Manchas

A quadrilha no executivo no legislativo e no judiciário
Como uma espiral arrasa o país
É como um furacão
Logo aqui onde não os temos
Quantas perguntas estão a perguntar-se
Quantas respondidas
Nada que o humano faça pode ser estranho ao humano
Quando prevemos um temporal corremos a nos abrigar
Quando não … somos devastados
A dor não é a minha praia
Que nem escravos vendendo bugigangas importadas pela rua afora
E as trazem como grilhões penduradas ao pescoço
Os avanços dos humanos sobre a natureza são notáveis
Só se esquecem que eles e ela são um só
É melhor fazer antes pra não ter que fazer na hora
Se não és a lagoa pelo menos não me afogarei
Se não és a torrente pelo menos não me arrastarás
Se não sou um gigante pelo menos não te amassarei
E como não sou perfeito não insistirei
Pega o bagulho
Fuma o bagulho
E num recrama
O importante é começar bem depois piora
Quem bebeu quem fumou tem que agradecer por isso
O mundo em chamas é o que o imperialismo deseja
O macarrão tem que estar no ponto
Nem pra mais nem pra menos
Cuidado com o sal
E o problema não é dos saltimbancos
E sim dos bancos o assalto
A nós por eles infligido
Não se deve cogitar o incogitável
Vai que atrai
O congresso o supremo e o juiz acanalharam a republica
O que os governantes fazem é governar
O que os usurpadores fazem é usurpar
É preciso viver com menos
Para viver melhor
E vivermos todos
Ninguém precisa ter mais que ninguém

Comments are closed.