Velhos

O que é um velho?
Uma vida vivida
Não gosto de acidentes
Convivo com o efêmero
Mas gosto do sublime
Não é que a vida seja pequena e medíocre
A vida é coisa doida
Vai pra todo lado e pra lado nenhum
Us cara atrapáia
Bota estorvo
Aniquila por um trocado
Um país decente embargava a especulação capitalista
Ela não existe
Ela é virtual
Existe o trabalho
Que bota o pau em pé
De tanto falar vão acabar elegendo quem não querem
Não pode um operário ser de novo o presidente da República?
Se tu fores operário devia ser ao menos solidário
O Brasil é como um arquipélago sem base territorial comum
E ocupado pela nuvem de gafanhotos estrangeiros
O ciclo de uma vida é sempre diferente
Pode ser muito ou pode ser pouco indiferentemente
100 anos dele e 100 dias do nosso
O estado policial federal
Criminalizar a oposição é a tática do regime de exceção
Em qualquer lugar do mundo
É duro ter que ouvêr os idiotas na tevê
Us fedaputa viero carcá in riba di nóis
O problema no Brasil e no mundo é querer caber na hegemonia capitalista
Não tem pra ninguém
A vida é uma vitória sobre as circunstâncias
Se a pedra cair na tua cabeça é porque foste escolhido
Não repete o nome desses pestes diz assim aquele ali
Sem apresentar-se uma clara unidade de esquerda isso aqui vai ser um desastre
Criminalizar a oposição é uma tática do regime de exceção pró-imperialista
Qualquer mané togado inventa e imputa o que quiser
E outra meia dúzia de togados acata e impõe aos milhões de eleitores à espera
Os menos votados deviam retirar-se e unir-se aos mais votados
Diz aí o mais votado

Comments are closed.