cultura não é o que é produzido
É o que se faz
É tudo o que o humano expressa
O desfiladeiro das almas perdidas regurgita de tantas notoriedades
A realidade é fruto de todos
Não nos damos conta que a desgraça de um país é a dominação estrangeira
Se quiser embarca senão desembarca
Não se dê força ao inimigo
Dê força ao amigo
O compadre da rua

Pensandos

terça-feira, julho 18th, 2017

Bom é andar a êsmo
Né mesmo?
Fôsse bom deus não precisava ter criado
Organiza: por uma frente ampla das esquerdas
Esquece o nhéco nhéco
O mané da esquina quer obstruir o país sai fora mané!
Melhor é a pré-verdade
O problema da ilegitimidade é que ela torna ilegítima qualquer coisa que venha dela
Golpista é pior que ladrão e ainda junta
Por que a Ancine com o dinheiro da atividade brasileira financia a exibição estrangeira e abandona a nossa como o Ponto Cine o Roque e a Jornada de Salvador?
Por que a Ancine pela qual o estado se apropria da poupança da atividade sediou sua base financeira no extremo sul?
Por que não a Caixa ou o Banco do Brasil ou o BNDES?
Devolve o mandato a quem de direito com ilegítimos não há negociação
A pressa é inimiga de quem está são
Faz uma exceção
Há obstáculos mas a democracia brasileira renascerá em 18
Quem puxa o saco engole o caroço
Lamento insistir mas insisto
Não é crível que meia dúzia de burocratas manipulando e estraçalhando os recursos recolhidos na atividade e não nos cofres públicos se atreva a dizer não a quem é um fundador do cinema brasileiro
Quem eles pensam que são?
Quem eles acham que são?
Imagina o que seria a visão do mestre sobre o golpe que fundou a republica
Nêstes tempos de golpes em que mesmo assim a história avança visitá-la é sempre a missão
Como dizer não? Não há critério no mundo que respalde tamanha besteira
Revogue-se e pelo contrário garanta-se todas as condições para o que será o mais importante filme do ano
A questão não é o que alguém ou ninguém acha
O que importa é o voto
Respeita êle
Anula o golpe
Como precisamos de reflexão no audiovisual
Quem mia é gato
Posso até estar de porre mas chego em casa
Vou fumar um proibido e dormir até de manhã
O cara tem o voto cês tem o quê?
Um intelectual orgânico não foge ao debate ainda mais contra a direita
Abramos caminhos na selva das cidades
Profundamente triste como os golpistas destruíram o país
Mas com esperança que em 18 acertamos as contas
Lula lá
A direita nos desafia

Ganhos

segunda-feira, julho 10th, 2017

Equilibrando em duas pernas é melhor que em uma só
Apertem os cintos
Se a canoa não virar
Teremos uma linda campanha de recriação da democracia
A se resolver nas urnas nem que seja em 18
É preocupante
Mas não há como impedir a emergência evangélica como não se impediu a jesuítica
É uma questão profunda
E que até representa uma insurgência popular
Que salva o povo da dominação católica burguesa passiva
E o impulsiona como figura para a comunidade
O diabo é o perfil comercial da coisa
E o domínio pela sociedade do espetáculo
Impõem na mídia em especial na tevê a sua pobre mas eficaz pantomima patética que nem novela
É pelo patético que arregimenta suas massas numa catarse coletiva que beira a histeria
Mas acaso é diferente do que foi a votação do impixe?
O que não se pode tolerar é a violência no choque de culturas e credos
Como em tudo pode tudo só não pode a agressão física
O preceito máximo da humanidade é o não me toques
As entidades patronais do audiovisual como de costume bajulam a Ancine apoiando a maldita na exclusão de todo o resto
Trocam a competência de quem faz por estúpidas pilhas de papel
Ganha tempo quem não o perde
Se no grande é difícil imagina no pequeno
Legaliza! O que no mundo é fonte de receita aqui é crime e repressão
A cada um o seu espirro
A cada um o seu esbirro
A cada um o seu espôrro
A cada um o seu escárnio
Só não enfia o dedo na tomada
Sai chatinho! Curta o que é bom
Essa tal de Ancine tem que se tocar sua missão é o cinema brasileiro o grande e o pequeno
Por que os fuderosos não se juntam pra fuder as estruturas?
Os nossos os de cá não os deles os de lá
Salário é propina
Para o trabalhador não se rebelar
Tantos significados para pouca significação
O impostor coagido pelo delator
A Republica decompõe-se que nem lixo
Só uma nova e sincera constituição salva o Brasil
Assim como naquele tempo o banco hipotecário salvou a lavoura

Dores

segunda-feira, julho 3rd, 2017

Ai que dó cortaram a árvore mais alta na frente do meu prédio
Diz que periga cair
Já estava no oitavo andar
Uma amendoeira
Raízes estourando a calçada
Junto aos canos de esgoto e água e gás
Ah como seria uma cidade natural
Deixou-se fazer as cidades de qualquer maneira
À beira dos rios
A água mater salve salve ou falta-nos ou abunda-nos
É justo? Não é justo?
Não é só crescer tem que partilhar
Os compromissos comprometem as metas
A imprensa fascista insiste em pavimentar o golpe
Entendi: o golpe é um rito de passagem por que passa o país
Troco as bolas por bananas
Amassadas mel e aveia
Fico na minha a minha ninguém há de tirar
No afã de entender mas devagar
É difícil escapar ao cerco da bêsta do imperialismo mas é possível
Impõe às pessoas perdas sem precedentes
Graças às sandices do ilegítimo golpista por onde passa o mundo está de olho pra ver até onde vai o desastre
As tiranias são portos seguros para o imperialismo
Pode o inominável proferir a inominável?
Por que o supremo não prende o moleque?
Antes que seja tarde … demais
Se condenar tem o supremo de imediato que cassar a sentença e o algoz
Por enquanto a meu ver o fundamental é impedir a loucura em Curitiba
Golpistas atacam golpistas
Querem o quê? Sentar no troninho?
O país desmorona
Mal comecei a entender já vou ter que recomeçar
Água dura em pedra mole escorrega
Pior que os coxinhas só os coxonas
Ainda não vi tudo mas parece que vem mais
O outro disse que o outro tinha dito que o outro disse
Hoje a maré tá fraca mas amanhã quem sabe fica cheia
Mais do que eu posso menos que consigo
A fórmula até pode ser boa o diabo é o resultado
E não convém repetir já deu merda