Archive for setembro, 2018

Votos

sábado, setembro 29th, 2018

O Brasil vai mostrar sua cara para os anos que vêm
Capricha na pose
Em todo o mundo o pêndulo já pendeu bastante pra direita
O velho imperialismo não dá repouso a ninguém
Exposto e derrotado em muitas frentes ressurge a cada turno mais violento
Ninguém se engane
Vivemos uma guerra mundial permanente não declarada
Biombos e mais biombos são erguidos a ocultar os milhões e milhões de vítimas do genocídio imperialista
Mas o pêndulo já pendeu demais pra direita
É hora de retomar o prumo antes de mais formidáveis desastres
Inacreditavelmente tem a direita em tantos países chegado ao poder democraticamente pelo voto
Não se permita que isso possa acontecer entre nós
E meio que desavisadamente em meio à crise emerge o bufão em cena aqui e alhures
Tôsco e abusado como as jurisprudências cúmplices quer aproveitar-se da fragorosa derrota do golpe de 16 em todas as frentes
O país uma das grandes potências emergentes e autossuficiente em seus recursos não pode entregar-se à entrega às multinacionais dominantes no mundo
O golpe de 16 inspirado e alimentado desde sempre pelo imperialismo não pode ser perpetuado na destruição de nossa vida com o país rifado de alto a baixo pela ilegitimidade do poder golpista
Para todos os brasileiros o xadrez está posto
Ou a vitória ou a degola dos interesses populares que são a enorme maioria do país
A burguesia local quer suicidar-se
Não se pode permitir que leve a população junto
Esta eleição virou um plebiscito
Não se negue os méritos de alguns candidatos mas reneguem águas turvas
O jogo está posto
Não se adie mais a decisão
Será muito custoso em tempo dinheiro suor e lágrimas
Resolve no 1o.
Ponham a mão na consciência
É eles ou nós
As elites ou o povo
E que melhor seja em todas as frentes de governo os executivos e os legislativos
O país precisa respirar melhores ares para todos melhores dias
O povo unido não pode ser vencido

Vácuos

terça-feira, setembro 25th, 2018

Vai-se a farsa acaba a farra
Como é de seu costume a Lobo fabrica golpes
O estado é uma organização da sociedade para o bem estar comum a todos
O pior nem é só o fascismo é o burrismo
O passado a deus pertence
Mal dou conta do presente
Não há o que enfrentar
Senão as agruras do destino
Só a paz muda
Quando não é muda
Quando é ativa
Só os movimentos pela paz podem salvar a humanidade
Tem gente pra todo gosto e pra todo desgosto
Todos trinam mas alguns latrinam
Ruim é quando os capitalistas sabotam a democracia
Quando aliciam as juventudes
Quando subornam as midiáticas
Quando especulam nas bolsas
Onde o vil metal idolatra-se
Devagar nas estradas cheias de curvas previne acidentes
Não é recomendável acelerar
Gasta mais energia
Aumenta o consumo
Esquenta a máquina
Desgasta a engrenagem
Polui o ambiente
Fomenta a fome
Alastra a crise
Explora o trabalhador e a trabalhadora
Insufla a violência
É bom se precaver
Porque depois de eleito
Não dá pra desmanchar
Vota certo e confiante de que fazes o melhor que podes
Se o país eleger os pilantras o que se há de fazer
Quanto custou e custa que o voto é soberano
Todos os que são candidatos tem a obrigação de defender o voto
As mesmas águas não passam nas mesmas pontes
Já os mesmos rios desaguam nos mesmos mares
Às urnas cidadãos!

Pés-quisas

quinta-feira, setembro 20th, 2018

No creo em pés-quisas
fossem boas seriam feitas com as mãos como o voto
Mas é assustador as propaladas intenções de voto às direitas
Não é só uma direita são diversas num leque que vai do mal a pior
E as pés-quisas meia dúzia de telefonemas avulsos desde que existem viram uma corrida sem fim
Não retratam nada mas induzem vergonhosamente os públicos
Direi uma bobagem: os públicos adoram apostar
E pior não querem perder
Bombardeados a torto e a direita os públicos tangidos transformam-se em auditórios
Quem nos bombardeia?
Os capitalistas locais pela mídia pela publicidade e pela formação de grupos e associações mantidos financeiramente por eles
E tem candidatos
E conseguem o prodígio de produzir uma juventude pró-imperialista
Desde o ranger das trombetas na 470 não se imaginava o estrago que viria
Mundo afora e américa latina adentro vão os capitalistas avassalando tudo
É uma horda bárbara
Tão nem aí pra nada que não seja o acumular de seus privilégios
Exploda-se o planeta
Maltrate-se a população
Que em sua maioria a maioria da população mundial sobrevive o quanto pode com o mínimo de gasto
O sucessivo e insistente empilhamento de moedas dos ricos vêz por outra desaba
Gostaria de uma pés-quisa que nos dissesse quando

