Archive for março, 2018

Máximas

terça-feira, março 27th, 2018

O que fazer quando a pomba da paz é abatida em pleno vôo
A pomba da paz é guerreira
Guerreia pela paz
É extraordinária a qualidade de sua militância
E ampla
Abriu asas para a vida
A luta é pela vida
O limite é a morte
Mas tão terrível
Sinistra
Calar tão autêntica voz de todos
Voz das urnas
Voz legítima
Do meio do povo
E junto
Não haverá como repô-la
É sinal dos piores tempos
Que nem venham talvez
Mas já é o pior sinal
A maldita tocaia premeditada
Um só dedo ao gatilho dispara a rajada
Inapelável
Indefensável
Quem tira uma vida não merece viver
Todos vamos ao trabalho
Cada um o seu
A que representa o povo
Tem por trabalho acompanhá-lo
Consultá-lo
Ouvi-lo
E falar por ele
Então já nem é só quem representa
É quem encarna
A perda é irreparável
Aonde ainda iria
Guardá-la sem dúvida na lembrança
Revê-la nos caminhos que andou
Não ousar seu nome em vão
Não perder sua direção
Deixar o lamento ecoar inesquecível

Transes

terça-feira, março 20th, 2018

Agradeço a carne não como o espírito
Não reclame ajude
Não rejeite ajeite
Senão vejamos tem o vampirão e sua quadrilha
Tem as vampiretes a que é feia de cara
E a que só anda de carro importado
Mais abaixo o cupincha do doleiro
E os dez supremos de pizza
Em 64 os golpistas civis foram todos pro vinagre
A fraude contra o Lula é comandada pela CIA
Por que brasileiro é tão fã de gringo?
A guerra ainda não acabou
Todo mundo é responsável pelo que vive
É difícil ver a pátria-mãe falida e nada fazer
É fácil chamar os militares
Difícil é dispensá-los
O vampirão ilegítimo não pode mandar no país
Nenhum brasileiro deve acatá-lo
Tanto medo eu tenho que até nele me perco
Vou morrer de tristeza de ver o país mergulhando no abismo de novo
É preciso viver para entender o sentir
O governo do ilegítimo é o dos predadores
Por todo lado a política é de rapina
Resolveram criminalizar a economia e a política nacionais enquanto entubam a coisa dos doleiros
Na caterva política só o Lula mostrou a que veio: o progresso social
A vida é um instrumento para a liberdade
O pré-aclamado presidente do Brasil não pode ser achacado por essas quadrilhas da toga
Nestes tribunais de exceção desde 64 beleza é a defesa sórdida a acusação
Canalha golpista togada auxílio-moradia
Quer acabar com a violência?
Faz como os gringos seus patrões
Legaliza
E ficam todos ricos
Os casuístas casuizam sem pudor
Entrementes as hienas antecipam os despojos
Não fosse um simples sindicalista haveria quem liderasse um levante popular
A revolução está sempre nas ruas
Só não progride porque abafada pela estrutura social
E pelas balas assassinas das tocaias
O Brasil foi sequestrado pela milícia imperialista

Issos

terça-feira, março 13th, 2018

À tôa fiz minha vida difícil
Podia escrever bobagens de amor
Melhor fazê-las
Enquanto é tempo
Tens aos teus e tenho aos meus
Nem tanto o que quero
Espera por mim
Não se confunda Maquiavel com maquiável
Generais: deixastes um criminoso depor a comandante em chefe e agora cumprís ordens monocráticas de um vampiro?
Cadê o brio?
Enquanto o fascismo se alastra no país
Perseguindo a maior liderança popular de nossa história
A Noruega deliberadamente envenena as nascentes e várzeas na Amazônia
Por que não se declara guerra à Noruega e aos demais invasores do país?
Por que não se manda os generais só os generais e seu ardor bélico pra detonar aquela merda?
Por que não se erradica o transgênico com as tropas só pra subsidiar a ascensão do comunismo chinês?
Acaso sois comunistas da linha chinesa?
Por que se tolera com seus rútilos uniformes importados o massacre de índios camponeses o povo brasileiro?
Ainda é tempo devolve ao povo a escolha de seu caminho
E afasta todos os babacas togados e seus auxílios-moradia
Nem precisa prender e arrebentar como eles fazem
Basta aposentar toda a canalha vá lá guardem sua graninha
E pelo amor de deus
Anula o golpe
Ao fim da guerra os americanos entregam aos nazistas Jean Moulin o líder da resistência
Pra que um comunista não seja como foi o libertador da França
Massacrado pelo carrasco Barbie que se escondeu na Argentina
Enquanto o general fujão De Gaulle desfila na Concórdia
E anos mais tarde extermina o maio de 68 dos estudantes e operários
Sinto-me no Rio como em Paris sob a gestapo
Vampirão vampirão vai tomar no seu ão
Togado é uniforme de moleque
Depende do pêso do cajado
Revolução não é guerra é mudança
Reunindo fôrças
É um salto adiante
Para o bem comum
O que está acontecendo
O que já aconteceu
O que vai acontecer

Ausentes

terça-feira, março 6th, 2018

Bom mesmo é se fôsse na real
Desfaixiza
Fôsse eu o próximo mandava incinerar
Quem vai querer essa faixa com a baba do babão
Que faixa foi essa, vampiro
Não espere mais proteja-se não se deixe prender
Todos os apenados na ditadura de 2016 deviam buscar asilo
Ninguém tem que acatar os tribunais de exceção do golpe de 16
Tôda a oposição devia pedir o asilo da ONU
Não se entrega lideranças na bandeja do golpe
Faltava a cereja do bolo atrair os militares para a repressão ostensiva
Tem mourão na estrada?
Prefiro errar que acertar
Se não aprender com a história pode ser atropelado por ela
Conta as estrelas mais que 3 é perigo
Quando as estrelas de lá saem vira uma guerra sem quartel
Com as 4 estrelas o golpe foi promovido à ditadura
Uma bala perdida de bazuca faz um estrago!
O fascismo não é o poder de um só é o poder da casta
Tem gente que não se enxerga
E do outro lado quem vai morrer ou matar são os jovens soldados e não os generais
A vida não tem remédio
Intervem em Brasília que é onde está o crime organizado
A questão militar: quem mandou o alto comando trair sua comandante em chefe
Até quando insistirão nessa bobagem de filmes de papel na bandalha de é-de-tais e comichões
Bastaria comprar pelo mesmo valor os direitos de exibição dos filmes prontos
E botá-los pra render no mercado
Burocratas cheios de atividade no audiovisual e por que não cumprem a lei do curta?
Simplesmente
Demoro
Retardo
Atrazo
Cumpro
Retomada é ruim
Só se mete uma vez o dedo na tomada
A segunda é burrice
A boca que abocanho
Parece uma touceira
Algo que procuro
A minha pena só escreve o que ela quer