Vidas

Gosto de ver os passantes na rua
Cumprimentá-los responder cumprimentos
Os meninos no cangote do pai
As meninas correndo à frente das mães
Os meninos também
Quem já viveu sabe que não há depois à direita
Quem recua não avança
Quem avança não recua
O Brasil tão grande não pode deixar o povo pra trás
Povos honrados trabalhadores e da paz
A tudo resistem
Este país o único autossustentável do mundo
Apesar de violentamente atacado e despojado
Ainda detém forças da natureza capazes de alimentar e abrigar todos os seus habitantes
Todos são donos 1/208 milhões de avos do produto interno bruto nacional
Não se pode roubá-los
O estado o poder não pode mais ser o que tem sido
Não se pode andar nas ruas com sua população maltratada
Não por desprezo mas por vergonha
O abrir das urnas revela o retrato do país
É isto o que queremos?
Sim queremos um retrato do país
Para corrigí-lo acertá-lo não permitir desastres
Não permitir nenhuma violência onde quer que se esteja
Violência armada violência desarmada qualquer tipo de violência
Violência da omissão
Violência do silencio
Os 208 milhões de brasileiros cabemos com folga nos 8 milhões e meio de quilômetros quadrados em que vivemos
E sabendo usar não vai faltar
Não precisa sair devastando tudo por míseros dinheiros
Não precisa de corporações explorando a todos
Precisa como sempre precisou de uma simples reforma agrária
A terra para quem produz
A agricultura familiar sem envenenar o chão
Sem envenenar as águas
Sem envenenar as comidas
Sem envenenar as pessoas
Não se dê chance a quem sabota o povo
A quem sonegue sua liberdade
L sim

Comments are closed.