Pétalas

terça-feira, setembro 18th, 2018

Não dê trela pra direita ela se engole sozinha
Atacaram o atacante
O país ansioso aguarda ouvir a voz da solitária
Governos personalistas não são democráticos
Alçados à magistratura o que fizeram?
A data é vênia
A data é falha
A falha é falha
Hostilizado fujo para dentro de mim mesmo
A dívida?
No capitalismo dívida é poupança é investimento
A escrita é o lugar em que o escritor fala com o leitor
Não há como responder
Quando os violentos se encontram
A burguesia brasileira é burra
É 13 no 1o.
Não haverá segundo é 13 no 1o.
E não é só ele tem a vice que é de primeira
O país doidin pra sair do precipício e ôceis brincando na beirada
Não se pode aceitar a guerra
É preciso construir a paz
Não se pode conviver com a violência
A violência é a morte
A revolução é sempre mais lenta que os golpes?
Depois de um trauma ou de uma perda serei o mesmo?
Serei eu mesmo?
Serei
Nascemos pra ser quem somos
E somos
E de repente a esquerda e a direita atacadas pela patologia de indivíduos
Vidas ameaçadas ou perdidas
Para avançar é preciso saber recuar
Resolve logo no 1o.
Porque o segundo vai ser guerra
O morro subiu
A pesquisa manipula os pesquisados
A mídia manipula os midiotas
O delator manipula as delações
Não se deixe manipular
Lula vai a plenário

Potocas

terça-feira, setembro 11th, 2018

Não adianta ficar querendo coisas
A máquina é que tem que andar
O golpe foi muito criativo
Invés do toma lá dá cá
Inventou o tomou cá deu lá
Eleições sob tutela de nomeados em governos legítimos por que se tornam seus e nossos algozes
Afinal democrático é o governo do demo?
Ganharam a batalha?
Então devolve a bandeira
Solta o véio
Uma montanha de lixo audiovisual estrangeiro inunda o país
O problema com os caras do mal é que eles acham todo mundo igual a eles
Só restou o que menos importa: o prédio
Infelizmente resta-nos aprender a lição
Talvez a Luzia tenha vindo resgatar sua alma aprisionada pela colonização
Talvez Tiradentes tenha vindo vingar-se de terem queimado e salgado suas terras
Quem manda querer comemorar a farsa da independência
Os jovens levam a vantagem de viver mais do que nós velhos
A julgar por nós o que foi que aprendemos?
Não sei por que temos que preservar às nossas custas essa arquitetura senhorial portuguesa no país
Nunca se viu coisa mais feia
Só se ainda somos colônia deles
À presidência não se pode imputar a gestão de cada uma de suas centenas de elos de governo
Pra que entrevista se não deixam o entrevistado falar
Mais parece como o outro um tribunal de exceção
As banalizações dos males
Apara a aspereza
Lula vence no 1o.
Condenar sem provas pode?
O feitiço contra o feiticeiro
Chamou a violência?
Avisa lá a independência será no dia 11
Qual?
Como pode alguém prender alguém?
Liberta o país
Privar a escolha de milhões
Com a fraude aberta e escancarada
Que cada um vote em quem quiser
E então saberemos a cara do país
Se azul se vermelha sempre verde e amarela

Bens

terça-feira, setembro 4th, 2018

Bem …
Parece que nunca acaba
E vai desdobrando desdobrando
É um mal alastra-se insaciável
Antes em 64 foi a burguesia civil que empurrou a militar para o golpe
E aí tomaram gosto e ficaram a chacinar o país por muito tempo
Não são as forças armadas
Graças a um regime de disciplina e hierarquia
O que vigora é a voz de comando
O comando manda a tropa obedece
Milhares e milhares de formigas a cumprir a função
Formigas não são do mal são necessárias
E sobre os milhares e milhares de militares proletários ergue-se a pirâmide que vai dar no comando
Agora em 16 o que vimos?
A burguesia civil insufla a jurídica
E enrola-se nela
Não são as forças jurídicas
É só um vindo do nada que fabrica processos indícios provas delações
Mas uma frota de semelhantes logo se agita
E vão ganhar seus tempos nas tevês
Quem sabe fãs-clubes
E imperam contra a maioria das forças jurídicas
E nem servem à burguesia fabril a tal que seria líder no crescimento
Servem aos financistas
Surgidos no bojo da ditadura anterior nas especulações da bolsa
A nossa a burguesia brasileira é servil
Quer servir aos interesses do imperialismo
Infiltra-se e dissemina-se na sociedade
Planeja e executa golpes financeiros e jurídicos
E inverte o que é justo o ônus da prova é do acusado
O acusador desdobra-se
Inclui notas fiscais fabricadas a induzir sentenças
Dispara e afunda para o gáudio das corporações estrangeiras as nossas maiores corporações nacionais
Bem sei há um fluxo de capitais
Quem vai domá-los?
A batalha é agora
Ou vigoram os golpes ou vamos derrotá-los nas urnas
O que é decisivo é a inclusão social
Que foi o que fizeram os últimos governos legítimos
Ponto saudações